No Brasil, inflação acima da meta. Lá fora, a guerra continua

Resumo com as principais notícias do cenário nacional e internacional que foram destaques nesta semana

Última atualização:

No cenário nacional o destaque vai para as divulgações do Banco Central e o novo pronunciamento do presidente do BC, Roberto Campos Neto. Em relatório, o BC indicou que há 88% de chances da inflação estourar a meta novamente em 2022. Entre os motivos, a guerra na Ucrânia ganhou destaque.

Mesmo assim, o presidente da instituição avalia que o Brasil tem uma “oportunidade secular” em razão do conflito europeu sob o ponto de vista econômico.

Lá fora, Rússia e EUA seguem tensionando a relação entre os países, com anúncio de novas sanções dos países ocidentais e contra ataques do presidente russo, Vladimir Putin.

Tudo isso e mais você confere nesta edição do Replay do Mercado

Notícias nacionais

BC projeta inflação fora da meta e PIB de 1% em 2022, aponta relatório

Campos Neto diz que Brasil tem “oportunidade secular” com guerra na Ucrânia

Ata do Copom indica novos aumentos na Selic em razão da guerra e cenário interno

Notícias internacionais

Rússia exige receber pagamentos rublos por gás exportado à Europa

Biden pede saída da Rússia do G20 e anuncia novas medidas contra o país em parceria com UE

Dirigentes do Fed projetam ritmo da alta dos juros nos EUA

Moedas pelo mundo

Ranking de Moedas

Mercado Fundamentalista

Balanços trimestrais

Insiders

Follow On e Aquisições

Maiores altas e baixas da semana

 

BC projeta inflação fora da meta e PIB de 1% em 2022, aponta relatório

Embora o Banco Central tenha mantido em 1% a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, as novas pressões inflacionárias no país têm grande chance de empurrar os preços ao consumidor novamente para fora da meta neste ano. De acordo com as projeções, a probabilidade de o IPCA terminar o ano abaixo do piso da meta é 0% e de ficar acima do teto é 88%. Os dados são do Relatório Trimestral da Inflação (RTI), publicado na quinta-feira (24) pelo BC.

Para 2023, a chance de ficar abaixo do piso é 17% e a de ficar acima do teto é 12%. Para 2024, a chance de ficar abaixo do piso é 28% e a de ficar acima do teto é 6%.

O BC informou em seu relatório que projeta inflação de 1,02% para março e 1,21% para abril, mas queda dos preços em 0,14% em maio.

A guerra entre Rússia e Ucrânia foi colocada como um dos novos fatores inflacionários, que devem manter persistente as pressões sobre os preços das commodities, mesmo com a recente valorização do real. 

“O conflito armado aumentou a aversão global ao risco, elevando, consequentemente, os prêmios embutidos nos preços dos ativos financeiros, e deve impactar severamente a economia russa e seus principais parceiros comerciais.”

A guerra impacta diretamente no preço das commodities, em especial trigo, milho, petróleo e gás natural.

Diante disso, o BC trabalha com um “cenário alternativo” que, segundo o banco, é mais provável que aconteça: 

Nesse cenário, considerado de maior probabilidade, adota-se a premissa na qual o preço do petróleo segue aproximadamente a curva futura de mercado até o fim de 2022, terminando o ano em USD 100/barril e passando a aumentar 2% ao ano a partir de janeiro de 2023. Nesse cenário, as projeções de inflação do Copom situam-se em 6,3% para 2022 e 3,1% para 2023″, mostra o RTI.

Pelas metas, o BC deve perseguir IPCA de 3,5% em 2022, 3,25% em 2023 e 3% em 2024. O sistema prevê um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais e para menos.

O BC manteve a perspectiva de 1% para o PIB brasileiro em 2022. O dado acaba sendo um meio termo frente à projeção de crescimento de 0,5% do mercado financeiro, através do Boletim Focus, e de 1,5% projetado pelo Ministério da Economia.

Campos Neto diz que Brasil tem “oportunidade secular” com guerra na Ucrânia

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, falou pela 1ª vez sobre os impactos da guerra na Ucrânia para a economia brasileira. Segundo Campos Neto, o país  pode ter oportunidade de se inserir na cadeia global de valor de forma mais intensa, devido ao cenário de guerra no leste europeu.

O Brasil não se inseriu na cadeia global de valor durante grande parte desse período de especialização que tivemos. Agora, temos oportunidade, com essa redivisão, de estar muito mais presente. É uma oportunidade secular para o Brasil, se estiver no lugar certo, com as políticas certas, de entrar nessas cadeias globais de valor”, avaliou o presidente na quarta-feira (23).

“Se o Brasil tiver fertilizantes para produzir alimentos, pode ser positivo, porque o preço dos alimentos sobem, e o Brasil é um produtor de alimentos mundial”, comentou.

Outra possível vantagem do Brasil seria em razão da saída de diversas empresas da Rússia, Ucrânia e China durante o conflito e que podem vir a se instalar aqui. 

