Bolsonaro troca comando da Petrobras. PIB dos EUA decepciona o mercado

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana

Última atualização:

Esta semana começou com o anúncio da demissão d0 presidente da Petrobras, o general Luna Silva. O cargo era para ser assumido pelo economista Adriano Pires, que desistiu de assumir a presidência. A demissão ocorreu em meio a críticas do presidente Jair Bolsonaro sobre a condução da política de preços da estatal, que culminou na alta dos combustíveis no Brasil. Mesmo que de supetão, a troca não abalou as ações da petroleira.

Lá fora, os EUA publicou a última revisão do Produto Interno Bruto trimestral e o resultado ficou aquém do que projetava o mercado financeiro. Além disso, Rússia e Ucrânia se reuniram novamente para negociar um acordo de guerra, mas sem grandes avanços. Na Europa, a inflação recorde segue assolando a região.

Tudo isso e mais você confere nesta edição do Replay do Mercado

Notícias nacionais

Pressionado por alta dos combustíveis, Bolsonaro troca presidência da Petrobras

Desemprego cai e taxa de ocupação se aproxima do padrão pré Covid-19, aponta IBGE

Indústria segue abaixo do patamar pré-pandemia, indica IPP e dados de produção industrial

Notícias internacionais

PIB dos Estados Unidos sobe 6,9% no 4º trimestre de 2021; abaixo das projeções

Rússia e Ucrânia não chegam a um acordo definitivo; fornecimento de gás à Europa será mantido

Países da Europa renovam taxa de inflação recorde com guerra entre Rússia e Ucrânia

Moedas pelo mundo

Ranking de Moedas

Mercado Fundamentalista

Balanços trimestrais

Insiders

Follow On e Aquisições

Maiores altas e baixas da semana

 

Pressionado por alta dos combustíveis, Bolsonaro troca presidência da Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o presidente da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna, na segunda-feira (28), em meio à pressão por conta do aumento no preço dos combustíveis e críticas feitas do governo e Congresso à estatal. Quem iria assumir o posto é o economista Adriano Pires, especialista do setor de óleo de gás e com interlocução com políticos em Brasília. No entanto, Pires desistiu do cargo nesta segunda-feira (04)

Mesmo sem um novo nome, o governo deve encaminhar à Petrobras uma lista de nomes para fazerem parte do Conselho de Administração da Petrobras. Os acionistas da Petrobras se reúnem no próximo dia 13 para confirmar os novos nomes ao Conselho. Até essa data, Silva e Luna continua no cargo. 

Agora o governo busca um novo nome para assumir a estatal. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse à CNN que está “sem a luz” sobre a situação da Petrobras.

O general Silva e Luna ocupou a presidência da Petrobras por 343 dias, após substituir o economista Roberto Castello Branco. O motivo da troca dos dois foi bem similar: a política de preços da estatal (PPI).

Após o anúncio da saída, a Petrobras alertou a investidores estrangeiros que o presidente Jair Bolsonaro pode impor mudanças na política de preços da companhia. O aviso foi feito em documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC).

A política de preços atual considera as variações do dólar e do barril de petróleo no mercado externo e repassa essas flutuações para o valor do combustível cobrado na refinaria.

Bolsonaro fez críticas públicas ao PPI da estatal e também ao seu lucro recorde em 2021, de R$ 106 bilhões.

Diante da eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia e a disparada dos preços do petróleo, a Petrobras ficou 57 dias sem reajustes enquanto estudava a escalada de preços de commodities no mundo. Mas a demora a obrigou a fazer um severo reajuste nos preços, com aumento de 18,8% no litro da gasolina e de 24,9% no litro do diesel para as refinarias.

A tensão entre o governo e a empresa culminou na saída de Luna e Silva. 

Desemprego cai e taxa de ocupação se aproxima do padrão pré Covid-19, aponta IBGE

Dados relativos ao mercado de trabalho no Brasil foram publicados nesta semana e deram um panorama relativamente positivo sobre a retomada de empregos no país, fortemente abalado durante a pandemia de Covid-19. No trimestre encerrado em fevereiro, a taxa de desemprego caiu para 11,2%, o que é o menor patamar em 6 anos para o período, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado foi melhor do que o trimestre anterior (11,6%) e também do que previa o mercado, que projetou taxa de 11,4%. Na comparação com o último trimestre, o número de pessoas em busca de trabalho caiu 3,1%. Mesmo assim, o país ainda soma 12 milhões de desempregados.

