MicrosoftTeams image 6
MicrosoftTeams image 6

Replay de Mercado

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana

Por Deise Freitas e Pedro Carrizo

Confira os fatos que marcaram o cenário econômico e o mercado financeiro na semana de 02/08 a 06/08.

Nesta semana houve a decisão do Copom sobre a Selic, elevada para 5,25%. Ainda no cenário nacional, os depoimentos da CPI da Pandemia foram retomadas nesta semana e, após críticas ao sistema eleitoral brasileiro, o presidente Jair Bolsonaro foi incluído no inquérito das fake news. Lá fora, os Estados Unidos se preparam para votar o Plano de Infraestrutura, uma das reformas mais esperadas pelo atual presidente, Joe Biden.  Nesta sexta-feira (6), o país norte-americano divulgou também seus dados sobre trabalho.

Notícias nacionais

Notícias internacionais

Moedas pelo mundo

Mercado Fundamentalista

 

Notícias Nacionais

Bolsonaro é incluído no inquérito das fake news e reage após cancelamento de reunião de chefes de Poderes

Após a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux,  de cancelar a reunião dos chefes de Poderes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reagiu na noite da quinta-feira (5) ao anúncio unilateral. “Quero deixar claro ao ministro Fux: na minha palavra aqui não tem um ataque ao STF. Zero. O senhor lê jornal, que só serve para envenenar o povo”, disse.  Bolsonaro também retomou ataques ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, e ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

“Vocês não foram eleitos para decidir o futuro do povo. Quem foi eleito fui eu e o Congresso brasileiro. Vocês foram eleitos para interpretar a Constituição. Não podem continuar legislando, dando ‘piruada’, falando o que eu e o Parlamento devem e não devem fazer”, criticou Bolsonaro.

Ao cancelar o encontro, Fux justificou a decisão afirmando que o presidente Bolsonaro tem reiterado ataques a integrantes da corte, em especial aos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, e que as ofensas não atingem apenas os dois, mas todo o tribunal.

Na quarta-feira (4), o ministro do STF, Alexandre de Moraes, determinou a inclusão do presidente Jair Bolsonaro como investigado no inquérito das fake news. 

A decisão ocorreu após o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, ter enviado uma notícia-crime ao Supremo contra o chefe do Executivo. Na decisão, o ministro afirmou que as condutas do chefe do Executivo podem configurar 11 crimes, 7 deles previstos no Código Penal, 3 na Lei de Segurança Nacional e 1 no Código Eleitoral. Entre eles, estão calúnia, difamação, injúria, incitação ao crime, apologia do crime, associação criminosa e denunciação caluniosa.

Copom eleva Selic para 5,25% ao ano

Na quarta-feira (4), o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou a taxa básica de juros, a Selic, de 4,25% para 5,25% ao ano. Para a próxima reunião, em 21 e 22 de setembro, o Comitê já avisou que a taxa deve subir novamente em 1 ponto percentual.

Está é a quarta elevação do ano e, nas três vezes anteriores, a taxa havia subido 0,75 ponto percentual. 

A decisão do Banco Central de apertar o cinto da política monetária ocorre em meio ao aumento da inflação de alimentos, combustíveis e energia, avanço contínuo da projeção da inflação, que já está acima da meta, a prorrogação do auxílio emergencial, além da expectativa de um novo Bolsa Família de cerca de R$ 400.

O órgão pediu a continuidade das reformas econômicas estruturais e advertiu para o risco da aprovação de medidas que elevem os gastos públicos permanentemente.

PEC dos precatórios e criação do novo Bolsa Família têm recepção negativa e acendem alerta sobre cenário fiscal

Ministros da Economia, Casa Civil, Cidadania e Secretaria de Governo se reuniram nesta semana com os presidentes da Câmara e do Senado para apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza o governo federal a parcelar dívidas judiciais da União com pessoas físicas e jurídicas, conhecidas como precatórios. A partir do parcelamento dessas dívidas, o governo também estuda financiar o novo Bolsa Família, que segundo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode ter aumento de até 100%. Os precatórios são dívidas que o governo federal tem e que não são mais passíveis de recursos.

