Replay de Mercado: A escalada dos juros no Brasil e nos EUA

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana

A taxa Selic agora está em 12,75% ao ano e os juros nos Estados Unidos estão entre 0,75% e 1%, após o novo aumento do Comitê Federal de Mercado aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed). O mercado financeiro acompanhou tudo de perto e, aqui no Brasil, o Ibovespa até reagiu bem à decisão norte-americana, mas nem tanto aos juros nacionais, anunciados pelo Copom.

Agora é ver até quando os juros seguirão em escalada e quais os impactos disso na economia.

A semana também contou com novas informações sobre como os sucessivos lockdowns frearam o crescimento da economia chinesa.

No Brasil, os últimos dias também foram de importantes balanços trimestrais de empresas listadas na B3!

Tudo isso e mais você confere nesta edição do Replay do Mercado

Notícias nacionais

Copom eleva Selic para 12,75% ao ano e juros são os mais altos em 5 anos;

Servidores do BC voltam a ficar em greve; indicadores são novamente adiados;

Balança comercial registra superávit de US$ 8,1 bilhões em abril;

Notícias internacionais

Fed sobe juros para 1% ao ano nos EUA; maior aumento desde o ano 2000;

Novo lockdown na China acende alerta para economia global;

UE propõe embargo às importações de petróleo da Rússia, mas falta consenso entre os países;

Moedas pelo mundo

Ranking de Moedas

Mercado Fundamentalista

Balanços Trimestrais

Insiders

Follow On e Aquisições

Maiores altas e baixas da semana

 

Copom eleva Selic para 12,75% ao ano e juros são os mais altos em 5 anos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou  em decisão unânime na quarta-feira (4) a taxa Selic de 11,75% ao ano para 12,75% ao ano. De acordo com o projetava o mercado, o aumento de um ponto percentual representa o décimo avanço seguido da taxa básica de juros da economia e maior Selic desde 2017.

Para o próximo encontro do Comitê, agendado para junho, é “provável” que haja um novo aumento da taxa, no entanto em “menor magnitude” do que o aumento atual.

Entre os motivos elencados pelo BC para a nova alta dos juros estão a deterioração do ambiente externo, principalmente em razão da incerteza inflacionária, que inclusive pegou o presidente do BC, Roberto Campos Neto, de surpresa.

As pressões inflacionárias decorrentes da pandemia se intensificaram com problemas de oferta advindos da nova onda de Covid-19 na China e da guerra na Ucrânia. A reprecificação da política monetária nos países avançados eleva a incerteza e gera volatilidade adicional, particularmente nos países emergentes”, informou o Copom em nota.

Atualmente, a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos 12 meses é de 11,3%, de acordo com dados de março. A meta do governo para inflação em 2022 é de 3,5%, com margem de erro de 1,5 p.p para cima ou para baixo, o que provavelmente não deve se concretizar.

Neste momento, porém, o BC já está ajustando a taxa Selic para atingir a meta de inflação do ano que vem, uma vez que as decisões sobre juros demoram de seis a 18 meses para terem impacto pleno na economia.

Para 2023, a meta de inflação foi fixada 3,25%, e será considerada formalmente cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%.

Outro ponto elencado pelo Comitê tem relação com cenário fiscal incerto no Brasil.

Entre os riscos de alta para o cenário inflacionário e as expectativas de inflação, destacam-se uma maior persistência das pressões inflacionárias globais; e a incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal do país, parcialmente incorporada nas expectativas de inflação e nos preços de ativos”, mostra a nota.

Mais informações sobre os próximos passos da Selic e da postura do BC no combate à inflação local serão detalhadas na ata desta última reunião do Copom, que será divulgada na próxima semana. 

Servidores do BC voltam a ficar em greve; indicadores são novamente adiados

O Banco Central divulgou nesta semana alguns dados cuja publicação havia sido interrompida pela greve dos servidores da autarquia. Na segunda-feira (2), voltou a ser publicado o relatório Focus, levantamento semanal do BC com mais de 100 instituições financeiras, e também o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que subiu 0,34% em fevereiro, na comparação dessazonalizada com janeiro. No entanto, uma paralisação de servidores fez o BC suspender novamente a divulgação de indicadores.

Segundo o BC, as novas datas para as divulgações serão informadas à imprensa com 24 horas de antecedência. 

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) afirmou que a greve retomada na terça-feira (3), já tem adesão de mais de 50% dos servidores do órgão, cujo quadro na ativa é de 3.500 trabalhadores. 

Nossos pleitos principais são a reposição da inflação de 27% nos salários e os itens não salariais impacto zero no orçamento da União de Reestruturação da Carreira de Técnicos e Analistas do BC. Até o momento, apesar de termos solicitado, não temos nenhuma reunião agendada com o Roberto Campos Neto, presidente do BC ou com algum dos Ministros do Governo”, disse o presidente do Sinal, Fábio Faiad ao Estadão.