Já o número de ocupados no Brasil é estimado em 95 milhões, o que representa estabilidade frente ao trimestre anterior. Para a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, isso pode representar uma retomada do padrão anterior à pandemia de Covid-19, visto que o 1º trimestre é conhecido por ter queda na taxa de ocupação. 

Se observarmos a série histórica, veremos que, desde o seu início, houve queda no número de pessoas ocupadas nesse período. Agora não tivemos queda, mas essa perda de fôlego neste ano pode indicar a retomada desses padrões sazonais”, diz.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Brasil abriu 328,5 mil vagas formais de trabalho em fevereiro, o que representa o melhor resultado desde setembro de 2021. Porém, é 17,3% menor que o registrado em fevereiro do ano passado.

Já no contingente de trabalhadores por conta própria houve declínio de 1,9% na comparação com o trimestre encerrado em novembro, uma queda de 488 mil pessoas.

O rendimento médio do trabalhador ficou estável em R$ 2.511, menor nível já registrado em um trimestre encerrado em fevereiro desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012.

Indústria segue abaixo do patamar pré-pandemia, indica IPP e dados de produção industrial

O índice de preços ao produtor, ou a inflação “na porta da fábrica”, como é conhecido, subiu 0,56% em fevereiro no Brasil. No resultado acumulado em 12 meses até fevereiro, a alta foi de 20,05%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) . 

Em janeiro, os preços tinham subido 1,20% frente ao mês anterior (dado revisado da variação inicial de 1,18%) e 25,53% em 12 meses (revisado de 25,51%). 

Paralelamente, a produção industrial teve leve alta de 0,7% em fevereiro, na comparação com o mês anterior. O resultado ameniza a forte queda em janeiro, quando a produção havia caído 2,2%, segundo dados do IBGE. O mercado projetava variação menor, de 0,3%. 

Mesmo com o avanço, o setor permanece 2,6% abaixo do patamar de antes do início da pandemia. Também está 18,9% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011.

Já o Índice Gerente de Compras (PMI) referente ao setor industrial brasileiro, ajustado sazonalmente, ficou em 52,3 em março, vindo de 49,6 em fevereiro, sinalizando portanto nova melhora nas condições de negócios, informou a S&P Global

Também foi divulgado nesta semana o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), ou “inflação do aluguel”, que ficou em 1,74% em março, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). 

Com o resultado, o índice acumula alta de 5,49% no ano e de 14,77% em 12 meses, contra 16,12% nos 12 meses imediatamente anteriores. Mesmo com o recuo, o mercado projetava avanço mensal de 1,37%, o que foi inferior ao resultado, depois de o indicador ter subido 1,83% em fevereiro.

 

internacionais

PIB dos Estados Unidos sobe 6,9% no 4º trimestre de 2021; abaixo das projeções

De acordo com a terceira e última revisão, o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 6,9% no 4º trimestre de 2021 frente ao 3º tri. O dado foi publicado na quarta-feira (30) pelo Departamento do Comércio do país.

O resultado recuou em comparação a segunda preliminar, que havia apresentado alta de 7%, e também frustrou o mercado. A projeção era de que o PIB revisado registrasse crescimento a uma taxa anualizada de 7,1% no último trimestre do ano passado.

No terceiro trimestre de 2021, a economia americana teve expansão anualizada bem menor, de 2,3%.

O Departamento do Comércio informou também que o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) subiu à taxa anualizada de 6,4% entre outubro e dezembro, enquanto o núcleo do PCE, que desconsidera preços de alimentos e energia, avançou 5% no mesmo período, segundo dados finais. 

No segundo cálculo, divulgado há cerca de um mês, as estimativas eram de acréscimos de 6,3% do PCE e de 5% do núcleo do índice.

