Replay de Mercado (17/12)

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana, de 13 a 17 de dezembro

O mercado acompanhou de perto as decisões dos apertos monetários nos BCs pelo mundo, principalmente no anúncio do Federal Reserve (Fed, BC dos EUA), que acelerou a retirada dos estímulos criados durante a Covid-19 e previu três altas de juros em 2022. Movimento similar também ocorreu na zona do euro, através do Banco Central Europeu. 

Em solo nacional, a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que elevou a taxa Selic em 9,25% ao ano na semana, divulgada na quarta-feira (15), reiterou a postura mais contracionista do banco como forma de conter a inflação. Ainda no Brasil, a definição da PEC dos Precatórios, promulgada nesta semana, deu fim ao trâmite político que se arrastou por meses e acalmou o mercado brasileiro.

A semana também foi recheada de movimentações corporativas de empresas listadas na B3.

Tudo isso e mais você confere nesta edição do Replay do Mercado.

Notícias nacionais

Ata do Copom reitera visão do mercado sobre postura mais contracionista do Banco Central

Precatórios: limite para pagamento das dívidas União é promulgado e agora está na Constituição

Prévia do PIB cai pela 4ª vez seguida em outubro, pior resultado para mês em 7 anos

Notícias internacionais 

Federal Reserve prevê três aumentos de juros em 2022; estímulos acabam em março

BCE inicia retirada de incentivos criados durante pandemia, mas mantém compra de títulos longos

Inflação ao produtor cresce nos EUA enquanto atividade industrial e de serviços caem

Moedas pelo mundo

Ranking de Moedas

Mercado Fundamentalista

Insiders

Follow On e Aquisições

IPOs

Maiores altas e baixas

 

 

Ata do Copom reitera visão do mercado sobre postura mais contracionista do BC

o BC avaliou um ajuste maior do que o que foi praticado. Foto: RHJPhtotoandilustration/Shutterstock.com

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou a Selic para 9,25% ao ano, reforçou a ideia de que o BC adotou um tom mais contracionista para combater a inflação. A taxa Selic sofreu a sétima alta seguida na semana passada, ao passar de 7,75% para 9,25% ao ano.

No documento, publicado na terça-feira (14), o BC avaliou um ajuste maior do que o que foi praticado, de 1,5 ponto, e traçou um cenário de juros altos por mais tempo.

No entanto, os membros do Copom concluíram que o ritmo de ajuste de 1,50 ponto é adequado, momentaneamente, para atingir um patamar suficientemente contracionista, que garanta a convergência da inflação ao longo do horizonte e consolide a ancoragem das expectativas de prazos mais longos. Para a próxima reunião está previsto um aumento da mesma magnitude, o que levará a taxa básica de juros a 11,75% ao ano.

Ao avaliar os riscos para inflação, o Copom salientou que “novos prolongamentos das políticas fiscais [aumento de gastos públicos] de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada [procura por bens e serviços] e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco [relação entre risco e rendimentos de investimentos] do país”.

Para o Copom, a decisão fará com que a inflação convirja para a meta em 2022 e em 2023. “Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego”, ressalta o documento.

O Ibovespa, índice de referência da Bolsa brasileira, fechou em queda de 0,58% após a divulgação da ata do Copom, aos 106.759 pontos. No caminho inverso, o dólar comercial subiu 0,37%, alcançando o patamar de R$ 5,6955 no fechamento de terça-feira  (14).

Limite para pagamento dos precatórios é promulgado e agora está na Constituição

Chegou ao fim a indefinição sobre como o governo faria para parcelar suas dívidas obrigatórias, e assim também custear o programa Auxílio Brasil de R$ 400. Nesta quinta-feira (16), o Congresso promulgou a segunda parte da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que estabelece um limite para o pagamento das dívidas obrigatórias da União.

Além disso, a nova regra muda o cálculo para o teto de gastos, pois limita a despesa pública ao Orçamento do ano anterior corrigido pela inflação, o que segundo cálculos do Tesouro abre uma folga de R$ 62,2 bilhões em 2022.

A expectativa é que o texto, agora na Constituição, abra um espaço superior a R$ 106 bilhões no orçamento do próximo ano. A segunda parte, aprovada nesta semana, liberou R$ 43,8 bilhões. 

