large View Blog 038
large View Blog 038

Como fazer um estudo de análise técnica de ações no mercado financeiro?

A Análise Técnica por muitas vezes é a porta de entrada para o mundo trader, por ser a metodologia mais antiga e difundida no mercado financeiro e que oferece diversas vantagens para o operador, por conta de sua flexibilidade e facilidade de aplicação.

Seus conceitos são de fácil compreensão porém é necessário um bom tempo de prática e maturação para que se possa dominar essa metodologia e fazer sua aplicação com maestria. A ideia dessa prática é avaliar a movimentação do mercado para determinar quais etapas devem ser realizadas em seguida. Neste artigo vamos detalhar o que é a Análise Técnica e as ferramentas que são utilizadas com essa técnica no mercado de ações, confira abaixo!

O que é Análise Técnica

 A Análise técnica, é o estudo dos movimentos dos preços de um ativo, utilizando como instrumento de estudo um gráfico. Através do histórico de dados é possível analisar os movimentos passados do preço para identificar tendências futuras.

Basicamente a Análise Técnica é uma metodologia simples e flexível, alguns dos motivos para que ela seja a porta de entrada para o mundo do trading. Como o principal ponto  deste tipo de análise é o preço dos ativos, ela pode ser utilizada em qualquer ativo que tenha negociação.

Mas não se engane, dominar os conceitos da Análise Técnica não é uma tarefa fácil. Para que se possa aplicar com maestria essa metodologia é necessário muito estudo, dedicação e prática, além de ferramentas de análise adequadas.

Se é você iniciante, nossa dica é: busque conhecer primeiramente as ferramentas que são utilizadas e os principais conceitos deste tipo de análise.

Price Action ou Análise Gráfica?

Talvez você já tenha ouvido falar dos termos Price Action e Análise Gráfica, porém qual a diferença entre eles e a Análise Técnica? Todos esses termos se referem ao estudo dos movimentos do preço usando como instrumento um gráfico.

Alguns traders e professores de mercado se referem ao Price Action como a metodologia que usa exclusivamente um gráfico, sem uso de indicadores técnicos e outras ferramentas como complemento. Mas existem algumas bibliografias que usam o termo Price Action em conjunto com o uso de indicadores técnicos.

Mas qual o termo correto então? Todas as três nomenclaturas estão corretas e em resumo todas tem o mesmo significado.

É normal que você encontre termo Price Action em bibliográficas e conteúdos estrangeiros e os termos Análise Gráfica e Análise Técnica em conteúdos nacionais.

Análise Técnica no mercado de ações

Conforme mencionamos anteriormente, a Análise Técnica é uma metodologia bastante flexível, por isso é muito utilizada no mercado de ações. Como você deve saber, existem diversas ações na nossa Bolsa de Valores e por isso você consegue aplicar essa técnica em variados cenários podendo aproveitar varias oportunidades ao mesmo tempo.

De forma simplista, essa avaliação é o estudo dos movimentos dos preços das ações. O propósito do trader é identificar o histórico de flutuações das ações para prever quais serão as próximas variações. Desse modo, consegue executar suas operações com uma taxa de acerto mais elevada.

Lembrando que esse estudo é feito com base em gráficos, que podem ser em barras ou candlestick. As tendências são identificadas porque são dispostas informações relevantes, como as cotações mínima e máxima e os preços dos ativos na abertura e fechamento do pregão. Assim, fica mais fácil detectar eventos e padrões gráficos passados que tendem a ocorrer novamente no futuro.

Entenda os tipos gráficos

Bom agora já entendemos que o principal instrumento da Análise Técnica é o Gráfico, porém dentro do mercado financeiro temos diversos tipos gráficos. Quando falamos em tipo gráfico, nos referimos sempre em como o trader verá as movimentações do preço dentro de um determinado período ou formação gráfica.

O mais utilizado entre os traders certamente é o gráfico de candlesticks, pois ele facilita a visualização dos preços e nos mostra informações importantes sobre a movimentação do preço por período.

Veja abaixo um maior detalhamento tanto do gráfico de candles quanto dos demais tipos gráficos

Gráfico de Candles

O Gráfico de candles é composto por diversos candlesticks que representam as negociações e deslocamento do preço dentro de uma janela de tempo. Essa formação foi criada no Japão em meados do século XVIII por Munehisa Honma, e era usada pelos japoneses para realizar operações de sacas de arroz na Bolsa de Dojima.

