capareplaydemercado 24.09
capareplaydemercado 24.09

Replay de Mercado – 24/09

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana, de 20 a 24 de setembro.

Confira os fatos que marcaram o cenário econômico e o mercado financeiro, de 20/09 a 24/09.  

Nesta semana, a manutenção das taxas de juros dos EUA, entre 0% e 0,25%, divulgada pelo Fed, e alta da taxa Selic, que passou de 5,25% para 6,25%, informou o Copom, foram os principais destaques.  Outro importante acontecimento que chacoalhou os mercados foi o caso da empresa chinesa Evergrande, que possui a maior dívida do mundo. 

Houve também os discursos do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Joe Biden, na Assembleia Geral da ONU e diversos movimentos de empresas listadas na B3.

Tudo isso e mais você confere nesta edição do Replay do Mercado.

 

Notícias nacionais

Notícias internacionais 

Moedas pelo mundo

Mercado Fundamentalista

 

nacionais

 

Copom eleva taxa Selic de 5,25% para 6,25% e prevê novo aumento de mesma magnitude

 

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) elevou na quarta-feira (22) a taxa básica de juros no país, de 5,25% para 6,25% e anteviu outro aumento da mesma magnitude de 1% no próximo encontro do Comitê, marcado para fim de outubro. O resultado colocou a Selic no maior patamar desde julho de 2019. A decisão foi tomada de maneira unânime.

O comunicado do Copom adotou um tom mais pessimista em comparação ao último. Segundo o colegiado, é necessário continuar avançando com o aperto monetário no “território contracionista”, usando a Selic para esfriar a economia e controlar a inflação. Contudo, pode reduzir as projeções de crescimento no país.

“No atual estágio do ciclo de elevação de juros, esse ritmo de ajuste é o mais adequado para garantir a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e, simultaneamente, permitir que o comitê obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques”, informa o Copom. 

Segundo o Comitê, a inflação dos bens industriais deve se manter no curto prazo, assim como as pressões sobre os preços de alimentos, combustíveis e energia elétrica também devem persistir.  Para a definição da Selic, o colegiado tem se baseado nas metas de inflação para 2022, que é de 3,5%, e, em menor, para 2023, cuja meta é 3,25%.

O novo aumento da Selic, publicado após o fim do pregão de quarta, não chegou a abalar o Ibovespa, que abriu no pregão seguinte (23) em alta.

 

PEC dos Precatórios ganha comissão especial na Câmara e novas alterações no texto 

 

Novos capítulos sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios foram escritos nesta semana, com a Câmara dos Deputados instalando a comissão especial que irá analisar o texto na quinta-feira (23). Na presidência foi eleito o deputado Diego Andrade (PSD-MG), que indicou Hugo Motta (Republicanos-PB) para a relatoria.

O relator, Hugo Motta, destacou a urgência do assunto e disse que pretende concluir o trabalho o mais rapidamente possível, tendo como focos a vida de famílias em situação de vulnerabilidade social e a credibilidade do Brasil. O prazo para apresentação de emendas à PEC é de dez sessões do Plenário.

Como já havia sido noticiado, a PEC dos Precatórios autoriza a União a parcelar dívidas decorrentes de decisões judiciais transitadas em julgado com valores acima de 60 mil salários mínimos (R$ 66 milhões em valores atuais). Neste caso, a dívida poderá ser quitada com entrada de 15% e mais nove parcelas anuais.

Na terça-feira (21), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) propuseram à PEC um limite de R$ 40 bilhões para o pagamento dos precatórios em 2022, como alternativa ao parcelamento do montante de aproximadamente R$ 89 bilhões em dívidas.

A partir da proposta, dos R$ 49 bilhões restantes, a previsão é de que, caso promulgada pelo Congresso, pelo menos metade do valor possa ser quitado por mecanismos extrateto.  As dívidas extrateto poderão ser pagas de forma mais rápida mediante acerto entre as partes, indica a minuta da proposta enviada à Câmara. A mudança prevê modalidades de negociação como a quitação de débitos inscritos em dívida ativa, compra de imóveis públicos, aquisição de participação societária em empresas públicas e até barris de petróleo do pré-sal. Dos R$ 49 bilhões, R$ 19 bilhões são relativos a estados e municípios e os outros R$ 30 bilhões referem-se a dívidas com a iniciativa privada.