Além do PIB, o Departamento do Comércio publicou dados relativos à renda e ao consumo dos  americanos nesta semana. De acordo com o órgão, a renda pessoal nos EUA subiu 0,5% em fevereiro ante janeiro. O resultado veio em linha com a expectativa do mercado.

Já os gastos pessoais subiram 0,2% no mesmo período, enquanto o consenso do mercado era de avanço de 0,5%. Os dados mensais de janeiro foram revisados, para alta de 0,1% da renda pessoal e aumento de 2,7% dos gastos com consumo.

Rússia e Ucrânia não chegam a um acordo definitivo; fornecimento de gás à Europa será mantido

Nos últimos dias, representantes da Ucrânia e Rússia se reuniram novamente, agora na Turquia, para uma nova bateria de encontros de negociação. A reunião acabou sem acordos firmados, mas com relativos avanços. Foi definido com os russos, por exemplo, a criação de corredor humanitário para retirada de civis da cidade sitiada de Mariupol, a mais afetada pela guerra. Os países também concordaram em reduzir os ataques.

Os russos pedem para que a Ucrânia estabeleça um status neutro, ou seja, a não implementação de bases militares internacionais no território do país, bem como o não ingresso em alguma aliança militar.

Mesmo assim, o ocidente ainda vê com desconfiança as iniciativas russas para um acordo com a Ucrânia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que esperará para ver se a Rússia irá cumprir com o prometido:

Vamos ver se eles seguem com o que sugeriram. Enquanto isso, continuaremos fortemente a manter sanções”.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também se manifestou sobre o assunto. Disse que não observa um avanço “eficaz” nas negociações porque os Estados Unidos avaliam que a Rússia não mostra “sinais de real seriedade”.

Além disso, houve novos capítulos sobre o imbróglio da exportação de gás russo para a Europa. Na terça-feira (22) passada, o presidente Vladimir Putin disse que a Rússia iria cobrar de países “hostis” o pagamento em rublos por vendas de gás

O prazo para a mudança na moeda era até 1º abril. No entanto, a Rússia afirmou na quinta-feira (31) que não começará a cortar o fornecimento de gás para “países hostis” imediatamente sob um novo decreto que exige o pagamento em rublos a partir desta sexta-feira.

Países da Europa renovam taxa de inflação recorde com guerra entre Rússia e Ucrânia

A inflação nos países que compartilham o euro segue renovando máximas e encarecendo a vida dos europeus, com os custos de energia pressionando os preços no Velho Continente após a eclosão da guerra, que tem aumentando as tensões nas cadeias de suprimentos. 

Nesta semana foram divulgados os índices de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na Alemanha, França, Espanha e Itália, que registram a maior taxa de inflação em décadas. 

No caso da Alemanha, o CPI subiu 7,3%  na comparação interanual em março, batendo a maior taxa desde a reunificação da Alemanha em 1990, informou a agência de estatísticas Destatis. Uma inflação tão alta no país ocorreu em novembro de 1981, na então Alemanha Ocidental.

De acordo com os dados preliminares da inflação na Itália, o taxa no país é a maior em 30 anos. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (Istat), o Índice Nacional de Preços de Consumo para a Coletividade (NIC) acumula alta de 1,2% na comparação com fevereiro e de 6,7% em relação a março de 2021, maior índice anualizado desde julho de 1991.

Na Espanha,a inflação é a maior em 37 anos, acumulando taxa de 9,8% em março, resultado que não era registrado desde maio de 1985. O valor se situa “mais de dois pontos acima do registrado em fevereiro”, quando a inflação chegou a 7,6%, conforme o comunicado do Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa anual de inflação ao consumidor na França, por sua vez, acelerou para 4,5% em fevereiro, alcançando o maior nível desde dezembro de 1985, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas de Estudos Econômicos do país.

Segundo a projeção do vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, o CPI na zona do euro, mesmo sendo a maior em décadas, ainda não atingiu seu pico. Para ele, os maiores níveis inflacionários devem atingir a região em dois ou três meses.

Já o economista-chefe do BCE, Philip Lane, disse na quinta-feira (31) que a instituição deverá ajustar as configurações de sua política monetária se as expectativas de inflação não estiverem ancoradas.

