MicrosoftTeams image 6
MicrosoftTeams image 6

Replay de Mercado 

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana, de 16 a 20 de agosto

Nesta semana novos depoimentos na CPI da Pandemia, um balanço sobre o lucro das empresas da B3 após os resultados de 2º trimestre e polêmicas em torno de dois importantes projetos para o Executivo, reforma do Imposto de Renda e PEC dos Precatórios. Lá fora, a divulgação da ata do Fed foi o principal destaque, mas também foram publicados dados sobre indústria e varejo na China, além dos conflitos no Afeganistão, agora controlado pelo Talibã. No cenário corporativo, muitas empresas foram às compras e as Lojas Renner foi vítima de um ciberataque. 

Confira os fatos que marcaram o cenário econômico e o mercado financeiro na semana de 16/08 a 20/08.

Notícias nacionais

Notícias internacionais 

Moedas pelo mundo

Mercado Fundamentalista

 

Nacionais

Reforma do Imposto de Renda é adiada e ainda não tem data para voltar ao plenário

  • Pela terceira vez a Câmara dos Deputados decidiu adiar a votação da Reforma do Imposto de Renda, por 390 votos a 99. Os parlamentares aprovaram um requerimento do PSOL em meio a divergências e pouca chance de aprovação. O motivo central do novo adiamento segue sendo a tributação de lucros dividendos, que segundo deputados causará impacto disso na arrecadação dos municípios. No projeto do Governo e do relator, Celso Sabino (PSDB-PA), os lucros e dividendos devem ter alíquota de 20% a partir do próximo ano, imposto que atualmente não existe. Empresários e parlamentares defendem que o aumento seja gradual.

 

  • Segundo informou o portal UOL, a Frente Parlamentar Brasil Competitivo defende uma transição na cobrança, de 10% em 2022 e 20% em 2023. A mudança, no entanto, pode afetar o repasse aos municípios, conforme disse o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Secretários estaduais de Fazenda que participam da frente calculam perdas de R$ 11,7 bilhões por ano aos cofres estaduais e municipais caso ocorra o aumento gradativo. A Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) fala em perda de R$ 1,5 bilhão somente para as capitais e grandes cidades do país.

 

  • Em meio a falta de consenso sobre o tema, o projeto foi adiado e ainda não se definiu um dia para o texto voltar ao plenário. O líder do governo, Ricardo Barros, disse que a reforma deve ser votada na próxima semana, mas ainda não há certeza sobre o dia.

 

  • Outro assunto político que segue nos holofotes é o parcelamento dos precatórios, que são as dívidas públicas sem possibilidade de recursos judiciais. O executivo vê o projeto como essencial para o equilíbrio das contas públicas. 

 

  • A PEC dos Precatórios aguarda votação no Congresso, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, já disse que se ela não for aprovada não haverá como pagar os salários dos servidores. Outro alerta de Guedes nesta semana foi de que a pasta “terá que tirar de todo o resto” se a PEC não sair. O secretário da pasta, Ariosto Culau, foi além e afirmou que a não-aprovação da PEC pode comprometer a aplicação da 3ª dose, recentemente aprovada pela pasta da Saúde, das vacinas contra a Covid-19. 

CPI da Pandemia escuta empresários da Precisa Medicamentos

  • Nesta semana tivemos mais uma bateria de depoimentos na Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) da pandemia. A Comissão ouviu o ex-relator do TCU, Francisco de Araújo Filho, e integrantes da Precisa Medicamentos. Confira os principais pontos.

 

  • Quinta-feira: O dono da Precisa Medicamentos, empresa envolvida no caso Covaxin, Francisco Maximiano, prestou depoimento na última sessão da CPI desta semana, mas ficou boa parte do tempo sem responder as perguntas da Comissão. Com isso, fez valer o habeas corpus concedido a ele pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O empresário também se recusou a firmar o compromisso de falar a verdade e abriu mão dos 15 minutos iniciais de fala.

