large View Blog 041
large View Blog 041

Como fazer a gestão de risco para suas operações?

O uso da gestão de risco é o que mostra se uma estratégia operacional pode ser lucrativa no longo prazo. Isso acontece porque independentemente do uso de qualquer técnica, o mercado é imprevisível. E no fim das contas o que vale é se os ganhos foram maiores que as perdas.

Com a gestão de risco, o trader estabelece stop, tamanho de lote, momentos propícios e não-propícios para operar. Quer entender mais sobre a importância de realizar o gerenciamento de riscos usar nas suas operações? Acompanhe mais esse conteúdo completo do blog da Nelogica!

Gerenciamento de Risco: o básico para qualquer trader

Não tem como sequer cogitar em operar no mercado sem o conceito de gestão de risco. Se você já está operando e nunca ouviu ou leu sobre isso, pare de operar nesse exato momento. É um guia um verdadeiro guia para qualquer estratégia na Bolsa. É a gestão de risco que diferencia o que você deve do que você não deve fazer, independentemente se você usa análise técnica, tape reading ou usa qualquer outra metodologia.

Imagine aquele cenário perfeito de trade: tudo está ocorrendo exatamente como você planejou. O gráfico está lindo, mostrando um OCO simétrico e você pensa: “agora vai, é impossível esse trade dar errado!”. E vende de mão cheia. Só que naquele exato momento,  do outro lado do globo terrestre, um broker de um grande fundo recebeu a ordem de comprar tudo o que tinha na fila, gerando um fluxo gigante de compra e fazendo o preço subir.

Nesse exemplo anterior, você errou? Se a sua estratégia era vender naquela condição, você acertou em realizar a venda. Se estava tudo certo, porque o mercado subiu? Exatamente por ser impossível prever o que vai acontecer no mercado! O erro desse caso é outro: achar que a estratégia poderia ser infalível. Esse é o erro dos traders que a gestão corrige.

Você pode realizar um trade e perder, algo completamente normal. Faz parte do jogo e não é possível controlar. O que é possível é reduzir o quanto você vai arriscar e o quanto você está disposto a perder por trade. Já que o mercado é soberano, só é possível controlar o que você vai fazer diante dele.

Para começar a usar o gerenciamento de risco, é importante definir dois pontos fundamentais: stop e tamanho de lote.

Definindo o stop

O stop é um amigo do trader. É por meio de stop que uma operação ruim é fechada, dando oportunidade do operador buscar novos trades. Um primeiro ponto então é inevitável: use o stop.

É preferível usar o stop na máquina quando é iniciante. Apenas se você for um trader com muita experiência e prática que o stop pode ser feito “na mão”. O motivo é bem simples: um trader de pouca experiência que tenta stopar na mão, fica só na tentativa, pois vê o mercado indo contra a sua posição e fica torcendo para voltar. Ou seja, na prática acaba não usando stop.

O estabelecimento do stop está relacionado à estratégia e o perfil do trader, ou seja, para o scalper será um modo e para quem busca operações mais alongadas será outro.

Como definir em que preço colocar o stop? Independentemente dos detalhes de cada mercado, há duas maneiras que ajudam nessa definição: por payoff e por assertividade operacional.

Stop por payoff

O stop por payoff é a ideia que você busca por trade uma meta maior que a possibilidade de perda. No índice futuro, por exemplo, você faz um trade com alvo de  150 pontos com stop de 50 pontos, payoff de 3 para 1. Em uma situação que você acertou 50% das operações, por exemplo, você vai sair no lucro no final das contas.

A ideia do payoff é que você não precisa acertar todas operações, nem a maior parte delas, e mesmo tendo uma assertividade não tão grande vai vencer no mercado. No exemplo anterior, mesmo se você errasse 70% das operações ainda teria gain, então a assertividade é e sempre vai ser importante, mas não é a peça chave dessa estratégia.

Stop por assertividade

Por outro lado, o estabelecimento do stop por assertividade toma como base a ideia que você vai acertar mais trades que errar. Ou seja: pelo menos 51% das operações vai ocorrer acerto. Nesse caso, o raciocínio é simples: se com a revisão você viu que é a sua estratégia acerta mais que erra, então o stop pode ser definido com payoff negativo. “Pode” não significa “deve”, é claro. Então estude bem o caso para essa identificação.

Um exemplo de stop por assertividade: uma operação no índice com gain de 100 pontos e stop de 150 pontos. Se você acertar 66,6% das operações (2 a cada 3 operações, por exemplo), você sai com gain no final.