Lane disse também que o BCE precisa estar totalmente preparado para rever sua política se o choque dos preços de energia e a guerra entre Rússia e Ucrânia levarem a uma deterioração significativa da perspectiva macroeconômica e, desta forma, enfraqueça também a perspectiva de inflação no médio prazo.

 

Ranking de moedas

Embora o real siga em tendência de valorização frente ao dólar, outras moedas também se fortaleceram contra a divisa americana, o que fez o real, mesmo com alta de 1,58%, cair da 2ª para 4ª posição do o “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar.

O real quase empatou na 3ª posição com coroa checa, que encerrou a semana no pódio, com alta de 1,61%, apenas 0,02 pontos percentuais a mais do a moeda brasileira. Na 2ª posição ficou o florim húngaro, com alta de 1,90%. E o rublo russo novamente ficou na 1ª posição isolado, com forte alta de 17,47% contra o dólar, em razão dos conflitos já citados na edição anterior do Replay do Mercado.

Entre os piores desempenhos da semana estão a coroa norueguesa (-1,46%), o dólar neozelandês (-0,60%) e a libra esterlina (-0,49%).

 

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.

 

O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registrou baixa de 0,24% na semana.

O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com baixa 1,57%, a R$ 4,668
  • EUR/BRL fechou a semana com baixa de 1,04%, a R$ 5,155
  • MXN/BRL encerra a semana com baixa de 0,70%, a R$ 0,235
  • CNH/BRL com baixa de 1,24%, a R$ 0,733

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (1º), às 16h30

 

fundamentalista

Balanços trimestrais

A Rede D’Or São Luiz (RDOR3) registrou lucro líquido de R$ 419,5 milhões no 4º trimestre de 2021, o que representa um crescimento de 38,5% em relação ao mesmo trimestre de 2020.

A Qualicorp (QUAL3) reportou lucro líquido de R$ 50,6 milhões no 4º trimestre de 2021, uma queda de 25,2% em relação aos R$ 67,6 milhões aferidos no mesmo período em 2020.

A Cemig (CMIG4) registrou lucro líquido de R$ 963 milhões no 4º trimestre de 2021, valor 24,3% inferior ao apurado no mesmo período de 2020.

O Méliuz (CASH3) registrou prejuízo líquido consolidado de R$ 34,3 milhões no 4º trimestre de 2021, revertendo o lucro de R$ 19,6 milhões registrado em 2020.

 

Insiders

A BRF (BRFS3) aprovou a indicação do controlador da Marfrig (MRFG3), Marcos Molina, como novo presidente do conselho de administração, em um movimento que amplia a influência do frigorífico de bovinos sobre a gestão da empresa de aves e suínos.

O frigorífico Minerva (BEEF3) disse que assinou acordo com a Biofílica Ambipar Environmental Investments para desenvolver uma joint venture em projetos de carbono.

A PetroRio (PRIO3) anunciou que vai alterar a moeda funcional usada para o dólar norte-americano, no lugar do real. A medida foi definida “para representar mais fidedignamente os resultados e patrimônio da companhia, em conformidade ao ambiente econômico ao qual está inserida”.

 

Follow On e Aquisições

BTG Pactual – O BTG Pactual (BPAC11) disse na quarta-feira (30) que se comprometeu a adquirir o controle acionário do Banco Econômico, que está em liquidação extrajudicial.

Camil – A Camil (CAML3) concluiu a aquisição da Silcom através da subsidiária Saman no Uruguai.

Energisa – A Energisa (ENGI11) informou que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a aquisição de 100% da Gemini Energy pela Energisa Transmissão de Energia, controlada da empresa.

GPS – A GPS (GGPS3) informou que foi aprovada a aquisição, pela sua controlada In-Haus Industrial e Serviços de Logística, de 60% das quotas de emissão da sociedade Motus.

Totvs A Totvs (TOTS3) informou que sua controlada Dimensa acertou a aquisição de 100% da Vadu por pelo menos R$ 40 milhões, segundo comunicado ao mercado.

 Maiores altas e baixas da semana

 

 

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.