 

  • Entre as poucas vezes que respondeu aos questionamentos dos senadores, Maximiano responsabilizou a Envixia, uma empresa localizada nos Emirados Árabes, por falsificar documentos entregues ao Ministério da Saúde no contrato da vacina indiana Covaxin. “Fui à Índia apresentar as evidências e as provas de que recebemos os documentos da Envixia, um parceiro deles, eleito no processo por eles”, afirmou. O senador Humberto Costa (PT-PE) reforçou a pergunta: “Vossa senhoria está dizendo que quem promoveu as fraudes foi a Envixia?”. “Sim, senhor”, respondeu Maximiano.

 

  • Maximiano também disse que conhece o deputado e líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) e negou ter feito qualquer pedido para Barros no sentido de favorecer a Precisa na compra de vacinas pelo Governo Federal. Quando perguntado se Barros já havia atendido alguma demanda apresentada por Maximiano, o depoente se negou a responder.

 

  • A CPI também aprovou a quebra de sigilo fiscal do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) e de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro, além de diversos blogueiros bolsonaristas, investigados por supostas disseminações de notícias falsas.

 

  • Quarta-feira: O advogado da Precisa Medicamentos, Túlio Silveira, assim como Maximiano, passou a maior parte da sessão sem responder os questionamentos da Comissão, apoiado em habeas corpus concedido pelo STF. O silêncio do advogado, que também se negou a fazer o juramento da verdade no início da sessão, irritou os senadores e o depoente passou da condição de testemunha para de investigado, e deve voltar a depor na CPI.

 

  • Entre as poucas respostas que deu, Silveira afirmou à CPI ter sido um simples advogado contratado pela Precisa Medicamentos para assessoria jurídica na negociação da vacina indiana Covaxin, do laboratório Bharat Biotech, junto ao Ministério da Saúde. O advogado também confirmou que abriu o seu escritório de advocacia dois dias antes da assinatura do contrato da vacina indiana Covaxin, o que levantou suspeitas dos senadores.

 

  • A senadora Simone Tebet (MDB-MS), uma das requerentes da convocação do advogado, fez uma detalhada exposição da possível participação de Silveira em irregularidades na negociação da Covaxin, e demonstrou imprecisões e contradições do contrato e das invoices (faturas).

 

  • Na mesma sessão, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), colocou o líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), na condição de investigado. Barros depôs na semana passada e deve voltar à Comissão.

 

  • Terça-feira: O primeiro depoimento da semana foi o do ex-auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), Francisco de Araújo Filho, responsável por redigir um documento preliminar que questiona as notificações de morte por Coronavírus, indicando superestimação dos dados. O documento chegou às mãos do presidente do Jair Bolsonaro (sem partido), que falou em junho sobre seu conteúdo para apoiadores, citando os dados como “um relatório do TCU”. O ex-auditor, que foi exonerado após o caso ganhar repercussão, disse à CPI que o documento teria sido usado indevidamente pelo presidente.
  • Marques falou que o documento foi compartilhado por ele em um arquivo de formato Word, dentro da área de postagens da equipe do TCU no Microsoft Teams e, por escrito, ele pediu que os colegas ficassem à vontade para comentar, criticar ou mesmo ignorar o que ele havia escrito. Segundo relatou, ele também enviou o texto por WhatsApp ao seu pai, o coronel da reserva Ricardo Silva Marques, que é amigo do presidente e ex-colega do exército. O pai teria repassado o arquivo para Bolsonaro.
  • Marques também disse que o conteúdo do documento foi alterado, mas que desconhece quem poderia ter feito as alterações. “Não era uma instrução processual, não era nada do Tribunal de Contas da União. Achei irresponsável vincular o nome do TCU a duas páginas não conclusivas”, acrescentou. Entre as alterações, foi inserido um cabeçalho com o nome do Tribunal de Contas.

