View Blog 032
View Blog 032

Como fazer um plano de trading? Temos um passo a passo para você!

O plano de trading é uma parte crucial para o sucesso do trader. Saber quando, como e em quais situações abrir e fechar posições facilita o gerenciamento das operações. E somente com a gestão operacional se chega à consistência.

Quer saber como montar um plano de trading que vai te levar a outro nível? Separamos um passo a passo para a elaboração dessa importante ferramenta de apoio! Acompanhe a leitura!

O plano de trading

O chamado plano de trading é um conjunto de planejamentos que o operador faz para que a sua atuação no mercado financeiro ocorra de maneira eficiente. Assim, suas decisões na Bolsa serão apenas uma consequência daquilo que você programou. Fazendo uma comparação como uma empresa, é seu plano de negócios.

Como em uma companhia, o trader pode ter um ou dois dias de resultados positivos, mas sem uma organização adequada os problemas tendem a ser maiores que as soluções, e com o tempo os prejuízos aparecem.

O planejamento possibilita que o operacional seja saudável ao longo do tempo. Por mais que o day-trade ocorra em uma faixa de tempo pequena (como dias, segundos ou minutos), o operador deve pensar em como se manter no longo prazo.

Veja alguns aspectos que fazem parte do plano de trading:

  • Quais ativos operar;
  • Que horário operar.
  • Quais as metas de ganho e limites de perda diárias, semanais e mensais;
  • Quantas operações por dia fazer em média;
  • A partir de quantas perdas consecutivas até parar de operar no dia.

A partir desses pontos, você iniciará a montagem.

Dicas para colocar o plano na prática

A elaboração do planejamento ocorre em etapas. Veja abaixo:

1. Liste seus objetivos

O primeiro passo é saber onde você quer chegar. Um navio sem leme vai para qualquer lugar. E você não quer isso. Por esse motivo é importante saber onde você deseja chegar e quais são seus objetivos. Caso esteja com dificuldades, tente responder algumas perguntas, como:

  • Quanto dinheiro quero ganhar no mercado financeiro?
  • Quero operar até quando?
  • O que vou fazer com o dinheiro que ganhar no mercado?

A partir desses três pontos básicos, é possível traçar alguns cenários. Se o seu objetivo é viver do mercado, a primeira pergunta acaba sendo fundamental, pois o mercado será o seu “salário”. Já, se você deseja ser trader até atingir certo patrimônio e depois parar, a segunda pergunta é importante, pois faz uma perspectiva de quanto tempo alcançar.

Os objetivos são importantes pois trazem uma maior tranquilidade para o trader. A partir do momento que você tem metas de vida e conecta elas com o mercado, sabe o caminho que precisa traçar. Você terá uma noção de quanto precisa ganhar, o que vai fazer com o dinheiro, como vai gastar… enfim, dá sentido ao que está fazendo.

Uma planilha de custos e despesas ajuda também. Organizando custos, ganhos e possíveis imprevistos futuros, é mais fácil de seguir a vida.

2. Faça uma autoavaliação

Se autoavaliar é necessário para descobrir como você está para operar no dia. Se as técnicas são importantes para bons trades, o estado mental é ainda mais. Nem muito eufórico, nem muito triste: você vai fazer negociações, então tem que estar estável, ou ao menos algo próximo disso.

Isso quer dizer, basicamente, que você deve revisar seu estado no dia. Como está para operar? Houve algum fator que gerou um mal-estar e que pode afetar o seu operacional? Uma noite mal dormida, por exemplo, é algo que pode influenciar decisivamente o seu resultado final.

Também, situações de alto stress podem influenciar o trading. Alguma briga familiar ou evento não esperado, tudo isso influencia diretamente os trades. Se o mercado fosse apenas técnica, seria mais fácil. O problema é que quem aplica a técnica é alguém de carne e osso.

Pensar sobre isso leva às únicas duas decisões possíveis: operar ou não operar. Se você consegue abstrair e operar sem problemas, siga em frente. Agora, se você não tem certeza se conseguirá deixar seus problemas pessoais de lado, talvez não seja uma boa ideia e seu foco deverá estar em procurar desenvolver seu emocional um pouco mais para que exista um controle durante as operações que você venha a fazer.