Caso a medida entre em vigor, sobrariam R$ 24 bilhões para serem quitados em 2023, o que permitiria a reformulação do Bolsa Família, com o nome de Auxilio Brasil, a partir de novembro deste ano. 

 

Bolsonaro defende tratamento precoce contra Covid-19 e condena “passaporte da vacina” em discurso na ONU 

 

O presidente Jair Bolsonaro abriu os discursos entre lideranças globais na  Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na terça-feira (24). A fala do presidente durou cerca de 12 minutos, onde Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra a Covid-19, o que não tem respaldo científico; também disse que o Brasil é exemplo na preservação de sua biodiversidade e convidou demais líderes a visitar a Amazônia. Bolsonaro também disse que os protestos do dia 7 de setembro, a favor de seu governo, foram os maiores na história do país e condenou o “passaporte da  vacina”. 

 

IPCA-15 tem maior alta em 27 anos para setembro e vai acima de 10% em 12 meses

 

O IPCA-15 chegou aos dois dígitos no acumulado em 12 meses pela primeira vez desde o início de 2016 depois de a prévia da inflação oficial brasileira ter registrado em setembro alta acima do esperado, e no nível mais elevado para o mês em 27 anos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 1,14% em setembro, depois de alta de 0,89% em agosto, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na sexta-feira (24).

 

internacionais

Fed mantém taxas de juros inalterada nos EUA, mas indica que tapering deve começar logo

 

O Federal Reserve (Fed) manteve inalterada suas taxas de juros referenciais e o programa de compra de títulos, como já era esperado pelo mercado em geral. No entanto, o BC dos EUA sinalizou que a redução das compras de títulos deve começar em breve. Ao que tudo indica, a partir de novembro.

Dessa forma, a meta de juros overnight foi mantida na faixa entre 0% e 0,25% e a taxa de desconto ficou em 0,25%, enquanto o programa de compras de títulos seguiu em US$ 80 bilhões de Treasuries e US$ 40 bilhões em títulos hipotecários por mês. A decisão de manter as taxas de referências foi unânime.

À imprensa, o presidente do Fed, Jerome Powell também destacou que há um consenso para começar o tapering no futuro próximo e que pode já iniciar em novembro se a economia evoluir como o esperado. Sobre os objetivos, destacou que os membros avaliam que a inflação já atingiu o que era esperado e alguns membros já veem o mercado de trabalho próximo do objetivo. Powell também acrescentou que o encerramento do programa pode acontecer até meados do próximo ano.

Sobre um possível aumento na taxa de juros, que se manteve próxima de zero durante a pandemia de Covid-19, um número cada vez maior de membros do  Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês)  prevê aumento da taxa de juros no próximo ano. Nove das 18 autoridades do banco central dos Estados Unidos esperam que os custos dos empréstimos precisarão aumentar em 2022.

Referente ao PIB norte-americano, o Fomc reduziu sua projeção para 2021, de 7,0% na mediana das projeções divulgadas em junho para 5,9% neste mês. Por sua vez, a expectativa para o crescimento do país em 2022 subiu, passando de 3,3% para 3,8%.

 

Entenda o caso Evergrande e suas repercussões nos mercados acionários durante a semana

 

O caso  Evergrande, maior grupo de construção civil da China, chacoalhou os mercados internacionais e nacional na segunda-feira (20), com a possibilidade de calote de uma dívida de US$ 300 bilhões por parte da empresa.

No primeiro pregão da semana, em Hong Kong, onde as ações da Evergrande são listadas, o índice Hang Seng caiu 3,3%, enquanto os papéis da companhia caíram mais de 10%. Nos Estados Unidos, o S&P 500 caiu 1,66% , a maior queda desde maio. Já o Ibovespa, índice de referência da B3, fechou em queda de 2,33%, a 108 mil pontos, menor patamar desde novembro.