Essa técnica foi trazida ao ocidente pelo americano e investidor Steve Nison e acabou ficando conhecida pelo mundo todo. A estrutura de um candlestick nos mostra quatro informações importantes de um determinado período:

  • A abertura e o fechamento que formam o corpo do candle.
  • A máxima e mínima que formam a sombra, que também é conhecida como pavio.

Esse tipo de gráfico otimiza o trabalho dos operadores pois é bastante flexível na escolha das periodicidades, o que facilita no acompanhamento das operações. Essa característica possibilita a adaptação fácil para uso em qualquer ativo.

Gráfico de Candle na Análise Técnica
Análise Técnica – Gráfico de Candles

Tipos Gráficos

Assim como o gráfico de candles há outros tipos gráficos que também são muito utilizados, como por exemplo o gráfico de Barras. Esse tipo gráfico em questão de estrutura é bastante similar ao de candle, porém sua aparência é um pouco diferente.

Também há os gráficos de Linha com uma estrutura completamente diferente do gráfico de candles. Basicamente esse tipo gráfico leva em consideração apenas os valores de abertura e fechamento, e não apresenta as informações das máximas e mínimas durante período observado.

Muito similar ao gráfico de Linha, temos o gráfico de Montanha, que são os clássicos gráficos que normalmente vemos em alguns noticiários. O gráfico de Montanha apresenta um preenchimento nas linhas, mas a estrutura é igual ao gráfico de Linha.

Abaixo temos uma ilustração da cotação do Índice Bovespa em uma periodicidade diária, exibida em três tipos gráficos, veja a diferença:

Tipos Gráficos na Análise Técnica
Análise Técnica – Tipos Gráficos

Periodicidades Gráficas

Diferente dos tipos gráficos, as periodicidades, como o nome sugere, nos dão referencia ao período observado. Então basicamente são formações gráficas com base no tempo ou até mesmo por eventos como número de trades e o próprio preço.

As mais utilizadas são as periodicidades temporais, como por exemplo 5 minutos, 60 minutos ou diária. Nestes casos cada candle representa todas as negociações realizadas dentro de uma periodicidade. Por exemplo: no gráfico de 5 minutos cada candle vai te mostrar como foi a movimentação do preço durante 5 minutos, a partir da sua abertura.

Além das formações temporais há também as formações atemporais que levam em consideração outros fatores para o fechamento e a abertura de cada candle ou box. Por exemplo o gráfico Renko, que contabiliza apenas o deslocamento do preço para a formação de cada box.

As possibilidades são diversas podendo fazer a mescla tanto dos tipos gráficos quanto das formações gráficas realizando boas análises do mercado.

Teoria de Dow: a base da Análise Técnica

A Teoria de Dow foi criada em 1884 por Charles Henry Dow, que também foi o fundador do The Wall Street Journal, uma das mais conceituadas publicações sobre economia  do mundo. Os princípios de sua teoria deram a base para a Análise Técnica moderna, que é utilizada até hoje.

Os principais princípios da Teoria de Dow são:

  • Os preços descontam tudo.
  • O movimento dos preços segue uma tendência.
  • O mercado tem três tendências.
  • O volume deve confirmar a tendência.
  • Uma tendência é válida até ela ser revertida.
  • Um índice deve ser confirmado por outro.

A seguir vamos detalhar um pouco mais alguns destes conceitos

Os preços descontam tudo

Segundo Charles Dow, em sua teoria ele menciona que os preços descontam tudo, ou seja, tudo que poderá afetar na demanda e na oferta do ativo será refletida nos preços.

Por exemplo: caso saia uma noticia que impacte o mercado global de petróleo, todos os ativos que possuem algum tipo de correlação com esse setor poderão ter variações nas cotações. Neste caso, segundo a Teoria de Dow, poderemos ver o reflexo deste impacto diretamente nos preços dos ativos.

As tendências na Teoria de Dow

Segundo Dow, temos apenas três tendências no mercado. Ou os preços sobem em tendência de alta fazendo topos e fundos ascendentes, ou eles descem em tendência de baixa fazendo topos e fundos descendentes, ou os preços se movimentam de forma lateralizada formando uma consolidação.