A PEC também viabiliza o Auxílio Brasil para 2022, novo programa social que deve distribuir R$ 400,00 para cerca de 17 milhões de famílias. Já o limite para o pagamento dos precatórios, segundo a PEC, corresponderá ao valor das despesas com precatórios em 2016 corrigidos pela inflação (IPCA).

A primeira parte do texto havia sido promulgada pelo Congresso na semana passada e liberou R$ 64,9 bilhões no Orçamento de 2022. A PEC era uma das prioridades da atual gestão presidencial como forma de equilibrar as contas para o próximo exercício.

Durante meses, as discussões acerca da PEC dos Precatórios elevaram o risco fiscal no país e contagiaram negativamente o mercado brasileiro. No entanto, a definição desta semana agradou a bolsa brasileira, que fechou em alta com a conclusão do tema.

Prévia do PIB cai pela 4ª vez seguida em outubro, pior resultado para mês em 7 anos

O Banco Central informou na quarta-feira (15) que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), teve queda mensal de 0,40% em outubro, o quarto mês consecutivo de queda. Além disso, o resultado é o pior para o mês em 7 anos

A prévia do PIB brasileira também foi pior do que projetava mercado, que previa queda de 0,20%, segundo pesquisa Refinitiv. Na comparação anual houve retração de 1,48% na série sem ajustes sazonais.

Apesar da deterioração recente, o IBC-Br acumulou alta de 4,99% em 2021 até outubro, informou a autoridade monetária. O porcentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresentou aumento de 4,19% nos 12 meses encerrados em outubro.

Esta semana também contou com a publicação do Relatório Trimestral da Inflação (RTI) do Banco Central. Segundo o RTI a inflação do Brasil ficará acima de 10% em 2021 e superior ao centro da meta de 2022, que é de 3,5%. Segundo o Banco Central, as chances para o descumprimento da meta de inflação de 2022 são de 41%.

 

internacionais

Federal Reserve prevê três aumentos de juros em 2022; estímulos acabam em março

a primeira alta pode ocorrer logo após a conclusão do tapering. Foto: Immersion Imagery/Shutterstock.com

O Federal Reserve (Fed) anunciou na quinta-feira (16) que irá encerrar em março o programa de estímulos monetários à economia americana através da compra de títulos públicos criado logo no início da pandemia. Além disso, o banco central dos EUA também prevê três aumentos na taxa de juros em 2022 – taxa esta que foi mantida entre 0% e 0,25% na decisão desta semana. 

Anteriormente, estava prevista para junho o encerramento das compras de títulos. No entanto, a inflação crescente e acima da meta de 2% do Fed antecipou o fim do programa, responsável pela liquidez do mercado financeiro mesmo durante os períodos mais críticos da pandemia. A previsão é que a inflação fique em 5,3% em 2021, segundo o Fed. 

“A economia não precisa mais de quantidades crescentes de apoio da política monetária”, afirmou Jerome Powell, presidente do Fed, em entrevista após os anúncios da autarquia.

Segundo ele, a primeira alta de juros pode ser implementada logo após a conclusão do tapering – processo de retirada das compras de títulos. Ou seja, logo após o mês de março. Powell também disse que o Fed pode elevar a taxa básica de juros nos Estados Unidos antes mesmo da meta de pleno emprego ser alcançada. 

“Mesmo com a participação da força de trabalho abaixo da meta de pleno emprego, precisamos agir pois inflação está bem acima de 2% ao ano”, enfatizou Powell.

O anúncio do Fed saiu de acordo com o que esperava o mercado e levou as bolsas de Wall Street a fecharem em alta. Na quinta-feira (15) O S&P 500 ganhou 1,63%, aos 4.709,84 pontos, enquanto o Nasdaq Composite subiu 2,15%, para 15.565,6 pontos. O índice Dow Jones teve alta de 1,08%, para 35.927,43 pontos.

BCE inicia retirada de incentivos criados durante pandemia, mas mantém compra de títulos longos

Em decisão similar a do Federal Reserve nos EUA, porém menos agressiva, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou na quinta-feira (16) a redução de seu programa de compras de emergência contra a pandemia (PEPP). A redução levará o programa a ser encerrado em março de 2022.  

Por outro lado, o BCE também informou que vai aumentar as compras de títulos longos através de seu Programa de Compra de Ativos (APP, em inglês). Os aportes neste programa serão duplicados para 40 bilhões de euros no segundo trimestre, antes de caírem para 30 bilhões de euros no terceiro trimestre.

