Descubra a melhor ferramenta operacional para seu perfil

Última atualização:

Escolher a melhor ferramenta operacional para seu perfil é uma das primeiras e mais importantes escolhas na vida do trader. Isso porque não serão todas as ferramentas que adaptarão ao seu perfil. Algumas que vão turbinar sua análise, mas outras podem te atrapalhar.

Mas você sabe o que deve levar em consideração ao escolher seus recursos de trading? Sabe qual seu perfil operacional e onde quer chegar com o mercado financeiro?

Então leia este artigo e entenda os pontos que você deve se ater ao definir suas ferramentas operacionais!

Conhecendo seu perfil de trader

Muitos iniciam no mercado sem ter uma exata noção do perfil de trader que possuem ou querem ter. Isso acaba trazendo muitas dúvidas sobre quais recursos utilizar. Tudo fica mais fácil quando o operador define qual seu perfil no mercado financeiro.

Day-Trader x Swing Trader

Um swing-trader é aquele trader que realiza operações em que abertura e fechamento de uma posição não são realizados no mesmo dia. Normalmente, quem opera unicamente por swing-trade prefere este modelo por performance (consegue obter um rendimento melhor do que no day-trade) ou por falta de tempo em se dedicar à operações mais curtas.

Em tese, a agilidade não é o fator mais importante no swing-trade, pois há mais tempo para pensar nas estratégias da operação. Ou seja, uma ferramenta operacional de alta agilidade, como o Book de Ofertas, pode não auxiliar e até confundir o envio de ordens para esse perfil de trader.

Por outro lado, o day-trader é aquele que abre e fecha operações no mesmo dia, buscando lucro em um curto espaço de tempo. A agilidade e a velocidade são um dos princípios da sua função: saber se adiantar ao mercado e agir na hora certa define o sucesso no trading de curto prazo.

Neste perfil em que segundos são cruciais, naturalmente, recursos que aumentam a velocidade do envio de ordem são mais necessários. Um day-trader não pode se dar o luxo de perder operações por estar configurando sua funcionalidade de envio de ordens.

Day-Trader x Scalper

Tanto o day-trader como o scalper abrem e fecham operações na janela de um dia. A diferença acaba ocorrendo no tempo dos trades: o scalper é caracterizado por operar em curtíssimo prazo, enviando ordens e cancelando em segundos. Desta forma, esse perfil de operador rentabiliza em cima de pequenas ineficiências de mercado. Já o day-trader pode realizar suas operações ao longo do dia: por exemplo, abrir uma operação às 11h e encerrar às 15h. 

Em ambos os casos, a velocidade é relevante para os dois perfis. O que você deve avaliar, após se definir como day-trader ou scalper, é a possibilidade de automatizar algumas ações. Por exemplo, ao invés de lançar saídas de ganho e perdas manualmente, é interessante abrir uma posição com lançamento automático de gain e loss.

É possível evitar o excesso de cliques com a automação. O trader fica focado no que realmente importa, que é operar com qualidade e no momento certo. Quanto maior a necessidade de agilidade, mais o trader deve usar ferramentas que economizem cliques.

Unindo técnica e operação

Uma maneira de facilitar a escolha de ferramentas para operação ágeis é conseguir unir em uma mesma janela análise e trading. O Profit, por exemplo, é uma plataforma que permite roteamento: ao mesmo tempo que se estuda o mercado, ocorre o envio de ordens de compra e venda.

Para um analista técnico, utilizar recursos que possibilitam envio de ordens diretamente no gráfico é uma grande facilidade. Imagine o cenário: o trader vê um rompimento de um suporte e vai abrir posição, mas quando vai lançar a ordem de fato tem que configurar uma boleta com preços, quantidade e validade da ordem. Até isso ser feito, a oportunidade passou.

Para um analista de fluxo, por outro lado, a análise do book de ofertas é fundamental para abertura de posições. O trader tem que identificar a liquidez do mercado, grandes lotes para escorar e “buracos” no livro. Operar por uma ferramenta que contenha essas informações é crucial.

Há quem utilize as duas técnicas. Neste caso, o trader deve avaliar o que é mais importante para sua leitura de mercado e qual ferramenta mais se adapta a isso.

Adaptação Operacional: ponto-chave do trader

O aprendizado operacional é um ponto que um trader não pode dispensar. Por isso, saber onde se compra, vende, zera e cancela e ordens é algo que a prática ensina. Do mesmo modo que aprender a dirigir, existe a teoria e a prática. Essa última leva à perfeição, já diz o ditado.

Nenhuma dica é maior que a própria vivência do trader. Se o operador já tem seus macetes e envia ordens por determinada ferramenta com sucesso, não há porque mudar. A mudança é bem-vinda quando há problema. Se você não chegou ainda nesse nível, treine com ferramentas como o Simulador e o Replay de Mercado.

Ferramentas operacionais úteis

Nada melhor que exemplos, não é mesmo? Veja abaixo tipos de ferramentas que podem te ajudar a operar. Teste cada uma delas no simulador e monitore seus resultados:

Chart Trading

Permite o envio de ordens pelo gráfico. Com o ChartTrading, é possível utilizar avançadas funcionalidades para day-trade, com zeradas automáticas, abertura de posição à mercado e dinâmico cancelamento de ordens, tudo isso com a leitura gráfica.

SuperDOM

Com o book de preços na vertical, o trader envia ordens com um click, modificando e cancelando essas ordens com alta velocidade. Para quem opera com tape reading, é uma excelente funcionalidade, pois apresenta o acumulado de ofertas do ativo, o que auxiliar a identificação da liquidez.

Ordens OCO

As saídas automáticas de ganho e perda ajudam e muito o operador que precisa abrir e fechar posições com agilidade, evitando o excesso de ações. Se uma das ordens de saída é executada, a outra automaticamente é cancelada, acelerando o trading.

Confira mais possibilidades com o Profit no vídeo abaixo!

 

Quer conhecer ferramentas que levarão o seu trading para outro nível? Teste agora o Profit gratuitamente e conheça o melhor que há no mercado financeiro!