 

Lucro de empresas listadas na B3 dispara 1.615% no 2º trimestre

  • Com o fim da bateria de balanços do 2º trimestre, o saldo final para as empresas listadas na B3 foi extremamente positivo. As companhias não financeiras da Bolsa de Valores tiveram crescimento de 1.026% no lucro em comparação com o mesmo período 2020, lucrando R$ 74 bilhões. Esta conta exclui as blue chips Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3; PETR4).
  • Se inserir as duas maiores empresas em valor de mercado da Bolsa, o salto é de 1.615%, chegando a R$ 157 bilhões, ante R$ 9 bilhões do ano passado. Segundo levantamento feito pela Economatica, obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast, o avanço é apoiado no aumento da vacinação e abertura gradual das economias nacional e internacionais. Outro fator é o efeito positivo do preço das commodities e do dólar alto, que alavancaram os resultados de Vale e Petrobras.
  • Já os bancos registram altas mais tímidas frente ao 2º trimestre de 2020, mas mostraram recuperação aos impactos da pandemia no Brasil. As 21 empresas do setor financeiro somaram ganhos de R$ 26 bilhões, alta de 89% em relação a igual período do ano passado, segundo levantamento.

  • Apenas o setor de educação, dos 24 analisados, registrou prejuízo, ainda que menor do que em 2020. O setor de educação é formado por quatro empresas.

 

Lojas Renner sofre ciberataque e site sai do ar; companhia é mais uma vítima da onda crimes cibernéticos

  • Mais um ataque ransomware aconteceu no Brasil, e desta vez o alvo foi a empresa Lojas Renner (LREN3). O ransomware é um tipo de cibercrime digital que “sequestra” os dados de computadores e redes conectadas . Na última quinta-feira (19), a rede de lojas comunicou que o ciberataque derrubou o seu site de vendas, além do aplicativo, a plataforma Realize, seu braço financeiro, e outras marcas sob seu guarda-chuva, como Camicado e Ashua. Páginas do site de relações com investidores também estavam inacessíveis.

 

  • O hacker teria pedido US$ 1 bilhão para que as operações voltassem ao ar, segundo informações preliminares. Na sexta-feira (20) pela manhã o site da empresa seguia fora do ar. A empresa informou em nota que a maior parte das operações já restabelecidas e tendo sido verificado que os principais bancos de dados permanecem preservados.

 

  • No entanto, o ataque a Lojas Renner não é um caso isolado. Em todo mundo, diversas empresas e instituições públicas têm sofrido com cibercrimes, especialmente os ransomwares.  

 

  • Só neste mês no Brasil, houve outro ataque do gênero na construtora Cyrela (CYRE3) e na rede interna da Secretaria do Tesouro Nacional. Neste ano o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul também foi vítima de um ataque do tipo ransomware.

 

Notícias internacionais

Ata do Fed aponta para a redução programa de estímulos ainda este ano

  • Ao que indica, o Federal Reserve (Fed) deve dar início à redução das compras mensais de títulos públicos e hipotecários ainda este ano, segundo a reunião de julho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), divulgada nesta semana (18) na ata do Fed. Embora o mercado já aguardasse o movimento, que pode ser concretizado já próxima reunião do grupo em setembro, as bolsas reagiram com mau humor na sessão quando os dados foram divulgados.

 

  • O motivo para redução dos incentivos mais próxima é a recuperação da economia dos EUA, em especial a recuperação dos empregos. Segundo a ata, o referencial de emprego do banco “pode ser alcançado este ano”, mas que o indicador ainda não havia sido atendido em julho.

 

  • “Olhando para o futuro, a maioria dos participantes observou que, desde que a economia evolua amplamente como eles anteciparam, será apropriado começar a reduzir o ritmo de compras de ativos neste ano”, diz a ata. O documento indica que a economia havia alcançado sua meta para a inflação e que os membros estavam “pertos de ficar satisfeitos” com a evolução do crescimento do emprego. Porém, o documento ressalta que a redução não será precursor para um aumento iminente das taxas de juros, atualmente próximas do zero.

 

  • A busca pela inflação ao patamar de 2% também foi destaque. Segundo documento, algumas autoridades têm pressionado por um fim rápido dos programas de emergência, argumentando que eles já não têm mais utilidade e empurram a inflação para um patamar acima da meta de 2%. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, está entre os que argumentam que as compras de títulos deveriam acabar logo para que o banco central deve elevar sua taxa de juros ante o atual, se necessário. Bullard disse que há risco de a inflação americana ultrapassar os 2,5% ao longo de 2022, caso não haja redução de incentivos.