Segundo nota divulgada após o encontro, “a ideia é fazer uma separação dos ‘super precatórios’ das dívidas de menor valor, e permitir, assim, que o governo parcele dívidas judiciais acima de R$ 66 milhões. A medida visa reequilibrar as contas em virtude do montante de precatórios previstos, via decisão judicial, para o exercício de 2022″. O documento informa que a PEC será apresentada oficialmente “nos próximos dias”.

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda afirmou que o volume de quase R$ 89 bilhões em precatórios previstos para 2022 consumiria todo o espaço extra no espaço do teto de gastos no ano que vem, que era calculado pelo governo em torno de R$ 30 bilhões. “O número extrapolou qualquer possibilidade de reserva de nossa parte.”

No dia que sucedeu o encontro das lideranças, Guedes esteve em evento virtual e brincou sobre os precatórios: “Devo, não nego, pagarei assim que puder”. A fala do ministro foi mal recebida por boa parte do mercado e das instituições da sociedade civil. A Ordem dos Advogados (OAB) classificou o projeto como uma tentativa de calote e que traz incertezas sobre a estabilidade do cenário fiscal no Brasil. 

Além disso, ainda nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo estuda um aumento entre 50% e 100% nos pagamentos do Bolsa Família. Porém, segundo o portal UOL, fontes do governo informaram que isso só será possível com a aprovação da PEC. Sem a aprovação, será difícil achar recursos para custear o aumento do programa. 

Após a repercussão negativa, o presidente da Câmara de Deputados, Arthur Lira (PP-AL) negou que governo pretenda dar calote no pagamento de precatórios e afirmou que a tentativa de parcelamento das dívidas não tem relação com o possível aumento do Bolsa Família prometido pelo presidente Jair Bolsonaro.

CPI da Covid retoma depoimentos após fim de recesso parlamentar

Na quinta-feira (5) encerrou o último depoimento da semana na CPI da covid, após recesso parlamentar de 15 dias. O foco, nesta nova rodada, cai sobre as denúncias de irregularidades e propinas na aquisição de vacinas contra a covid-19. Confira como foram os principais pontos.  

Quinta-feira (5): depôs o empresário e ex-deputado Airton Soligo, conhecido como Airton Cascavel. Ele descreveu suas atividades dentro do Ministério da Saúde, mesmo sem ter uma função oficial, mas negou qualquer vantagem pessoal. 

Conforme apurações, há registros das ações de Cascavel em ações exclusivas de gestores públicos, como agendas públicas do ministro Eduardo Pazuello sobre respiradores e ações com prefeitos e secretários estaduais de saúde. 

Quarta-feira (4): depôs coronel Marcelo Blanco, ex-diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. Ele admitiu que negociou a compra de vacinas da AstraZeneca com o policial militar Luiz Dominguetti, mas afirmou que a venda seria apenas para o setor privado. 

Porém, à época, não existia lei que autorizasse a compra de imunizantes por empresas. “Essa atividade de venda de vacina para o setor privado na oportunidade era uma atividade irregular, absolutamente irregular, porque sequer a lei autorizando tinha sido autorizada no Congresso Nacional”, apontou Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI.

Blanco então afirmou que a intenção não era negociar sem legislação, mas ter “algo desenhado”. Senadores mostraram que as datas não batiam e que o projeto foi protocolado no dia 23 de fevereiro, depois das conversas entre ele e Dominguetti por meio de mensagens. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o ato caracteriza acesso a “informações privilegiadas”, já que o depoente sabia da possibilidade da aprovação da lei.  

Terça-feira: depôs reverendo Amilton Gomes de Paula, presidente da ONG Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários). Ele chorou na sessão e pediu perdão por ter participado da negociação de vacinas com o Ministério da Saúde. Amilton negou ter relações com integrantes do governo federal e afirmou ter sido “usado” para facilitar o acesso da empresa Davati Medical Supply à pasta do governo. 