As fortes desvalorizações começaram depois que a Bloomberg noticiou que a Evergrande, com um passivo de US$ 300 bilhões de dólares, o maior do mundo, corria o risco de não pagar os juros de empréstimos bancários que venceriam na quinta-feira (23). Com 1.300 empreendimentos em mais de 280 cidades da China, o principal temor do mercado foi de que a empresa deixasse de finalizar construções em andamento, além de não quitar os empréstimos com os bancos, o que poderia causar um efeito cascata em todo o setor.

O mercado também esperava na segunda-feira algum tipo de intervenção do governo chinês sobre o caso, que só foi acontecer nos dias seguintes. Entre terça-feira (21) e quinta-feira (23), no entanto, a maioria dos mercados internacionais, e o Ibovespa, começaram ensaiar uma recuperação.

Às vésperas do fim do prazo da dívida, o presidente do grupo chinês, Hui Ka Yan, divulgou comunicado afirmando que a prioridade será ajudar os investidores a resgatar suas aplicações. O apoio à dívida da Evergrande veio na quinta-feira (23), quando o banco central chinês injetou US$ 17 bilhões no sistema financeiro do país, a maior injeção de curto prazo em oito meses, com o objetivo de acalmar as preocupações com a gigante imobiliária.

Reguladores chineses também pediram neste dia, data do pagamento de juros da dívida “offshore”, que o grupo imobiliário evitasse um calote de curto prazo em seus títulos denominados em dólar, informou a Bloomberg Law.

Embora o socorro tenha vindo, o Wall Street Journal noticiou que as autoridades chinesas estavam pedindo aos governos locais que se preparassem para uma possível quebra da Evergrande, citando autoridades familiarizadas com as discussões. Segundo o texto, os governos locais foram obrigados a reunir grupos de contadores e especialistas jurídicos para examinar as finanças das operações da Evergrande em suas respectivas regiões.

Na sexta-feira (24), ainda conforme a Bloomberg, a incorporadora não deu sinais de ter efetuado o pagamento de US$ 83,5 milhões, que tem um período de carência antes que qualquer default possa ser declarado. Com isso, as ações da companhia despencaram mais de 11% em Hong Kong no último pregão da semana.

O imbróglio do caso Evergrande já dava indícios de problemas com inadimplência em agosto do ano passado, quando a construtora pediu socorro ao governo da sua cidade sede, Shenzhen, pois não teria recursos para pagar as dívidas que venceriam em janeiro de 2021. Para aliviar a situação, um investidor da empresa promoveu o alívio e alongou o prazo de pagamento de US$ 13 bilhões.

Mais episódios sobre o caso ainda estão por vir e os mercados devem ficar atentos ao desenrolar dos fatos. 

 

Biden defende cooperação internacional e anuncia  US$ 100 bilhões para combate às mudanças climáticas em discurso na ONU

 

Em seu primeiro discurso como presidente dos Estados Unidos na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, na terça-feira (21), Joe Biden defendeu a cooperação internacional diplomática e alertou que o “mundo está diante de um ponto de inflexão devido à pandemia e às mudanças climáticas”. Segundo o presidente norte-americano, as decisões desta década influenciarão todo o curso da História.

Entre os principais pontos do discurso de Biden, o presidente defendeu a saída dos EUA do Afeganistão; rejeitou a ideia de uma “nova Guerra Fria”, sem citar outras nações, como a Rússia, antagonista dos americanos no antigo conflito, mas disse que os EUA se opõem a “países mais fortes que tentam controlar os mais fracos”. Além disso, o democrata anunciou uma ajuda de US$ 100 bilhões para que os países em desenvolvimento combatam as mudanças climáticas.

Sobre a Covid-19, o presidente dos EUA comemorou o compartilhamento de vacinas entre países e disse que o “militarismo” não servirá para combater o vírus. A fala de Biden veio logo após a do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. 