Os funcionários da entidade monetária estão em seu quarto ano sem reajuste salarial.

Uma série de boletins e notas estatísticas do BC já estão atrasadas, como os dados do fluxo cambial e as notas de crédito, fiscal e do setor externo de março.

Balança comercial registra superávit de US$ 8,1 bilhões em abril

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 8,14 bilhões em abril, informou a Secretaria do Comércio Exterior, do Ministério da Economia, nesta quinta-feira (5). Os bens exportados somaram US$ 28,9 bilhões e os bens importados, US$ 20,7 bilhões.

Em termos de valor exportado, foi o maior já registrado para o mês de abril em toda a série histórica. Mesmo assim, o superávit ficou menor do que em abril do ano passado, quando registrou US$ 10 bilhões.

Um dos fatores que impulsionaram o resultado no mês passado foi o aumento de quase 20% no preço dos produtos exportados pelo país, principalmente as commodities agrícolas. Em termos de volume de produtos exportados, houve uma queda de 8% nos embarques.

No acumulado do ano até abril, as exportações totalizam US$ 101,185 bilhões e as importações, US$ 81,238 bilhões, com saldo positivo de US$ 19,947 bilhões, valor 10,5% maior do que o do mesmo período do ano passado.

De janeiro a abril deste ano, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) ficou em US$ 182,424 bilhões, 25,5% superior ao mesmo quadrimestre de 2021.

Comparado com abril do ano passado, houve crescimento no valor das exportações da agropecuária, que registrou 12,7% (US$ 48,73 milhões).

Os produtos com as maiores variações positivas no preço foram milho não moído, com 655,4% de aumento (US$ 10,43 milhões na média diária), café não torrado, com aumento de 53,8% (US$ 12,51 milhões na média diária), trigo e centeio, com 359.555,5% de aumento (US$ 2,90 milhões na média diária) e soja, com 7,1% (US$ 23,52 milhões na média diária).

 

internacionais

Fed sobe juros para 1% ao ano nos EUA; maior aumento desde o ano 2000

O Federal Reserve (Fed), banco central dos EUA, decidiu elevar a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, para entre 0,75% e 1% ao ano, em decisão unânime. Este é o maior aumento em 22 anos, em meio à inflação recorde no país (a maior em 40 anos), no entanto a decisão foi amplamente de acordo com o que projetava o mercado financeiro.

Conforme os integrantes do Comitê Federal de Mercado aberto (Fomc) já vinham indicando, há por parte deles uma preocupação maior sobre a incerteza da força inflacionária no país, especialmente em razão da guerra entre Rússia e Ucrânia, mesmo que o consumo dos americanos demonstram uma retomada consistente.

Apesar da atividade econômica geral ter diminuído no primeiro trimestre, os gastos das famílias e o investimento fixo das empresas permaneceram fortes. Os ganhos de emprego foram robustos nos últimos meses e a taxa de desemprego diminuiu substancialmente”, diz nota do BC americano.

O presidente do Fed, Jerome Powell, reiterou que este ciclo de alta de juros dá “boas chance” de controlar a inflação sem provocar recessão nos EUA. Diante disso, Powell salientou que as autoridades do Fomc não estão “ativamente” considerando uma alta de 0,75 ponto percentual nos juros para as próximas reuniões de política monetária.

Ele também disse no entanto que prevê que o caminho para controlar a inflação nos Estados Unidos será “desafiador” por conta de “inúmeros choques históricos” recentes, como as respostas monetária e fiscal à pandemia de Covid-19, guerra na Ucrânia e os novos lockdowns na China.

Após as falas de Powell, os mercados acionários de Wall Street ganharam força e o índice Ibovespa no Brasil virou de uma queda para se valorizar acima de 1%.

Outro ponto de destaque sobre a decisão do Fed foi também a definição do cronograma sobre tapering, que consiste na redução do balanço patrimonial do BC americano de US$ 9 trilhões, criado durante a pandemia para estimular a economia. 

O Comitê decidiu começar a reduzir suas participações em títulos do Tesouro e dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas de agências em 1º de junho.

Segundo o Fed, os títulos do Tesouro terão uma venda limite de US$ 30 bilhões por mês e, após três meses, aumentará para US$ 60 bilhões por mês. Para dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas de agências, o limite será inicialmente fixado em US$ 17,5 bilhões por mês e, após três meses, aumentará para US$ 35 bilhões por mês.

Para garantir uma transição suave, o Comitê pretende desacelerar e, em seguida, interromper o declínio no tamanho do balanço patrimonial quando os saldos das reservas estiverem um pouco acima do nível que considera consistente com reservas amplas”, disse o Fed.