Então o mercado está constantemente em alguma das três tendências, porém a tendência vigente é valida até o momento que ela for substituída por outra tendência, que passa a se tornar vigente. Neste caso os preços sempre vão seguir uma das três tendências.

As Tendências na Análise Técnica
Análise Técnica – Tendencias

Confirmações por Volume 

O Volume de negociações de um ativo é um sinal extremamente importante, principalmente para fazer a filtragem de ativos que possam gerar boas oportunidades. O volume está diretamente li gado ao interesse dos participantes em realizar negociações em um determinado ativo, o que impacta também na liquidez deste ativo.

Neste caso podemos considerar o volume como um “termômetro” do mercado. Utilizando o Profit é possível analisar o volume com o uso de indicadores técnicos e outras ferramentas que fazem a medição dos negócios realizados por período e por nível de preço.

Lembrando que um aumento no volume não significa um aumento nos preços, da mesma forma que uma queda no volume não significa uma queda dos preços em si. As oscilações do volume estão relacionadas com a oferta e demanda do ativo.

Como o volume reflete as negociações no ativo, momentos com baixo volume tendem a ter baixa volatilidade o que dificulta na hora das operações, principalmente para day traders.

A sua importância para o trader e suas operações

A análise técnica é a metodologia mais consistente na atualidade. Essa é a maneira mais eficiente de saber a saúde do ativo e realizar operações precisas, sem correr riscos elevados.

No entanto, é essencial que o trader se especialize em várias técnicas que estão relacionadas. É necessário estudar de modo aprofundado os padrões gráficos e os indicadores técnicos úteis às questões operacionais. Entre os primeiros, estão:

    • engolfos de alta e baixa — padrão que indica reversão de envolvimento;
    • ranges;
    • canais;
    • quebras de tendências;
    • reversões do mercado.

Já entre os indicadores técnicos, estão: médias, osciladores e mais que vamos abordar ao longo do artigo.

Conheça os principais padrões gráficos

Utilizando a Análise Técnica podemos identificar alguns padrões gráficos, que sugerem movimentos ou até mesmo tendências futuras. Uma das bases desta técnica e justamente estudar os movimentos passados do preço para tentar entender os movimentos seguintes.

Diversos padrões já foram estudados e também verificados quanto a sua eficácia em sugerir movimentos. Porém o mercado financeiro está em constante mudança, e nem todos os padrões possuem a mesma confiabilidade e a situações onde eles surgem podem ser variadas.

Esses padrões podem ser formados de um aglomerado de candles ou até mesmo por um candle. A seguir vamos detalhar a importância de identificar esses padrões no lugar certo.

A importância do contexto durante a análise

Um dos fatores mais importantes na identificação dos padrões é o contexto onde ele está localizado. Por exemplo: se identificarmos um padrão que sugere um movimento de baixa, mas ele está fora de contexto, seu sinal pode ser fraco ou confuso.

Neste caso o contexto acaba sendo mais importante que o padrão gráfico em si. Então a melhor dica é: observe o gráfico como um todo e não se apegue somente a sugestão de movimento de um padrão gráfico. Verifique sempre outros fatores, como tendência vigente, volume ou se o preço está trabalhando em uma zona de suporte e resistência.

Análise Técnica e o uso dos indicadores

O uso de indicadores para complementar as análises é muito válido, porém há diversos  indicadores técnicos diferentes e infinitas possibilidades de combinação, calibragem e análises. Como conseguir se encontrar no meio de tantas opções?

O mais prudente seria entender o seu perfil operacional, ir testando alguns indicadores e aos poucos fazer pequenos ajustes e calibragens. Se você fizer muitas alterações em um intervalo curte de tempo, não conseguirá se adaptar e nem testar suas estratégias de forma adequada.

Como mencionamos anteriormente, os indicadores servem para complementar seus estudos e filtrar boas entradas dentro de uma estratégia, então tome cuidado para não poluir a sua tela operacional com muitos indicadores e informações.

Acompanhe abaixo onde vamos citar alguns indicadores clássicos da análise técnica e algumas dicas especiais.

Identificando tendências com as Médias Móveis

O indicador técnico mais utilizado por traders do mundo todo é a média móvel. Por mais simples que seja esse indicador, ele é um ótimo rastreador de tendência, e segundo a Teoria de Dow a tendência é um dos fatores principais da Análise Técnica.