 

  • O presidente do Fed, Jerome Powell, deve dar declarações sobre o tema na próxima semana, na conferência anual do Fed em Jackson Hole, Wyoming.

Produção industrial e vendas do varejo registram forte queda na China

  • Dados sobre a produção industrial e as vendas no varejo na China mostram forte desaceleração,  ficando abaixo das expectativas em julho, segundo divulgou a Agência Nacional de Estatísticas na segunda-feira (16). A produção industrial do gigante asiático cresceu 6,4% em julho sobre o mesmo período do ano anterior, mas analistas esperavam aumento de 7,8% depois de a produção ter crescido 8,3% no mês anterior Já as vendas no varejo aumentaram 8,5% em julho sobre o ano anterior, bem abaixo da expectativa de alta de 11,5% e do ganho de 12,1% de junho.

 

  • Entre os motivos para a queda estão as novas restrições contra a Covid-19 e a escassez de insumos de produção. A queda dos preços das commodities, em especial o petróleo e o minério de ferro, também influenciaram na queda.

 

  • Mesmo assim, a China se recuperou para seus níveis de crescimento pré-pandemia, mas a expansão está perdendo força conforme as empresas enfrentam custos mais altos e gargalos de oferta.

 

  • Os dados fracos da segunda maior economia do mundo ajudaram a derrubar as bolsas internacionais no começo da semana.

Talibã toma poder no Afeganistão após retirada das tropas americanas de Cabul; entenda o conflito

  • Após 20 anos, o Talibã é de novo o principal poder no Afeganistão. Com a saída das últimas tropas americanas que ocupavam o país desde o atentado de 11 de setembro, o grupo islâmico tomou em poucos dias as províncias do país até chegar na capital Cabul no último domingo (15). No mesmo dia que o grupo ocupou a cidade, o então presidente, Ashraf Ghani, fugiu do Afeganistão, consolidando a transferência de poder.

 

  • As más lembranças de quando o Talibã ocupava a região fez com que  milhares de afegãos, em especial mulheres e jovens, tentassem escapar do país na segunda-feira (16). As imagens do tumulto no aeroporto de Cabul ganharam repercussão global.

 

  • Na terça-feira (17), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, falou sobre a retirada das tropas. Biden disse não se arrepender da decição e que a missão dos EUA sempre foi impedir a rede terrorista Al-Qaeda de usar o território como base para planejar atentados, mas que Washington nunca mostrou a pretensão de criar uma democracia unificada e centralizada para os afegãos. 

 

  • Biden também disse que a relação entre os dois países dependerá “das ações do Talibã”. “Um futuro governo afegão que defenda os direitos básicos do seu povo, que não receba terroristas e que proteja os direitos básicos da metade da sua população”. O discurso não serviu para melhorar a imagem de Biden, que enfrenta a pior crise de seu governo e, desde a saída do Afeganistão, já caiu 7 pontos de popularidade, segundo pesquisa da Reuters/Ipsos.

 

  • Ainda não há consenso entre os países sobre o reconhecimento do Talibã como governo. A China foi uma das potenciais globais a reconhecer o novo governo islâmico, além dos vizinhos Paquistão, Arábia Saudita e Emirados Árabes.  Já a Rússia segue mantendo as atividades de sua embaixada no país e anunciou o estabelecimento de contatos com representantes das “novas autoridades afegãs”, apesar de considerar o Talibã uma organização terrorista desde 2003.

 

  • O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, fez um apelo no último domingo (15) para que nenhum país, em especial o bloco europeu, reconheça o Talibã como governo do Afeganistão.

 

  • Diferente de sua “gestão” passada, que promovia execuções e amputações públicas, proibia homens de se barbear e mulheres de estudar, trabalhar e andar sem a presença do marido, além de obrigar o uso da burca, o Talibã tentou se mostrar mais moderado no início da semana. “As mulheres serão muito ativas na sociedade, mas dentro da estrutura do Islã”, afirmaram os representantes do Talibã, sem detalhar como isso vai acontecer, em entrevista coletiva após a posse.  No entanto, na quinta-feira (19), o grupo declarou que o Afeganistão passou a ser o “Emirado Islâmico do Afeganistão”, mesmo nome adotado no país quando o grupo assumiu o poder pela primeira vez, em 1996. Além disso, nesta semana o grupo reprimiu protestos com mortes.