 

moedas

Ranking de Moedas

 

O real caiu da 14ª posição para a 19ª, com desvalorização semanal de 0,98% frente ao dólar, segundo mostra o “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar.

Com isso, o real acabou ficando atrás do peso mexicano, seu par emergente, que fechou na 13ª posição e queda de 0,22% frente ao dólar. No entanto, a moeda brasileira se manteve acima da lira turca, outro par, que seguiu em último lugar, como na semana passada, registrando baixa de 2,25%. Na penúltima posição está o florim húngaro (-1,29%) e em antepenúltimo o real brasileiro. No pódio do Ranking, a coroa norueguesa ficou na primeira posição, com alta de 1,27%, seguido do dólar canadense (+0,83%) e o franco suíço (+0,74%). 

O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registra alta de 0,11% na semana. O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.
Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.

 

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.
Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.

 

Cotações

 

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com alta de 0,94%, a R$ 5,338
  • EUR/BRL fechou a semana com alta de 0,82%, a R$ 6,254
  • MXN/BRL encerra a semana com alta de 0,69%, a R$ 0,265
  • CNH/BRL com alta de 1,08%, a R$ 0,825

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (24), às 16 h

 

fundamentalista

Insiders

A Arezzo (ARZZ3) informou que seu CFO, Rafael Sachete, assumirá o cargo de diretor-executivo de relações com investidores, estratégia, M&A e novos negócios da companhia, substituindo Aline Ferreira a partir de 1º de outubro.

A Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras (ELET3), e a estatal russa de energia atômica Rosatom assinaram acordo não vinculante para trocar informações sobre novos projetos de usinas nucleares de larga escala, segundo fato relevante publicado na segunda-feira (20). 

A Embraer (EMBR3) e a Helipass firmaram acordo para aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical, mais conhecidas como eVTOL, na França e outros países da Europa. A parceria, por meio da Eve Urban Air Mobility, visa acelerar e implantar as aeronaves, que tem lançamento planejado para 2026. A empresa também assinou um contrato de serviços de longa duração com a Alliance Airlines para fornecer suporte à frota de jatos E190 da companhia aérea nesta semana. 

A resseguradora IRB Brasil (IRBR3) informou nesta semana que seu conselho de administração nomeou o executivo Raphael Afonso Godinho de Carvalho como novo diretor presidente da companhia. O executivo assume o cargo em 1º de outubro, para um mandato até 2 de julho de 2023.

A Petrobras (PETR4; PETR3) anunciou na segunda-feira (20) a intenção de atingir neutralidade das emissões em prazo compatível com o Acordo de Paris. A empresa é integrante da Oil and Gas Climate Initiative (OGCI). A decisão faz parte de uma estratégia do grupo de empresas do OGCI de neutralizar as emissões de gases de efeito estufa  das operações sob seu controle e também sua afirmar sua intenção de influenciar para atingir o mesmo em ativos não-operados.

Ainda sobre a Petrobras (PETR4; PETR3), o conselho de administração da Transpetro, subsidiária da petroleira, recebeu carta de renúncia de Gustavo Raposo do cargo de presidente da Transpetro com efeitos a partir de 24 de setembro, informou a estatal na terça-feira (21).

A Petz (PETZ3) anunciou que Diogo Ugayama Bassi abdicou ao cargo de CFO e de RI. “Em vista da renúncia, o conselho de administração elegeu Aline Ferreira Penna Peli para o cargo”, informou a companhia.

A Gol (GOLL4) anunciou na terça-feira (20) que o Grupo Comporte, do seu acionista controlador, chegou a um acordo com a irlandesa Avolon para a aquisição ou empréstimo de 250 aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL) a partir de 2025. O acordo não-vinculante condiciona que a aeronave seja certificada até 2024 e que as entregas aconteçam com sucesso até a data estabelecida para iniciar operações com uma malha aérea brasileira usando os veículos VA-X4.

As ações da Hering deixaram de ser negociadas na segunda-feira (20), após o fim do processo de fusão com o Grupo Soma (SOMA3). Os acionistas titulares de ações de emissão da Hering até o pregão da B3 sexta-feira (17), se tornaram titulares de ações da Soma na proporção da relação de troca final.