Resumidamente a média móvel é uma linha móvel que nos mostrá a média dos preço com base em uma determinada quantidade de períodos.  No Profit é possível realizar a calibragem dos indicadores, então você consegue ajustar o calculo da média, como por exemplo: com base na abertura, máxima ou fechamento dos candles e quantidade de períodos que será constituído o calculo.

Existem traders que usam varias combinações de médias móveis com calibragens diferentes montando assim um setup, uma estratégia que possa sugerir boas entradas. Como a média móvel é um rastreador de tendência eficaz, fica muito mais fácil para o trader realizar operações a favor da tendência, surfando nos movimentos.

Indicadores Clássicos 1
Análise Técnica – Tendências

Prevendo reversões de movimento com o Índice de Força Relativa

Outro indicador clássico muito utilizado é o IFR (Índice de Força Relativa) que nos sugere momentos onde o ativo que estamos observando está sobrecomprado ou sobrevendido. Isto significa que ele irá sugerir que um movimento de reversão pode estar próximo.

Por padrão o IFR tem dois sinais principais, que são os níveis de 70 e 30. Quando a linha de sinal do IFR começa a trabalhar acima do nível 70, podemos entender que os preços estão próximos de um topo e que um movimento de baixa pode acontecer logo. Da mesma forma o contrário acontece quando a linha de sinal trabalha em níveis abaixo de 30.

Com esse indicador, é possível identificar topos e fundos antecipadamente com facilidade, possibilitando a exploração destes pontos para realizar operações. O IFR pode ser um poderoso aliado quando combinado com outros indicadores e com a identificação de padrões gráficos que confirmem a sugestão de movimento.

Indicadores Clássicos 2
Análise Técnica – IFR

Explorando os limites do gráfico com as Bandas de Bollinger

As Bandas de Bollinger tem como objetivo sugerir os limites de movimentação do gráfico, ou seja, é um indicador que irá nos mostrar como está a volatilidade do ativo durante aquele momento. As bandas estão em constante movimentação acompanhando os preços e nos mostrando o possível “range” do mercado.

Esse indicador acompanhado dos sinais gráficos certos, poderá sugerir bons movimentos do mercado e regiões importantes que podem desencadear em grandes movimentos.

A dica usando esse indicador é sempre ficar atento aos limites da banda. Normalmente quando o preço chega nessas regiões, ele tende a reverter o seu movimento, ou se não, causar uma grande explosão de volatilidade puxando as bandas cada vez mais para as extremidades do gráfico.

Indicadores Clássicos 3
Análise Técnica – Bandas de Bollinger

Utilizando a Análise Técnica na prática

Agora que você já conhece os principais conceitos da Análise Técnica, e também alguns indicadores clássicos que são utilizados por traders do mundo todo, como de fato colocar tudo em prática? A primeira coisa que você deve fazer e identificar o seu perfil.

traders que preferem operações mais longas, então você terá que realizar suas análises em gráficos com periodicidades maiores, como por exemplo gráfico diário ou gráfico semanal. Para a modalidade day trade, onde as operações são abertas e fechadas no mesmo dia, normalmente são utilizados os gráficos de 5 ou 15 minutos, ou até mesmo gráficos atemporais, como o Renko.

Decidindo a periodicidade gráfica o próximo passo mais importante é identificar boas oportunidades com essa metodologia. Abaixo vamos te mostrar exemplos de como ter bons resultados com a aplicação da Análise Técnica em seus trades!

Identificando as melhores oportunidades

Durante uma operação o passo mais importante na aplicação da Análise Técnica é a identificação da tendência. Descobrindo a tendência saberemos para qual direção os preços estão indo, o que vai facilitar na hora das operações.

Podemos fazer a identificação da tendência de diversas formas: utilizando indicadores que façam esse rastreio, como as médias móveis, ou verificando se os padrões gráficos sugerem tendência. Lembre-se topos e fundos cada vez mais altos caracterizam uma tendência de alta e topos e fundos cada vez mais baixos sugerem uma tendência de baixa.

Após detectar a tendência basta encontrar pontos do gráfico que vão sugerir continuidade do movimento ou até mesmo uma reversão de tendência e surfar nos movimentos.