 

Moedas pelo mundo

Ranking de Moedas

  • A real se desvalorizou e caiu posições em comparação ao dólar, ocupando o 19ª lugar na variação semanal do “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar. 
  • No fechamento da semana, o real teve queda de 2,82% frente à moeda norte-americana, que chegou a fechar em R$ 5,42 na quinta-feira (19). Já o peso mexicano, par emergente do real, que estava na 11º lugar do ranking, caiu para 18ª posição, com variação negativa de 2,62% frente o dólar. Já a lira turca, outro par emergente da moeda brasileira, ocupa a primeira posição do ranking, com alta de 0,33% na semana. Logo atrás da lira turca, na segunda e terceira posição ficaram o rial saudita, com leve alta de 0,01% e o dólar de Hong Kong, com baixa de 0,09%, resultado que o mostra o dólar bem mais forte que as moedas em geral. 
  • Acompanhando o real nas posições de baixo, o dólar australiano foi o que apresentou pior desempenho, com queda 3,15% na semana frente ao dólar. Em seguida veio o dólar neozelandês, com baixa de 2,97%.
  • O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registra alta de 1,02% na semana. O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

 

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro
Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro

 

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX
Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com alta de 2,77%, a R$5,394.
  • EUR/BRL fechou a semana com alta de 1,95% a R$ 6,310.
  • MXN/BRL encerra a semana com alta de 0,09%, a R$0,264.
  • CNH/BRL encerra com alta de 2,49%, a R$ 0,830.

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (13), às 15h40.

 

Mercado Fundamentalista

Insiders

A Petrobras (PETR4; PETR3) publicou nesta semana seu novo Plano Estratégico para o período 2022-2026, com destaque para ações de descarbonização. O presidente da empresa, general Joaquim Silva e Luna, disse na terça-feira (17), que a eficiência operacional em gases de efeito estufa é uma das quatro métricas de topo da companhia, que influenciam a remuneração de todos os executivos e empregados.

A BR Distribuidora (BRDT3) anunciou na quinta-feira (19) que passará a adotar uma nova marca e identidade corporativa e mudará de nome para Vibra Energia, conforme comunicado enviado pela empresa. No mercado automotivo, porém, a Vibra é licenciada da marca Petrobras (PETR4), e continuará com a atual identidade visual e símbolo “BR”, formando uma rede com cerca de 8,3 mil postos de combustíveis.

A varejista Magazine Luiza (MGLU3) lançou na terça-feira (17) um pacote de ferramentas financeiras próprias, que consistem em três modelos de maquininhas de pagamento, chamadas “Magalupay”, sendo cada modelo voltado para diferentes tipos de uso. Outras duas novidades da empresa, anunciada na Expo Magalu, são a conta digital empresarial gratuita e o sistema de crédito para alavancar os negócios dos parceiros. 

A Cielo (CIEL3) negou que haja tratativas para o fechamento de capital da empresa de meio de pagamentos. O anúncio veio após uma reportagem do Valor Econômico, que indicava através de fontes próximas à empresa, que o fechamento podia ocorrer em breve.

As companhias aéreas Azul (AZUL4) e Emirates anunciaram acordo de compartilhamento de voos, com as vendas do codeshare entre as empresas aéreas a valer desde a última quarta-feira (18) para clientes que quiserem voar a partir do dia 25 de agosto. Neste primeiro momento oito rotas estarão disponíveis através do codeshare: Guarulhos (SP) com Cuiabá (MT), Santos Dumont (RJ), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Juazeiro do Norte (CE) e Belém (PA).

Executivos do alto escalação da Via (VIIA3) fecharam um acordo de R$ 546 mil com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em processo relacionado à divulgação, de maneira inadequada, de informação relevante sobre os negócios da companhia, anteriormente conhecida como Via Varejo (VVAR3). O processo teve origem após entrevistas concedidas pelos executivos no ano passado, comentando informações em tese relevantes e não divulgadas ao mercado.