De acordo com o comunicado, as autoridades estão preocupadas com a possibilidade de que um recuo rápido demais dos incentivos possa prejudicar os esforços para conter a inflação, principalmente por causa dos riscos que a variante Ômicron pode trazer à economia do euro. 

“A disseminação de novas variantes do coronavírus está criando incerteza”, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, em coletiva de imprensa, citando impactos sobre empresas do setor de hospedagem e de outros segmentos se novas restrições à atividade forem necessárias.

No entanto, a decisão sobre a manutenção do APP não foi um consenso entre os integrantes do banco. Os presidentes dos BCs de Áustria, Bélgica e Alemanha discordaram da decisão, por exemplo.

A partir de outubro, as compras serão mantidas em 20 bilhões de euros, “enquanto for necessário” para reforçar o impacto acomodatício de suas taxas de juros, disse o banco.

A presidente do BCE, Christine Lagarde indicou que os integrantes do banco consideram “muito improvável” uma subida das taxas de juro no próximo ano, ao contrário do Fed dos Estados Unidos. As taxas de juros na zona do euro estão no nível mais baixo de todos os tempos, incluindo taxas de depósito negativas, o que significa que os credores pagam para manter seus ativos no BCE. 

Os economistas da instituição monetária também preveem um crescimento de 5,1% para 2021, e de 1,6%, em 2024, disse a presidente da autarquia.

Inflação ao produtor cresce nos EUA enquanto PMI industrial e de serviços caem

O índice de inflação ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos acelerou em novembro para a taxa anualizada de 9,6%, alcançando o maior registro desde 2010 e ficando acima do que projetava o mercado, que era de alta de 9,20%. Na comparação mensal, o PPI dos EUA subiu 0,8% no mês passado, contra a projeção de alta de 0,5% do mercado.  

Os dados são do relatório do Departamento de Trabalho dos EUA, divulgado na terça-feira (14), que também mostrou forte crescimento na inflação subjacente ao produtor. O resultado vem uma semana após os preços anuais ao consumidor subirem em novembro no ritmo mais forte desde 1982.

Também nesta semana foram divulgados os Índices de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) nos EUA. No caso do PMI da indústria, o índice registrou desaceleração, caindo de 58,3 pontos no mês passado para 57,8 pontos em dezembro, segundo dados da IHS Markit publicados na quinta-feira (16). A projeção do mercado era de alta do PMI industrial para 58,6 pontos.

o PMI de serviços registrou leve queda, de 58 pontos em novembro para 57,5 pontos em dezembro. No entanto, a projeção era de alta para 58,2 pontos. O PMI composto, que agrega dados dos segmentos industrial e de serviços, caiu de 57,2 para 56,9 pontos.

Vale lembrar que números acima de 50 sugerem expansão da atividade, enquanto valores menores apontam contração.

 

Ranking de Moedas

O real voltou a se desvalorizar nesta semana frente ao dólar, caindo da 5ª posição para a antepenúltima nesta sexta-feira (17), com baixa semanal de 1,20%, segundo mostra o “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar.

Desta forma, a divisa brasileira assume o posto entre os piores desempenhos das moedas globais. Atrás dele estão apenas outras duas moedas: o dólar canadense, na penúltima posição, com baixa de 1,22% e a lira turca, par emergente do real, que segue em último lugar, com forte baixa de 15,94% em comparação ao dólar.

Na parte de cima da tabela o peso mexicano, outro par emergente real, foi o único que registrou valorização, com leve alta de 0,74%. Na 2ª posição ficou a libra esterlina, do Reino Unido, com baixa de 0,01% e, em 3º lugar, ficou a coroa checa, com baixa de 0,02%.

O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registrou alta de 0,46% na semana. O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira: 

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.

 

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com alta de 1,24%, a R$ 5,682
  • EUR/BRL fechou a semana com alta de 0,75%, a R$ 6,396
  • MXN/BRL encerra a semana com alta de 1,99%, a R$ 0,273
  • CNH/BRL com alta de 1,07%, a R$ 0,889

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (17), às 16h30

 

fundamentalista

Insiders

Os acionistas da Americanas aprovaram em Assembleia Geral Extraordinária uma nova estrutura societária na sexta-feira (10) passada. Diante dessa aprovação, se inicia o processo de unificação acionária. Pela última vez, no dia 21 de janeiro, as ações “LAME3” e LAME4” da Lojas Americanas serão negociadas na Bolsa. Após isso, em 26 de janeiro, elas serão convertidas em 0,188964 ação “AMER3” cada.