3. Faça a revisão pré-trade

A revisão das suas técnicas e metodologias ajuda a saber o que fazer ou não fazer durante o operacional. Um clássico problema do operador é inventar trade. Comprar onde deveria vender e enviar ordens quando deveria apenas ficar olhando são alguns exemplos de fuga do plano de trading.

Com uma boa revisão dos principais pontos para o day-trade, é possível melhorar o foco operacional e se evita tomar decisões erradas.

Trace o cenário para o dia

Para quem acompanha notícias e eventos de mercado, é essencial ter contato com as principais fontes de informação para trading. Saber como está o mercado internacional ou se houve algum grandes evento na política interna, por exemplo, ajuda a projetar o possível movimento do mercado.

Com certeza, traçar o cenário não significa ter algum viés de compra ou venda. O importante de projetar é saber os possíveis impactos das decisões política-econômicas no mercado, até porque as grandes movimentações dele estão sempre relacionadas a algum fator macro.

Anote pontos e preços

O passado do mercado é importante para o presente do mercado. Uma frase é sempre muito dita: “O mercado financeiro tem memória”. Antes de operar, marque os principais pontos de suportes e resistências, acumulação e consolidação. Seja com tape reading ou análise gráfica, certamente vai te ajudar a entender o movimento dos ativos.

Defina o horário para operar

O horário para operar é o tempo disponível que você tem para o trading. Saiba definir isso muito bem, para não atrapalhar outras atividades que você tenha. Também, o problema da liquidez é um clássico. Se você só tem à tarde para operar, saiba que o volume tende a cair ao longo do dia.

A ideia, aqui, é definir metas de ganho e limite de prejuízos para o dia. Essa delimitação deve ser feita a partir da volatilidade do mercado e das técnicas adotadas. A regra é parar de operar assim que obtiver o rendimento esperado; a ganância é um dos piores defeitos que o trader pode ter. No caso das perdas, a transação trava quando o saldo ficar negativo.

Por isso, os limites devem ser aproximados. Afinal, faz pouco sentido ganhar R$ 50 e perder R$ 5 mil, não é mesmo? Porém, esses detalhes variam de acordo com sua tolerância ao risco e perfil de trader. As regras de 2% e 6% podem ajudar nesse caso.

A primeira prevê que 2% é o limite máximo para o trader arriscar da sua conta de investimentos em renda variável. Já a segunda consiste em suportar perdas mensais de até 6% da carteira de investimentos. Depois disso, as posições devem ser zeradas e as operações interrompidas até o final do mês.

4. Defina suas estratégias

Esses são os critérios de compra e venda, que evitam o overtrading, cenário em que o trader realiza operações às cegas, sem uma técnica ou critério definido. Nesse contexto, o trader precisa fazer uma revisão rápida dos pontos importantes para a execução de transações no mercado.

Tenha em mente que as condições de entradas podem ser delimitadas a partir de critérios subjetivos, mas é importante que se tornem objetivas. Senão, pode ser difícil analisar várias condições diferentes. Um exemplo de definição pode ser o disparo de determinado sinal em uma região de suporte com alvo de preços três vezes maior que o stop determina a compra.

Já no caso das saídas, o importante é saber onde elas estão. Algumas possibilidades são seu stop e alvo de lucro. Perceba que o importante, aqui, é cuidar para que o prêmio permaneça com você. Novamente, não seja ambicioso ao ponto de isso virar ganância exagerada.

Além disso, todas essas estratégias dependem do perfil que você vai adotar como trader. O que funciona com um terceiro pode não funcionar com você, por diversos motivos, como diferenças de capital, diferentes conhecimentos e especialidades, e adaptação no que implica nas técnicas que se vai adotar. Portanto, pesquise para ter uma noção das possíveis estratégias e, de preferência, utilize o simulador para dar vida à elas e perceber qual você prefere utilizar.

5. Estabeleça seus questionamentos

O plano de trading precisa abranger diferentes critérios. Para você conseguir se organizar corretamente em todas as áreas que o trader se envolve do começo ao fim de uma operação, montamos aqui um exemplo de questionamentos que você deve fazer a si mesmo e que te ajudam a definir melhor quem você será nesse mundo e quais serão seus objetivos.