Calculando a expectativa de lucro para payoff e assertividade

Para as duas maneiras, como calcular a expectativa de lucro? Faça a seguinte simulação: (número de operações em gain no mês x valor médio do gain) – (número de operações em loss no mês x valor médio do loss). Se o resultado é positivo, isso significa que a expectativa de ganho é positiva ao longo do tempo. Se não for positiva, reveja o payoff e a assertividade. Se as coisas estão dando errado, 3 opções são possíveis:

    • Acertar mais operações.
    • Alongar o gain.
  • Reduzir o stop.

Teste e veja o que mais combina com o estilo operacional. Para esses casos, é sempre bom ter uma conta de simulação para testar exaustivamente até aprimorar o máximo possível.

O melhor cenário é estabelecer o stop usando o payoff e assertividade em conjunto. Mas, obviamente, isso não é fácil. Geralmente quando a assertividade é alta, o payoff é baixo e vice-e-versa.

Definindo o tamanho de lote

Saber definir o lote operacional é fundamental para ter sucesso na Bolsa. Isso acontece porque mesmo que a estratégia seja muito boa, alguns poucos stops podem gerar a quebra de uma conta. Dessa maneira, operar maior do que pode é um suicídio operacional.

Como definir o lote? Isso depende de alguns fatores.

    • Fase do trader: Se você já é um trader consistente, pode se dar ao luxo de operar com um lote maior e até mesmo realizar o aumento do lote quando sentir confiante. Mas é necessário sempre realizar o aumento de lote com critérios objetivos. Se você é iniciante, opere com o lote mínimo.
    • Fase do mercado: Quando o mercado está completamente atípico, com altíssima volatilidade (como em momentos de breaking news) ou com baixa liquidez e volatilidade (como no mês de dezembro), é interessante reduzir o lote padrão, pois assim você reduz a sua exposição ao risco.
  • Margem na conta: A margem é o dinheiro que você tem em conta solicitado pela corretora para operar. Não adianta operar no limite da conta: o preço vai ser alto demais para se pagar. Estabeleça uma margem adequada para o mercado que você está trabalhando. Para minicontratos, por exemplo, o mínimo desejável é de R$ 500,00 por minicontrato.

Além da gestão de stop e tamanho de lote, é importante desenvolver critérios para o operacional diário que travam o chamado “tilt” do trader.

Operar até qual horário? Quantas operações por dia? Parar com quantas perdas seguidas? São perguntas que devem ser muito bem respondidas para evitar entrar no “modo cassino”.

Módulo Gerenciamento de Risco – Profit

Aprimorando a gestão com o bloqueio operacional

Você que já opera há algum tempo lembra de algum dia que estava enviando ordens sem critério nenhum? Talvez motivados por uma perda, tentando se vingar do mercado e buscando o lucro de forma desesperada? Esse é o “tilt”. Quando ocorre, o trader foge completamente da estratégia, operando de modo aleatório como um apostador viciado.

Esse autocontrole é difícil de ser feito, porque os sentimentos de ganância e revanchismo são naturais do ser-humano. No trader leva a consequência terríveis, como grandes perdas. Como bloquear o “tilt” para que não entre no operacional diário? Uma maneira muito usada é estabelecer critérios objetivos de gain e loss diários, número de operações, número de operações seguidas em perda e stop por horário.

Criando metas de ganho

Definir a meta diária é definir o quanto se pretende ganhar no dia. Isso é bom por dois motivos: um deles é saber até quando operar o outro é parar de operar quando chegar nesse objetivo.

Um caso clássico é o do trader que não possui meta diária e inicia as operações no dia. Chega em um valor de ganho que teoricamente ele poderia parar e recomeçar mais descansado no dia seguinte. Mas segue operando, até o momento que devolve todo ganho, às vezes até terminando em prejuízo. No momento que se estabelece um ganho diário, se mantém uma referência de onde você precisa chegar todo dia.

Criando limites de perda

O trader que não define um limite de perda diária (também chamado de loss diário ou stop diário) é um típico operador que vai quebrar a conta mais pra frente. Isso acontece porque quando não se aceita que em certo dia você não está bom para operar ou que não a estratégia não foi boa para aquele dia, a perda tende a se acumular em muitas vezes.

Nesse dia, normalmente é um dia que o operador pode até estar empatando, e aí tenta fazer o resultado rapidamente e logo incorre em perdas significativas. Como fugir desse looping? Estabelecendo um loss diário. Se perder R$ 500,00 no dia, por exemplo, não opera mais.