O reverendo teria recebido aval do Ministério da Saúde para negociar a compra de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca em nome do governo brasileiro.  

“Eu queria vacina para o Brasil. Eu tenho culpa, sim. Hoje de madrugada antes de vir pra cá eu dobrei os meus joelhos, orei, e aí eu peço desculpa ao Brasil. O que eu cometi não agradou primeiramente aos olhos de Deus”, disse.

A CPI confirmou para a próxima semana o depoimento do líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), que teria sido citado pelo presidente Jair Bolsonaro como responsável por “rolo“ de vacinas no Ministério da Saúde.

 

Notícias Internacionais 

Pacote de infraestrutura dos Estados Unidos pode ser votado neste final de semana

O senado americano aprovou na quarta-feira (4) uma série de emendas ao pacote de infraestrutura, que deve custar aos cofres americanos cerca de US$ 1 trilhão. O texto de 2.702 páginas visa trazer melhorias para estradas, pontes e sistemas de transporte público do país. A votação final deve acontecer neste fim de semana ou no início da próxima.

O pacote de infraestrutura, uma  das principais prioridades legislativas do presidente Joe Biden, seria o maior investimento em estradas, pontes, portos e trânsito dos Estados Unidos em décadas.

Dentre vários pontos, o projeto inclui investimento em transporte público e reserva US$ 39 bilhões para modernizar sistemas, melhorar acessibilidade e consertar 24 mil ônibus e 5 mil vagões e milhares de quilômetro de trilhos. De acordo com o projeto: US$ 65 bilhões serão utilizados para garantir que todos os americanos tenham acesso à banda larga e US$ 55 bilhões para financiar iniciativas de água potável. O pacote também liberaria US$ 550 bilhões para novos gastos nos próximos cinco anos. O projeto será financiado com cortes de custos, medidas para ajudar a reduzir a evasão fiscal e mais de US$ 250 bilhões em fundos de emergência para a Covid-19 que não foram utilizados. 

O pacote de infraestrutura também incluiu a proposta de taxar o mercado de criptomoedas e, assim, obter uma fonte para compensar parte dos custos do projeto. Porém, a ideia não agradou muito alguns políticos, como o senador Pat Toomey, da Pensilvânia. Ele divulgou um comunicado dizendo que considera “impraticável” o texto sobre criptomoedas, afirmando que irá propor uma emenda sobre o assunto. Na quinta-feira (5), o próprio autor do projeto, senador Rob Portman, demonstrou apoio à emenda sugerida por Toomey através de uma publicação no twitter. 

Criação de novas vagas de trabalho e queda do desemprego nos EUA demonstram recuperação econômica.

A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos foi sólida em julho em meio à demanda por trabalhadores no setor de serviços, sugerindo que uma economia em franca recuperação no início do segundo semestre. Foram criados 943 mil postos de trabalho fora do setor agrícola no mês passado, após 938 mil em junho, segundo o Departamento do Trabalho em seu relatório de empregos de hoje (6). O resultado veio acima das projeções, com economistas consultados pela Reuters projetando criação de 870 mil postos de trabalho. A taxa de desemprego, por sua vez, caiu de 5,9% em junho para 5,4%, frente à expectativa de 5,7% do mercado.

Após o resultado, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se vangloriou dizendo: “O plano Biden funciona”. Ele ressaltou que a vacinação foi um dos principais fatores para o crescimento, com reabertura de bares, restaurantes, hotéis e parques de diversões após forte campanha de imunização. No entanto, Biden acrescentou que a economia americana “está longe de concluir sua recuperação”, e antecipou altos e baixos no combate à Covid-19 devido à variante delta. Por fim, o presidente pediu para os americanos se vacinarem.