A redução do balanço do Fed terá o efeito de aumentar ainda mais os custos dos empréstimos em toda a economia. Ao todo, o aperto do Fed deve elevar o custo do crédito para consumidores e empresas ao longo do tempo, inclusive para a compra de imóveis, juros dos cartões de crédito e empréstimos para automóveis. 

Ainda sobre a economia dos EUA, na sexta-feira (6) foram divulgados dados sobre o mercado de trabalho do país – indicador de extrema relevância para as decisões do Fed.  O Departamento do Trabalho informou que foram criados 428 mil postos de trabalho fora do setor agrícola em abril, acima do esperado. Já a taxa de desemprego ficou neutra em 3,6% no mesmo período.

Novo lockdown na China acende alerta para economia global

A segunda maior economia global deverá afetar todas as outras ao redor do globo, visto que a política de tolerância zero contra Covid-19 tem imposto severos lockdowns na China, enquanto a maior parte do mundo retoma padrões de consumo pré-pandemia. Detentora de uma fatia de 15,4% das exportações comerciais globais, na China já é possível ver novamente uma fila de navios de cargueiros aguardando nos portos do país, o que deve inflar ainda mais os preços ao consumidor pelo mundo e causar novos problemas logísticos.

Esta preocupação, inclusive, também influenciou na decisão do Federal Reserve (Fed) sobre a alta dos juros nos EUA. 

Grandes bancos, entre eles o suí­ço UBS, reduziram as projeções de crescimento do PIB chinês de 5% para 4,2% após o decreto dos lockdowns.

Para o Brasil, que tem na China seu maior parceiro comercial, o sentimento é de preocupação.

Em entrevista à CNN, o diretor presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), Jesualdo Silva, confirmou que a paralisação de navios cargueiros na China gerou uma alta no preço dos fretes.

Ele explicou que, no auge da pandemia, o contêiner vindo da China para o Brasil custava em média US$ 6.800. Com o arrefecimento da doença, o preço do transporte desceu para US$ 6.200, no entanto, o valor já voltou ao patamar mais alto, segundo dados da ABTP. Antes do Coronavírus, o valor de um container era de, aproximadamente, US$ 3.000.

Além disso, os sucessivos lockdowns também têm minado a economia interna chinesa. 

Na última sexta-feira (29), o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da indústria da China apontou queda de 49,5 pontos em março para 47,4 em abril, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês).

O resultado ficou abaixo da mediana prevista por economistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam o número em 48.

Segundo dados publicados nesta quinta-feira (5), a atividade do setor de serviços da China contraiu em abril no segundo ritmo mais forte já registrado, o PMI de serviços do Caixin caiu de 42 em março para 36,2 em abril, o segundo menor nível desde o início da pesquisa em novembro de 2005.

Lembrando a marca de 50 pontos separa crescimento de contração.

UE propõe embargo às importações de petróleo da Rússia, mas falta consenso entre os países

Países membros da União Europeia (UE) e também os Estados Unidos voltaram a discutir nesta semana possíveis novas sanções contra a Rússia, em razão das cada vez mais remotas chances de um acordo de paz que de cabô à invasão das tropas russas à Ucrânia. No entanto, nenhuma nova sanção foi de fato oficializada ainda

A tentativa mais significativa, com impacto direto na economia global, foi proposta pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na quarta-feira (3),  quando pediu para os 27 países da União Europeia proíbam as importações de petróleo da Rússia, no que seria o sexto pacote de sanções contra Moscou.

A ideia seria proibir a importação da commodity russa dentro de seis meses e de derivados de petróleo do país até o fim do ano. No entanto, devido à resistência de alguns países europeus, a UE propôs estender o prazo na sexta-feira (6).

Após as falas da presidente na quarta, os preços do barril de petróleo dispararam mais 5%

Ursula também acrescentou que o órgão executivo da UE também propõe excluir o maior banco da Rússia, o Sberbank, e mais dois bancos russos do sistema de pagamentos internacionais Swift. A comissão planeja ainda banir três grandes emissoras estatais russas da UE.

A reunião entre os países europeus aconteceu entre quarta (4) e quinta-feira (5), mas não houve consenso para a realização do embargo ao petróleo, especialmente pela dependência da Hungria, Eslováquia e República Checa às importações da commodity russa, apontam agências de notícia. 

Devem haver mais atualizações sobre as novas sanções da UE na próxima semana. 

Além disso, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que está “sempre aberto a sanções adicionais”. “Falarei com os membros do G7 esta semana sobre o que vamos fazer ou não”, pontuou Biden a repórteres na Casa Branca.

 

Ranking de moedas

Nesta semana o real voltou a perder força contra o real, assim como diversas outras moedas emergentes. A brasileira, no entanto, foi a que pior desempenhou, caindo 1,99% e cedendo da antepenúltima para a última colocação do “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar. 