 

Follow-ON e aquisições

BR Distribuidora – A BR Distribuidora (BRDT3)  assinou na quarta-feira (18) contrato para a venda de toda sua participação acionária de 49% na Brasil Carbonos para a Unimetal Indústria, Comércio e Empreendimentos. O acordo foi fechado por R$ 18,88 milhões e dá à Unimetal a integralidade da participação acionária na sociedade.

CVC Brasil – A CVC Brasil (CVCB3) comunicou na segunda-feira (16) a aquisição das ações remanescentes da Camden Enterprise LLC., controladora direta da VHC e agora passa a ter 100% da empresa. A VHC atua no mercado de aluguel a curto prazo e na administração profissional de propriedades para temporada. 

Desktop – Menos de um mês após IPO, a Desktop (DESK3) deu início à sua segunda aquisição com o anúncio da assinatura do contrato para a aquisição da totalidade do capital social da Net Barretos, na segunda-feira (16).A conclusão da aquisição da Net Barretos está sujeita à implementação de determinadas condições usuais em operações desta natureza.

JHSF – O Conselho de Administração da JHSF (JHSF3) aprovou o cancelamento do saldo das ações mantidas em tesouraria e um novo programa de recompra de ações de sua própria emissão. Foi cancelado o montante total de 2,800 milhões de ações ordinárias de emissão da Companhia, sem redução do valor do capital social. Em função do cancelamento, o capital social da companhia passa a ser dividido em 686,224 milhões de ações ordinárias.

Locaweb – A Locaweb (LWSA3) informou na terça-feira (17) que vai recomprar cerca de 3 milhões de ações ordinárias. O programa tem duração de 18 meses e término previsto para fevereiro de 2023.

Rede D’Or – A Rede D’Or (RDOR3) anunciou em fato relevante que seu conselho de administração aprovou no domingo (15) uma Oferta Pública de Ações (OPA) para comprar a totalidade da empresa de diagnósticos médicos Alliar por até R$ 1,36 bilhão. Paralelamente à divulgação do fato relevante, a Rede D’Or enviou uma carta à administração da Alliar manifestando intenção de realizar a oferta.

Viveo – A Viveo (VVEO3) comprou a Profarma Specialty e a Cirúrgica Mafra por R$ 900 milhões em valor combinado. Estas foram as primeiras aquisições da empresa desde seu IPO.

 

IPOs

A Lupo, tradicional fabricante de roupas íntimas, pijamas e meias, anunciou na quarta-feira (18) que a empresa registrou o pedido na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para oferta inicial de ações. A Lupo pretende arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão com o movimento. No entanto, a empresa ainda não decidiu a quantidade de ativos que serão negociados em sua estreia. 

A Comerc Energia realizou na segunda-feira (16) o registro para uma oferta inicial de ações (IPO). A companhia diz no prospecto preliminar da oferta que pretende usar os recursos da venda de ações na expansão da geração de energia, novas plantas de geração distribuída e projetos de eficiência energética. 

A Unigel, fabricante de fertilizantes e produtos químicos, protocolou na segunda-feira (16) o prospecto preliminar para oferta pública inicial de ações. O IPO consiste em ofertas primárias e secundárias. A Unigel pretende utilizar os recursos da oferta primária para expansão dos seus negócios e aprimoramento da estrutura de capital.

 

Maiores altas da semana

Sabesp (SBSP3) 8,84% / R$ 36,56

Qualicorp (QUAL3) 8,70% / R$ 20,61

Grupo CRR (CCR03) 8,51% / R$ 12,88

Cemig (CMIG4) 7,78% / R$ 12,47

CPFL Energia (CPFE3) 6,17% / R$ 28,05

Maiores baixas da semana

Usiminas (USIM5) -18,35% / R$ 17,27

CSN (CSNA3) -13,03% / 37,06

Gerdau (GGBR4) -9,96% / R$ 27,70

Vale (VALE3) -9,45% / R$ 98,07

Cielo (CIEL3) -9,18% / R$ 2,87

*Maiores altas e baixas da semana foram extraídas do Profit Pro na sexta-feira (20), às 16h05.

 

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.