Empresas do mercado de games lançam resultados trimestrais

Empresas que atuam no mercado de games reportaram balanços favoráveis, que demonstram um setor aquecido mesmo durante a Covid-19. A gigante Sony bateu com folga as estimativas do mercado, sendo beneficiada por uma forte demanda por seu novo console PlayStation 5, enquanto as pessoas ficavam em casa, o que aumentou a busca pelo video-game. Suas ações caiam cerca de 1,2%, enquanto no ano, suas ações contam com uma valorização de 27,5%. A companhia conseguiu bater a marca de 10 milhões de vendas, abaixo da meta criada pela própria Sony de vender 14,8 milhões de unidades do PS5 no ano fiscal.

A companhia japonesa dona da marca PlayStation também apresentou um lucro operacional de 280,1 bilhões de ienes (US$2,57 bilhões), acima do registrado no mesmo período de 2020: 221,7 bilhões de ienes. O resultado operacional também ficou acima das projeções.

Por fim, a companhia aumentou sua previsão de lucro até março de 2022: passou de  930 bilhões de ienes para 980 bilhões de ienes.

Entre as desenvolvedoras americanas de games, a Activision Blizzard divulgou seus resultados referentes ao segundo trimestre do ano, com números acima das estimativas de Wall Street. A produtora de games reportou receitas totalizando U$1,92 bilhões, 7,7% a menos do que o registrado no mesmo período do ano passado, e um lucro por ação de U$0,91, ante consenso de U$0,75. O número de usuários mensais em suas plataformas somou 408 milhões, impulsionado por seus títulos mais tradicionais: Call of Duty, World Of Warcraft e Candy Crush. Para o próximo ano, estão no radar lançamentos há muito aguardados pelos fãs de games como Diablo 4 e Overwatch 2, que podem ser drivers importantes de faturamento.

 

Moedas pelo mundo

 

Ranking de Moedas

Em comparação ao dólar, o real subiu duas casas, da 16ª posição para 14ª posição, na variação semanal do “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar.

No fechamento da semana, o real encerrou desvalorização de 0,61% frente à moeda norte-americana. Já o peso mexicano, par emergente do real, que estava na 11º lugar do ranking, caiu para 18ª posição, com baixa de 0,90% frente o dólar. Já a lira turca, outro par emergente da moeda brasileira, foi que apresentou a maior queda, passou da 1ª colocação na semana passada para a última posição do ranking, com desvalorização de 2,19%. A kuna croata ficou em penúltimo (-0,99%) e franco suíço em antepenúltimo (-0,94%).

Nas primeiras posições ficaram o dólar neozelandês (0,53%), o florim húngaro (0,36%) e a rupia indiana (0,23%).

Já o DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registra alta de 0,56% na semana. O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro
Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro

 

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX
Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

 

USD/BRL encerrou a semana com alta de 0,68%, em R$5,242.

EUR/BRL fechou a semana com baixa de 0,22% a R$ 6,166.

MXN/BRL encerra a semana com baixa de 0,23%, a R$0,261.

CNH/BRL com alta de 0,50%, a R$ 0,809

 

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (6), às 15h30.

 

Mercado Fundamentalista 

Insiders

Na segunda-feira (2), o Banco do Brasil (BBSA3) comunicou a renúncia do Conselheiro de Administração, Waldery Rodrigues Júnior. Dois dias depois (4), o BB nomeou Ariosto Antunes Culau para o cargo. Culau é graduado em ciências econômicas pela Unisinos, com MBA em Finanças Empresariais pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialização em Políticas Públicas e Governo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A Gafisa (GFSA3) anunciou nesta semana a venda de terrenos para fundos de investimento imobiliário, no valor de R$ 200 milhões, como estratégia para reciclar seu capital próprio investido em áreas que já estão no balanço, mantendo a companhia como incorporadora dos projetos. Este é o primeiro passo para a Gafisa atuar diretamente no mercado de Fundos de Investimentos Imobiliários, segundo reportou a empresa à CVM. A Gafisa também anunciou a criação de um Fundo, a Gafisa Capital, que terá como presidente-executivo Ian Andrade. O executivo seguirá como diretor financeiro da Gafisa.