Acompanhando o real, entre os piores desempenhos também ficaram a libra esterlina, com baixa de 1,93% frente ao dólar e a coroa checa, que cedeu 1,71% na semana.

Na ponta de cima, o rublo russo seguiu em disparada e manteve a primeira colocação, onde já se encontra há mais de um mês. Neste semana, a moeda russa valorizou 6,50%. Ainda no pódio, ficaram o peso mexicano, par emergente do real, com alta de 1,30%, e a kuna croata, que subiu 0,36%.

 

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.

 

O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registrou alta de 0,37% na semana.

O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com alta de 2,02%, a R$ 5,073
  • EUR/BRL fechou a semana com alta de 2,12%, a R$ 5,349
  • MXN/BRL encerra a semana com alta de 3,41%, a R$ 0,251
  • CNH/BRL com alta de 1,15%, a R$ 0,755

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (06), às 16h30

fundamentalista

Balanços Trimestrais

A Petrobras (PETR4) registrou um lucro líquido de R$ 44,561 bilhões no 1º trimestre de 2022, uma alta de 3.718% influenciada pelo alta do petróleo, frente os R$ 1,167 bilhão de um ano antes. A receita líquida somou R$ 141,6 bilhões, crescendo 64,4% na base anual e 6% na base trimestral.

O Bradesco (BBDC4) registrou um lucro líquido recorrente de R$ 6,821 bilhões no 1º trimestre de 2022, alta de 4,7% frente igual período de 2021, quando registrou um lucro de R$ 6,515 bilhões. O resultado veio acima das projeções.

A Ambev (ABEV3) registrou lucro líquido de R$ 3,528 bilhões no 1º trimestre de 2022, o que representa um crescimento de 29,1% em relação ao mesmo trimestre de 2021. A receita líquida consolidada atingiu R$ 18,44 bilhões, um crescimento reportado de 10,8% e de 18,5% orgânico.

A Localiza (RENT3) registrou lucro líquido de R$ 517,4 milhões no 1º trimestre de 2022, o que representa um crescimento de 7,3% em relação ao mesmo trimestre de 2021. A receita líquida somou R$ 2,7 bilhões entre janeiro e março deste ano, redução de 3,1% na comparação com igual etapa de 2021.

A Gerdau (GGBR4) registrou lucro líquido de R$ 2,940 bilhões no 1º de 2022, o que representa um crescimento de 19% em relação ao anterior, mas uma queda em relação ao quarto trimestre de 2021.

A Suzano (SUZB3) registrou lucro líquido de R$ 10,306 bilhões no 1º trimestre de 2022, revertendo prejuízo de R$ 2,755 bilhões de igual período do ano passado. A receita líquida somou R$ 9,743 bilhões no 1º trimestre de 2022, um incremento de 10% frente ao 1º trimestre de 2021.

Insiders

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitou uma proposta de Termo de Compromisso em que os irmãos Joesley Mendonça Batista e Wesley Mendonça Batista, do frigorífico JBS (JBSS3), ofereceram R$ 3 milhões, cada, para encerrar um processo administrativo sancionador.

A Petrobras (PETR4; PETR3) anunciou que seus preços de venda de gás natural para as distribuidoras teriam aumento médio de 19% a partir de 1º de maio, em relação aos valores praticados entre fevereiro e abril, o que já foi efetivado.

A Orizon (ORVR3) anunciou na terça-feira (3) a regularização de contrato para a criação de uma joint venture de energia elétrica, intitulada “UTE Paulínia”, com as companhias Mercurio Holding e Gera Energia Brasil. Cada acionista detém 33,33% da sociedade e o investimento estimado na UTE ronda os R$ 180 milhões.

Follow On e Aquisições

Embraer – A Embraer (EMBR3) concluiu a operação referente à alienação, por sua subsidiária Embraer Portugal, da totalidade da participação societária nas sociedades Embraer Portugal Estruturas Metálicas e Embraer Portugal Estruturas em Compósitos para a Aernnova Aerospace Corporation. O negócio havia sido avaliado em US$ 172 milhões em janeiro.

Fleury – O Fleury (FLRY3) realizou o fechamento da operação de aquisição de 100% das ações de emissão do Laboratório Marcelo Magalhães e do Marcelo Magalhães Diagnósticos, por R$ 384,5 milhões.

Jalles Machado – A Jalles Machado (JALL3) informou que assinou contratos referentes à aquisição da totalidade das quotas da Santa Vitória. O montante total da transação é de R$ 704,8 milhões.

Itaú Unibanco – O Itaú Unibanco (ITUB4) informou que concluiu a compra de cerca de 11,4% da XP pelo equivalente a R$ 8 bilhões. Segundo o fato relevante, a transação não muda a governança da XP e não deve ter efeito relevantes nos resultados em 2022.

 Maiores altas e baixas da semana

 

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.