  • Quais mercados serão operados?
  • Em qual timeframe será negociado?
  • Quais serão os sinais de entrada e saída?
  • Serão utilizados trailing stops para maximizar os ganhos?
  • Serão definidos alvos de lucros ou as trades vencedoras serão mantidas em aberto?
  • Foi realizado um back test das entradas em diferentes períodos do mercado?
  • Qual o tamanho da posição para cada operação?
  • Qual será a perda máxima por trade?
  • Qual será a meta de retorno anual?
  • Qual será o drawdown – rebaixamento – máximo?
  • Qual a taxa de acerto esperada?
  • Qual o próximo passo se o drawdown máximo for atingido?
  • Quantas posições estarão abertas simultaneamente?
  • Qual será sua exposição máxima?
  • O tamanho das posições será modificado devido à volatilidade?
  • Será utilizada a alavancagem/margem?
  • Quanto de alavancagem será usada?
  • Será mantido um registro de performance para analisar a qualidade da sua execução?

Perceba que o plano pode ter poucas páginas, mas deve abranger mais que o sistema de negociação. O propósito é que ele seja um indicador do caminho a ser seguido para facilitar sua continuidade no trading.

Também, ele deve se basear na sua taxa risco/retorno que você possui como perfil. Ela muda de trader para trader porque, por exemplo, o operador X que possui um capital de 6 dígitos provavelmente possui uma margem de risco maior que o operador Y que possui um capital de 5 dígitos. A variação também pode se dar por diversas outras razões!

6. Revise as ferramentas usadas para operar

Suas estratégias agora estão bem definidas, correto? Mas já verificou se possui todas as ferramentas que você vai precisar para colocá-las em prática? Elas são um ponto de extrema importância e podem definir se você vai se tornar um trader de alta performance ou vai ficar no grupo dos 90% que não possuem estabilidade no mercado e o deixam logo depois.

As operações do trader dependem diretamente das ferramentas utilizadas. É fundamental escolher uma plataforma que vai te proporcionar a melhor experiência possível, com todos os recursos necessários.

Além disso, elas otimizam suas operações e também seu tempo. Para que fazer um estudo no papel, demorando horas, se você pode apenas selecioná-lo na plataforma e traçá-lo na tela do seu computador. A tecnologia veio pra te ajudar, use ela a seu favor!

E vamos além disso, mais do que as ferramentas com recursos necessários para você entrar com tudo no jogo, a plataforma certa para você também conta com módulo de simulação para você começar no mercado com ele e, após ganhar maturidade, testar novas estratégias, tudo sem colocar seu capital em risco.

7. Reveja constantemente pregões passados

É muito mais fácil analisarmos tendências quando sabemos exatamente o que aconteceu em pregões anteriores e em qual contexto. Há uma ferramenta muito usada que é o replay de mercado. Ela te trás todos os movimentos de pregões anteriores, ou seja, você pode operar qualquer ativo, em qualquer data e evento passado.

Sabe quando um atleta revê seus sua performance por meio de replays de filmagens, tentando consertar seus erros? O replay de mercado ajuda o trader utilizando a mesma lógica

Você consegue refazer técnicas, no modo simulação, em um cenário real, em qualquer momento que deseja, com todo o auxílio gráfico e de indicadores. Ela pode te ajudar como um treino, para corrigir erros e rever possíveis acertos que você tenha tido.

Em resumo, o plano de trading é indispensável para quem atua no mercado financeiro. Ele traz mais precisão nas escolhas de ações, garante uma objetividade maior nas operações executadas e otimiza de todas as formas seus resultados.

E não esqueça, não adianta traçar um plano perfeito e não seguí-lo todos os dias. Um trader que entende que disciplina é o principal, é um trader que entra no grupo dos 10% que possuem sucesso no mercado com ganhos consistentes.

Agora que você já sabe como traçar um bom planejamento, leia nossas 5 dicas para se tornar um trader vencedor!

Graduanda em Ciências Atuariais pela UFRGS, associada à Apimec Sul e Produtora de Conteúdo na Nelogica. Têm como motivação diária descomplicar a linguagem do mercado e levar conteúdo de qualidade para que os brasileiros sejam cada vez mais educados financeiramente, e acreditem que qualquer pessoa possa investir na bolsa de valores.
  1. apesar de estar estudando a pouco mais de um ano ainda não consegui criar um tarder sisten.
    como posso melhorar os estudos, da onde partir para criar um trader sisten?
    obrogado

    1. Jeferson, podemos fazer um artigo sobre em breve. Enquanto isso, esse e outros artigos do blog te ajudam a criar planos de trading e melhorar sua perfomance por diversos aspectos. Continue acompanhando!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *