View Blog 073
View Blog 073

Como a projeção do PIB afeta os preços do mercado?

As projeções para o crescimento da economia brasileira em 2018 desabaram nas últimas semanas. As expectativas, que iniciaram o ano próximas de 3%, já se encontram ao redor de 1,5%. A redução de perspectiva de crescimento também já afeta 2019 e tem efeitos generalizados na economia como um todo.
Após um 2017 difícil, ano em que a fraqueza do governo impediu a implementação da reforma da previdência e a recuperação econômica foi muito tímida, a expectativa para 2018 era bem alta. A retomada do crescimento econômico era considerada como certa. No entanto, já no primeiro trimestre deste ano, os números da economia não vieram bem. E em maio, com a greve dos caminhoneiros, houve mais um golpe negativo em relação à recuperação para 2018. Mas o que este número previsto de 1,5% para o ano significa para preços de ativos?

O cálculo do PIB e o carrego estatístico

O cálculo do PIB se dá de forma trimestral. Para a composição anual, tem que se computar todos os resultados trimestrais do ano corrente frente aos resultados do ano anterior, ou seja, levam-se em consideração 8 trimestres. Assim, no início de 2018, já tínhamos as informações referentes à 2017. Com isso, é possível calcular o carrego estatístico de 2017 frente a 2018, isto é, quanto o crescimento até o final de 2017 adicionará para o crescimento em 2018. E esta conta aponta que o número do carrego estatístico para 2018 é ao redor de 1%. Assim, a economia em 2018 precisa crescer mais do que isso para se ter um ano efetivamente positivo. Como a perspectiva de crescimento para 2018 é 1,5%, o ano de 2018 está adicionando muito pouco para o crescimento econômico.

O CDS (Credit Default Swap) do Brasil

Neste meio tempo, o seguro para proteção da dívida do Brasil (CDS), que vinha com preços bem comportados, explodiu, saindo de cerca de 150 pontos para 280 pontos. Qual a razão disso? Como o crescimento do PIB é importante para a arrecadação do governo através dos impostos e houve frustração da atividade econômica, o governo vem arrecadando menos do que esperava, o que fez com que o seguro para sua dívida aumentasse de preço significativamente. Só que o CDS é também uma proxy para a taxa de desconto de todos os ativos internos, sejam eles ações da bolsa, títulos de crédito privado ou público. E quanto maior a taxa de desconto, menor é o valor dos ativos.

Os preços dos ativos

O crescimento da economia medido pelo PIB é uma variável importante para avaliação de preços de ativos, principalmente aqueles ativos ligados à economia real. Desta forma, vimos o Ibovespa subindo muito forte no início do ano, na esteira das perspectivas melhores para o crescimento da economia e, a partir de meados de maio, devolvendo todo o ganho, antecipando a piora das projeções do PIB e precificando a taxa de desconto mais elevada. Vale observar que os ativos que mais retraíram seus preços foram aqueles mais ligados à economia interna.
O efeito da queda da projeção do PIB sobre o CDS também afetou a moeda brasileira e o real se desvalorizou significativamente a partir de meados de maio. Claro que outros fatores externos também se moveram a favor do dólar, mas a piora da economia brasileira foi importante neste movimento.
Os preços dos ativos de mercado dependem de vários fatores e devem ser bem voláteis, pois estamos em ano de eleição, mas monitorar o movimento das perspectivas para o crescimento de nossa economia ajuda a entender as tendências que os mercados terão nos períodos para frente.

 

Escrito por: GapEconomics