O Fleury (FLRY3) informou na segunda-feira (13) que iniciou as tratativas com a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein (Einstein), para a criação de um novo produto em sociedade, Gênesis. De acordo com o documento, o serviço busca atender diretamente ao consumidor interessado em realizar a gestão preventiva de sua saúde a partir de testes genômicos.

A Hapvida (HAPV3) recebeu a aprovação da Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para a fusão com a NotreDame Intermédica (GNDI3), sem restrições.

O Cade aprovou, com restrições, a compra da locadora de veículos Unidas (LCAM3) pela Localiza (RENT3). As empresas assinaram um acordo e terão de vender ativos, inclusive uma das marcas, para reduzir a concentração de mercado.

Follow On e Aquisições

Arezzo – A Arezzo (ARZZ3) aprovou um novo programa de recompra de ações, que tem como objetivo a compra de 5.008.278 papéis pertencentes à própria empresa. As negociações podem ser realizadas em até 18 meses, encerrando em 13 de junho de 2023.

BRF – A BRF (BRFS3) anunciou que propôs a seus acionistas na quinta-feira (16) um aumento de capital por meio da emissão de 325 milhões de novas ações ordinárias, potencialmente levantando R$ 6,63 bilhões.

Eneva – A Eneva (ENEV3) aprovou a criação de um novo programa de recompra de até 6 milhões de ações, de acordo com o documento enviado ao mercado. A empresa conta com 1.262.757.340 papéis em circulação e tem até 18 meses para realizar a recompra.

JBS – A JBS (JBSS3) adquiriu 100% do Grupo King´s, por meio de sua subsidiária Rigamonti, agora avança em marcas premium de charcutaria italiana, com um investimento de US$ 92,5 milhões.

Log-in – A Log-in (LOGN3) anunciou nesta segunda-feira (13/12) a compra da Tecmar, empresa de transporte rodoviário de cargas, por R$ 102,7 milhões.

Méliuz – A Méliuz (CASH3) anunciou, por meio de comunicado ao mercado, a aquisição da empresa Muambator por R$ 3 milhões, onde 15% serão pagos em dinheiro à vista e 85% em ações com período de lock up de até 5 anos.

Petrobras – A Petrobras (PETR4; PETR3) informou na quinta-feira (16) que seu Conselho de Administração aprovou o modelo de venda de até 100% das ações preferenciais que detém na Braskem (BRKM5), em processo a ser conduzido por meio de follow-on em conjunto com a Novonor e a NSP Investimentos.

Positivo – A Positivo (POSI3) aprovou a criação de um novo programa de recompra de ações de sua própria emissão. A companhia irá recomprar até 4 mil ações ordinárias, que representam 5,26% do total de ações emitidas pela Companhia que estão em circulação. As aquisições poderão ser feitas no prazo de até 18 meses.

Neogrid – A Neogrid (NGRD3) anunciou na terça-feira (14) a compra de 51,1% do capital da Predify por R$ 4,3 milhões. É a quinta aquisição da empresa após seu IPO.

Ser Educacional – A Ser Educacional (SEER3) adquiriu 100% do capital social do Plantão Veterinário Hospital e do Pet Shop Kero Kolo, por meio de sua subsidiária Clínica Escola de Saúde Uninassau. A transação custará R$ 10 milhões no total para a empresa.

Simpar – A rede de concessionárias Original Holding, controlada da Simpar (SIMH3), adquiriu 100% das quotas de emissão da Sagamar Serviços, que concentra as operações do Grupo Saga Saga no estado do Maranhão.

IPOs

A Self It Academias protocolou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o prospecto preliminar para a realização de uma oferta pública inicial de ações. Os recursos captados  serão destinados para o plano de expansão orgânico (70%) e para oportunidades de aquisições estratégicas (30%).

A atacadista Tambasa protocolou na CVM o prospecto preliminar para a realização de uma oferta pública inicial na terça-feira (14). Os recursos captados na oferta primária serão para  pagamento de dividendos extraordinários aos acionistas atuais (65%), expansão da capacidade instalada no atacado (26%) e em base de lojas/investimento em plataforma digital e de serviços financeiros (9%).

Maiores altas e baixas da semana

 

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.