Além disso, a Marcopolo (POMO3;POMO4) concedeu nesta semana férias coletivas em fábricas no Brasil por escassez de componentes eletrônicos, segundo comunicado da empresa. E a Via (VVAR3) adotará um novo código de negociação a partir de 16 de agosto. O atual, VVAR3, será substituído por VIIA3. Seu nome no pregão também passará de Via Varejo para apenas Via, seguindo a mudança de marca comunicada em abril.

Balanços financeiros

A bateria de resultados trimestrais seguiu nesta semana e contou com a divulgação de importantes ações listadas na B3. Entre elas, a Petrobras (PETR4; PETR3), que logo após apresentar seu balanço do 2º trimestre, teve alta de mais de 8% em seus papéis preferenciais na sessão seguinte ao balanço (5). 

O lucro registrado pela empresa foi de R$ 42,8 bilhões, ante o prejuízo de R$ 2,7 bilhões, registrados no 2º tri de 2020, quando a pandemia da Covid-19 derrubou as cotações internacionais do petróleo. Com isso, a Petrobras também superou em 3.572,2% o resultado dos três primeiros meses do ano, quando o lucro líquido foi de R$ 1,167 bilhão. Após o resultado, a empresa anunciou que pagará dividendos adiantados.

Ainda no setor petroleiro, a PetroRio (PRIO3) registrou lucro líquido de R$ 304,6 milhões no 2º trimestre de 2021, revertendo o prejuízo de R$ 76,2 milhões apurado em igual período do ano passado. A PetroRio também registrou uma receita líquida de R$ 1,022 bilhão ao final do trimestre, a maior já registrada pela empresa. O montante representa um avanço de 228% na comparação ano a ano.

Entre os bancos, destaque para os balanços de Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3). Os resultados demonstram recuperação do setor frente à pandemia de Covid-19. O Itaú Unibanco, maior banco do país, anunciou na segunda-feira (2) lucro líquido recorrente de R$ 6,543 bilhões no 2º trimestre de 2021, alta de 55,6% em relação ao ano anterior. O resultado foi um pouco maior do que as projeções compiladas pela Refinitiv, que previam lucro líquido recorrente de R$ 6,424 bilhões. 

Já o Bradesco teve lucro líquido recorrente de R$ 6,3 bilhões, representando alta de 63,2% frente ao 2º trimestre do ano passado. As projeções indicavam lucro líquido recorrente de R$ 6,454 bilhões. No entanto, o setor de seguros do Bradesco foi prejudicado pela segunda onda de Covid-19, com queda de 58,3% nos ganhos da modalidade e resultado de R$ 1,574 bilhão.

O Banco do Brasil registrou lucro líquido contábil de R$ 5,5 bilhões no 2º trimestre, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (4). O resultado representa uma alta de 72,1% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 3,2 bilhões). O BB também reportou lucro líquido ajustado de R$ 5,039 bilhões no 2º trimestre deste ano, alta de 52% frente ao igual período de 2020. O resultado ficou 2,6% acima dos ganhos do 1º trimestre deste ano, quando o BB registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,913 bilhões. 

No setor metalúrgico, a Gerdau (GGBR4) reportou na quarta-feira (4) lucro líquido recorde no 2º trimestre, totalizando R$ 3,934 bilhões, o que representa aumento de 1.149% na comparação anual e de 59% em relação ao primeiro trimestre de 2021. De acordo com a Gerdau, o desempenho financeiro ocorre pela demanda elevada por aço em todos os mercados em que está presente. Já o nível de endividamento alcançou o menor nível em 14 anos.

 

Follow ON e aquisições

Desktop – Recém estreada na B3, a Desktop (DESK3), anunciou a aquisição da Starnet, empresa com operação de fibra óptica nos municípios paulistas de Atibaia, Mairiporã, Bom Jesus dos Perdões, Jarinu, Piracaia e Nazaré Paulista. A Desktop deve pagar R$ 51,5 milhões pela Starnet.