A Vale (VALE3) desistiu de todos os processos minerários em terras indígenas no Brasil, ao reconhecer que a atividade em tais regiões apenas poderia ocorrer mediante o Consentimento Livre, Prévio e Informado (CLPI) dos próprios indígenas e uma legislação que permita e regule adequadamente a atividade, disse a empresa em nota na quarta-feira (22). A mineradora também informou nesta semana que o então CFO da AES Gustavo Pimenta assumirá a vice-presidência executiva de Finanças e Relações com Investidores da  empresa, com a mudança de Luciano Siani para o cargo de vice-presidente executivo de Estratégia e Transformação de Negócios. As mudanças serão efetivas a partir de 1º de novembro.

A Via (VIIA3) informou na terça-feira (21) que superou no início de setembro 100 mil vendedores terceiros em sua plataforma online. No começo do ano, então com 10 mil vendedores no marketplace, a empresa previa elevar este montante para 90 mil até o fim de 2021. O número de produtos únicos à venda (SKUs) passou de 3 milhões para 33 milhões em setembro, informou a Via.

 

Follow ON e aquisições

 

Ambipar – A Ambipar (AMBP3) informou a compra da irlandesa Lehane Environmental, especializada em emergências ambientais e serviços industriais, em valor não informado. A Ambipar já destinou cerca de R$ 1,5 bilhão em aquisições. O montante foi captado no IPO realizado pela companhia em 17 de julho deste ano.

Bemobi – A Bemobi (BOMB3) concluiu nesta semana o follow on iniciado em 13 de maio, tendo sido adquirido 2 milhões de ativos, ao custo médio de R$ 20,63 por ação. A operação tem o objetivo de manter os papéis em tesouraria, “para no futuro aliená-las ou cancelá-las”, informou a Bemobi.

Cosan – A Cosan (CSAN3) anunciou na segunda-feira (20) a compra de cerca de 47% de participação da gestora de propriedades agrícolas Radar por R$ 1,479 bilhão. Após a compra, a Cosan passará a deter mais de 50% do capital social da Radar. O fechamento definitivo da operação está condicionado à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Totvs – A Totvs (TOTS3) anunciou na terça-feira (21) a precificação de seu follow-on de oferta restrita em R$ 36,75 por ação. Com esse valor, a negociação dos novos 39,2 milhões de papéis levantará R$ 1,43 bilhão para a empresa fará seu capital social quase dobrar, indo dos atuais R$ 1,5 bilhão para R$ 2,9 bilhões, um aumento de 93%. As ações começaram a ser negociadas na quinta-feira (23) e os acionistas da companhia até então não tiveram direito de preferência.

 

IPOs

 

O período de reserva de ações para o IPO da Bluefit (BFFT3) terminou na quinta-feira (23). As ações da empresa estreiam na B3 na próxima terça (28). 

A Environmental ESG Participações, subsidiária do Grupo Ambipar (AMBP3), divulgou nesta semana sua faixa indicativa de preço situada entre R$ 15,50 e R$ 20,50 por ação. No cronograma atual, os papéis da empresa devem ser precificados em 7 de outubro, com estreia das ações no pregão no dia 11 de outubro, sob o código EESG3.

A Comerc Energia, uma das principais comercializadoras de energia do país, lançou sua oferta pública inicial de ações com faixa indicativa de preço entre R$ 16,87 a R$ 18,56, o que pode movimentar mais de R$ 1,5 bilhão, considerando a média dos preços citados. A precificação está prevista para o dia 8 de outubro e a estreia na B3 para dia 13 do mesmo mês, o ticker COMR3.

A Althaia, fabricante de medicamentos genéricos e suplementos de Atibaia, interrompeu nesta semana por até 60 dias úteis o prazo de análise de registro de sua oferta pública inicial de ações. A estreia na B3, que estava marcada para a próxima segunda-feira (27), sob o ticker (ALTF3), foi adiada.

 

Maiores altas e baixas da semana

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.