O que muda para o cenário eleitoral com o atentado ao candidato Jair Bolsonaro?
O que muda para o cenário eleitoral com o atentado ao candidato Jair Bolsonaro?

O que muda para o cenário eleitoral com o atentado ao candidato Jair Bolsonaro?

No último dia 6 de setembro o candidato a presidência e líder nas pesquisas eleitorais Jair Bolsonaro sofreu um atentado durante sua campanha presidencial. A despeito da gravidade do fato, o candidato vem conseguindo se recuperar e participará das eleições.

Os efeitos do atentado serão muito forte jurídica e politicamente e têm a força de mudar o cenário para as eleições presidenciais.

O que já foi possível observar após o atentado?

A exposição do candidato Bolsonaro nas mídias, tanto televisivas, quanto sociais aumentou significativamente e isso fará com que ele atinja públicos que anteriormente ao atentado dificilmente atingiria.

As pesquisas eleitorais publicadas após o atentado mostraram um crescimento substancial do candidato Bolsonaro e a maioria delas apontou inclusive queda em sua rejeição. Além disso, estas pesquisas apontaram também uma melhora na capacidade do candidato Bolsonaro de vencer as eleições no segundo turno.

Neste contexto, como fica o cenário eleitoral?

Antes do atentado à Bolsonaro, tínhamos um cenário eleitoral muito incerto para o primeiro turno. Mesmo com Bolsonaro liderando as pesquisas quando Lula não era incluído, não havia certeza que ele estaria no segundo turno. Na verdade, não havia certeza de quem seriam os candidatos no segundo turno. A possibilidade estava aberta para todos. Agora, após o atentado, e a confirmação das pesquisas, a probabilidade de Bolsonaro estar no segundo turno aumentou significativamente, colocando-a como uma quase-certeza.

Por outro lado, nas simulações feitas em praticamente todas as pesquisas eleitorais para o segundo turno antes do atentado, o candidato Bolsonaro só teria chances de ganhar caso o seu adversário fosse o candidato Haddad. Para todos os outros, incluindo Ciro Gomes, Marina Silva e Geraldo Alckmin, o candidato Bolsonaro era derrotado acima da margem de erro. Agora, após o atentado, as simulações das pesquisas adicionaram incerteza neste cenário: há empate técnico entre Bolsonaro e todos os outros candidatos.

O cenário ficou menos incerto no primeiro turno e mais incerto no segundo turno.

O que pode fazer com que este cenário atual mude?

A gravidade da saúde do candidato Bolsonaro é alta. Dificilmente ele conseguirá fazer campanha até a votação do segundo turno, até mesmo de participar de debates. Isto poderá fazer com que o seu ganho de popularidade imediato desfasa-se rápido. As tendências das mídias sociais já apontam que o pico de popularidade já ocorreu, e agora ela está diminuindo. Caso isso ocorra muito rápido e Bolsonaro não consiga retomar a campanha eleitoral, há chance de voltarmos ao cenário de incerteza acerca do primeiro turno.

Não obstante, caso a investigação do atentado aponte claramente para um atentado político, é razoável acreditar que a popularidade de Bolsonaro se mantenha alta. Com uma probabilidade menor de ocorrência, mas caso a sua popularidade continue a crescer, pode ser que ele comece a ter chances de vitória no primeiro turno.

O crescimento esperado de outros candidatos, em especial Haddad, por sua indicação por Lula, e Alckmin, pelo seu tempo maior na televisão, poderão fazer com que a migração de votos à Bolsonaro não ganhe corpo.

De qualquer forma, as reviravoltas em nossas eleições são muitas e muito ainda pode mudar. Outubro está tão perto, mas também tão longe.