Fleury – O Conselho de administração da Fleury (FLRY3) aprovou, em reunião realizada na último segunda-feira (2), o aumento de capital social da companhia em R$ 5,050 milhões, com a emissão de 577.893 ações ordinária em preço estabelecido de R$ 8,74 por ação. Agora, o capital social do Fleury é de R$ 1,460 bilhão, dividido em 317.943.99 ações.

Gol – A Gol (GOLL4) anunciou a compra de 28 aeronaves 737 MAX-8, da Boeing, dentro de um plano de ter economia operacional com jatos mais novos e um plano de financiamentos revisado. Os novos jatos substituirão 23 unidades do modelo 737-800 NG até o fim do ano que vem. Com o acordo, a Gol prevê encerrar 2021 com 28 aeronaves 737 MAX 8 e, até o final de 2022, com 44 jatos 737 MAX, anunciou a companhia nesta terça-feira (3).

JBS – A JBS (JBSS3), maior processadora de carne do mundo, entra no mercado de aquicultura com a aquisição da produtora australiana de salmão Huon Aquaculture por 425 milhões de dólares australianos (US$ 314 milhões). O acordo já conta com o apoio de acionistas majoritários e deve ser concluído até o final deste ano, depois da aprovação de autoridades australianas, informou a empresa em comunicado.

Locaweb – A Locaweb (LWSA3) anunciou na segunda-feira (2) a compra da Octadesk, empresa de tecnologia voltada a criação de plataformas de automatização na interação das empresas com seus clientes por meio de chatbots. A Locaweb está pagando R$ 102 milhões pela empresa, que tem mais de 2,5 mil clientes. A Aquisição será paga em dinheiro e inclui earnout para os fundadores a depender do cumprimento de certas metas.

Unifique – A Unifique (FIQE3) comprou dois provedores de acesso de Internet nesta semana: Neofibra, de Santa Catarina, e o grupo TKNet, do Rio Grande do Sul. Ambas aquisições não tiveram valor informado.

IPOs

As ações da Raízen (RAIZ4), joint venture entre Cosan e Shell, estrearam com volatilidade na quinta-feira (5) na B3. Na máxima do dia, a ação chegou a subir 2,70%, a R$ 7,60, mas o papel virou para perdas e fechou em baixa de 2,16%, a R$ 7,24.

Na terça-feira (3), a companhia precificou sua oferta de ações com  a faixa indicativa entre R$ 7,40 e R$ 9,60 por papel, e movimentou R$ 6,9 bilhões, no maior IPO do ano na Bolsa brasileira.

A Viveo (VVEO3) precificou na quinta-feira (5) sua oferta inicial de ações a R$ 19,92,  no piso da faixa indicativa que ia até R$ 25,81 por papel. A oferta, restrita a investidores institucionais, movimentou R$ 1,8 bilhão, com a distribuição primária de 35,1 milhões de novas ações e a distribuição secundária de 59,0 milhões de ações – incluídas ações adicionais. A estreia na B3 ocorre na próxima segunda-feira (9). 

 

Maiores altas da semana

Copel (CPLE6) 7,19% / R$ 6,56
Totvs (TOTS3) 5,88% / R$ 37,36
Petrobras (PETR4) 5,35% / R$ 28,35
Petrobras (PETR3) 5,24% / R$ 28,94
Usiminas (USIM5) 5,20% / R$ 21,64

Maiores baixas da semana

CVC Brasil (CVCB3) -8,74% / R$20,35
Ecorodovias (ECOR3) -6,78% / R$10,17
Localiza (RENT3) -6,73% / R$ 57,96
Cosan (CSAN3) -5,17% / R$ 24,23
Locamerica (LCAM3) -5,11% / R$ 25,80

*Maiores altas e baixas da semana extraídas do Profit Pro na sexta-feira (6), às 16h.

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.