Estabelecendo loss diário reduz o risco de entrar em uma espiral de perdas no dia, guardando o psicológico para um momento que estiver com maior concentração. Lembre-se que operar é 80% cabeça e 20% de técnica!

Limitando por número de operações em loss

A perda é algo que pode afetar o trader, então você deve sempre limitá-la de modo que ela não seja uma pedra no sapato e sim algo que faz parte do jogo. Quando se limita o número de operações em loss consecutivas, está sendo definido que a partir de certo trade se você segue perdendo, você para no dia.

De novo, a questão da concentração e do mindset são cruciais: muitas vezes o trader fica desnorteado ao perder consecutivamente e joga todo um resultado fora de modo completamente amador. Para isso, é importante delimitar.

O feeling do trader aqui acaba fazendo muito sentido para definir, mas é interessante ver os dias de perdas consecutivas (se tiver um) e ver onde que o resultado desandou completamente. Por exemplo: a partir do 4º trade perdido aumentou a frequência de trades feitos e perdidos ou a partir do 5º trade em loss consecutivo o stop foi alongado fora da estratégia.

Uma dica é ter um limite de 3 perdas consecutivas no dia, retornando a operar só no dia seguinte. Mas isso pode ser flexível de acordo com a realidade de cada trader.

Limitando por número de operações

Faz normalmente 4 a 5 trades no dia e em um determinado pregão fez 20? Provavelmente tem algo de errado. Operar demais, mesmo sendo scalper, deve ter o cuidado de estar de acordo com a estratégia traçada. Se o trader opera mais do que o seu padrão, certamente está desconcentrado ou achando que qualquer oportunidade é uma chance de fazer um bom trade.

Como evitar esse comportamento conhecido como overtrading? Limitando o número de operações. Analise o seu operacional, pegando uma média do número de operações e dias que você operou acima dessa média. Se nesses dias que operou acima dessa média houve perda, estabeleça que vai operar apenas o número médio de operações (até 8 trades no dia, por exemplo). Desse modo, evita se desconcentrar e perdas desnecessárias.

Delimitando por horário

Essa bloqueio operacional ocorre quando o trader opera bem em um turno e mal no outro. Geralmente é aquele operador que faz um bom dinheiro pela manhã e opera mal à tarde, devolvendo o ganho. Nesse caso, vale a pena realizar o bloqueio operacional por horário, limitando que só vai conseguir abrir novas posições até 12:00h, por exemplo.

Utilize ferramentas avançadas na gestão

Toda a gestão de risco deve ser utilizada conforme as estratégias definidas. Não é algo que é inflexível para sempre: deve estar relacionado às técnicas do operador. Não faz sentido, por exemplo, realizar um bloqueio operacional à tarde se as melhores oportunidades para operar surgem à tarde. Também não faz sentido realizar bloqueio de número de operações pequeno se você busca várias oportunidades no dia.

Para tudo na Bolsa, vale o estudo e avaliação se existe ou não lógica. Mas fica a questão: como obter todos esses dados e como utilizar ferramentas que auxiliam no gerenciamento? Uma plataforma profissional tem essas e outras informações de extrema relevância para o operacional.

O Profit é uma plataforma profissional que auxilia a gestão de risco do trader. É composto por duas funcionalidades essenciais: módulo de gerenciamento de risco e relatório de performance.

Módulo Gerenciamento de Risco

Você leu bastante a respeito de parâmetros de bloqueio operacional. Mas e se houvesse algo que realizasse um bloqueio automático? Assim, o trader depende menos do autocontrole: a plataforma te controla!

No Profit você tem recursos para bloqueio de abertura de posição exatamente iguais aos que foram citados, como bloqueio por horário, loss diário e número de operações. Se você atinge algum desses parâmetros, não consegue mais enviar ordens no dia.

Relatório de Performance

Uma maneira de compilar todos os dados é utilizar o Relatório de Performance. Com o Relatório, se analisa todos as principais informações operacionais, como saldo bruto e líquido, número de operações vencedoras e perdedoras, média de gain e loss, drawdown, entre outras informações avançadas.

Relatório de Performance – Profit

Nesse artigo, falamos sobre a importância da gestão de risco e como defini-la na prática no seu operacional. Além disso, te mostramos ferramentas úteis que podem ser usadas para otimizar o gerenciamento. Deseja conhecer mais sobre essas ferramentas? Faça um teste gratuito do Profit e utilize uma plataforma profissional completa que vai levar o seu trading para um outro patamar!