Nossa dica de ouro é: tente evitar regiões de consolidação! Como mencionamos inicialmente neste artigo, as consolidações são as zonas onde o preço se movimenta lateralmente, ou seja, não haverá bons movimentos para realização de lucro o que torna essas zonas muito perigosas, até mesmo para traders mais experientes.

Exemplo de estudo na Análise Técnica
Análise Técnica Exemplo 1

As soluções e recursos que podem ser adotados

É preciso utilizar uma plataforma que contenha dezenas de indicadores técnicos e até mesmo possibilite a criação de novos índices. Também é importante contar com ferramentas de desenho para delinear os estudos graficamente.

Uma solução bastante completa para auxiliá-lo nesse processo é o Profit, da Nelogica. Com diversas funcionalidades, você consegue analisar as flutuações diárias e históricas. Ainda conta com ferramentas analíticas especiais, que permitem fazer o acompanhamento negócio a negócio.

Todos esses recursos ajudam a tornar a análise mais precisa. Cabe ao trader saber estudar o gráfico e identificar as tendências de alta, baixa ou para os lados. O resultado dessa avaliação é uma tomada de decisão estratégica e acertada, que facilita as operações do investidor.

A plataforma para potencializar seus resultados

Para qualquer trader que deseja se profissionalizar e realizar boas operações, principalmente no day trade, será necessário ferramentas de análise e operacionais de alto padrão. Uma plataforma de alta performance como o ProfitPro vai fazer toda a diferença durante suas operações.

Além de um ferramental analítico diferenciado, você contará com relatórios e histórico de todas as suas operações, podendo avaliar a sua performance e estudar os pontos onde precisa melhorar. Conte também com a possibilidade de customização dos seus gráficos, indicadores técnicos e outros recursos.

Disponha de um arsenal de ferramentas de estudo para que você possa traçar suas linhas de suporte e resistência ou canais para facilitar na identificação da tendência vigente.

Os principais passos para a realização de uma Análise Técnica de ações

As duas principais etapas quando se fala nessa metodologia de avaliação são: estudo do ativo e suas peculiaridades e análise das funcionalidades gráficas de mercado mais precisas. O trader precisa reconhecer que:

  • as oscilações do mercado indicam as notícias principais sobre a empresa que emitiu o ativo, o que permite prever o que acontecerá;
  • as movimentações podem ser projetadas por meio de gráficos;
  • o histórico tende a se repetir.

Além disso, há outras ações necessárias:

Localize tendências de preço

Da mesma forma como explicamos anteriormente, no mercado de ações não é diferente, o analista deve procurar no gráfico para onde o preço está apontando. Essa é a tendência, que pode ser classificada por tipo ou duração. No primeiro caso, pode ser:

  • Tendência de alta — os valores individuais altos e baixos são mais elevados que os anteriores;
  • Tendência de baixa — os valores seguem o inverso, ou seja, são menores;
  • Consolidação — os valores não sofrem mudanças significativas.

Em relação à duração, as categorias são:

  • Primária — é uma tendência que tende a ter uma duração maior que um ano;
  • Secundária — têm duração de um a três meses e normalmente é vista como uma correção da tendência primária.
  • Terciará— têm prazo menor que um mês.

Atente ao volume de negociação

O trader precisa acompanhar essa questão, pois ela pode indicar uma reversão ou confirmar a validade de uma tendência. Quando o volume de negociação aumentar muito nos momentos de elevação do preço, é provável que a tendência seja válida.

Caso o volume diminua pouco na alta ou queda do preço, é mais fácil que haja uma reversão. Lembre-se de procurar ações com um bom valor médio de negociações.

Use as médias móveis para moderar as oscilações de preço

A média móvel indica o preço médio de um ativo em determinado período de tempo. Com o contraste dos preços com as médias móveis ou marcação das de longo prazo em relação às de curto prazo, fica mais fácil encontrar as tendências, já que as linhas se cruzam.

Aproveite para observar diversos papeis que tenham correlação para comparar as tendências e o preço médio, assim você conseguira observar as possíveis divergências que podem render bons trades.

Como você pôde perceber, a análise técnica de ações é bastante importante para quem realiza operações de day ou swing trade. Essa metodologia é uma das mais sólidas e permanece sendo uma alternativa imprescindível para quem deseja se tornar um trader bem-sucedido.

De uma chance para você e entre no mundo da alta performance! Faça um teste do ProfitPro agora!