“Foi a primeira guerra mundial onde as empresas tiveram um papel muito importante, centenas de empresas decidiram fechar negócios na Rússia. Quem não fez, sofreu boicote dos usuários e mudou de ideia”, declarou.

Ele avalia que é uma “oportunidade secular” para o Brasil se inserir nas cadeias globais de valor, ou seja, atrair empresas que estão deixando esses países, aumentar sua produção e exportação.

Mesmo assim, o país deve sofrer seu pico inflacionário em abril, projeta Campos Neto que também que, a partir da guerra, o mundo passará por um período “relativamente longo” com a inflação maior e o crescimento econômico menor.

Ata do Copom indica novos aumentos na Selic em razão da guerra e cenário interno

Antes da divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central já havia mencionado na ata de sua última reunião que avaliou as consequências de longo prazo da guerra na Ucrânia para a inflação, o que pode exigir uma alta ainda maior da taxa básica de juros brasileira, a Selic.

Há duas semanas, o comitê decidiu elevar a taxa Selic de 10,75% ao ano para 11,75% ao ano. Foi o nono aumento consecutivo. Com isso, a Selic alcançou o maior nível em quase cinco anos.

Na ata, o comitê afirma que prevê um “ajuste da mesma magnitude” na próxima reunião, ou seja, mais uma alta de um ponto percentual, o que, se confirmada, levaria a taxa Selic para 12,75%. Porém, pondera que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados.

Além dos impactos da guerra, o Copom segue colocando no cálculo da alta de juros o risco fiscal no país, a exemplo da política de subsídio dos combustíveis. O comitê avalia que políticas fiscais que aumentem o consumo ou piorem a condução futura das contas públicas podem “impactar negativamente os preços de ativos importantes e elevar os prêmios de risco do país”.

“O Copom avalia que o momento exige serenidade para avaliação da extensão e duração dos atuais choques. Caso esses se provem mais persistentes ou maiores que o antecipado, o Comitê estará pronto para ajustar o tamanho do ciclo de aperto monetário”, conclui.

 

internacionais

Rússia exige receber pagamentos rublos por gás exportado à Europa 

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou na terça-feira (22) que a partir da próxima semana  que o país cobrará de países “hostis” o pagamento em rublos por vendas de gás como forma de driblar as sanções de EUA e Europa na guerra econômica imposta ao país – mas que também atinge todo o mundo. Putin  acrescentou que a gigante russa do gás Gazprom receberia ordens para fazer as alterações correspondentes nos contratos.

Os países “hostis” mencionados pelo presidente russo correspondem àqueles que impuseram sanções, incluindo EUA, Estados membros da União Europeia, Reino Unido, Japão, Canadá, Noruega, Cingapura, Coreia do Sul, Suíça e Ucrânia.

De acordo com a empresa, 58% de suas vendas de gás natural para a Europa e outros países a partir de 27 de janeiro foram liquidadas em euros. Os dólares norte-americanos representaram cerca de 39% das vendas brutas e a libra esterlina cerca de 3%.

O gás da Rússia responde por cerca de 40% do consumo total da Europa. Após o anúncio, o preço do gás disparou no Velho Continente. 

A situação aumenta os temores de que se acentue a crise energética da região. No entanto, Putin afirmou que o fornecimento não será interrompido.

A Rússia, é claro, continuará a fornecer gás natural de acordo com os volumes e preços… fixados nos contratos já fechados”, disse Putin em uma reunião com ministros do governo transmitida pela TV. “As mudanças só afetarão a moeda de pagamento, que passará a ser o rublo”, acrescentou.

Após o anúncio, o rublo russo se valorizou, o euro caiu e o dólar seguiu em tendência de baixa.

A ofensiva de Putin ocorre em meio a uma semana de reuniões dos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e uma possível saída do país do bloco do G20.

Biden pede saída da Rússia do G20 e anuncia novas medidas contra o país em parceria com UE

O presidente norte-americano Joe Biden disse na quinta-feira (24), em Bruxelas, durante um encontro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que a Rússia deveria sair do G20, grupo formado pelas 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia.

Acho que a Rússia tem que sair do G20, mas isso depende do G20. Apesar de a Indonésia e outros países não concordarem, acho que deveríamos, no meu ponto de vista, permitir que a Ucrânia participe desses encontros do G20″, disse Biden.

A Indonésia preside o bloco de países em 2022, o que tende a ser um impeditivo para o pedido de Biden. 

Os EUA já vinham alimentando a intenção de pedir a retirada da Rússia do G20 no início da semana. Diante disso, o embaixador da Rússia em Jacarta, capital da Indonésia, disse na quarta-feira (23) que o presidente russo Vladimir Putin “quer ir” para a cúpula do G20 na Indonésia em novembro.

Biden já admitiu que não existe consenso sobre a expulsão e que, sozinho, o governo americano não pode evitar a participação de Moscou no bloco das 20 maiores economias do mundo.

Na sexta-feira (25), o presidente dos EUA em parceria com a da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram uma força-tarefa em um esforço para afastar a Europa de sua dependência do petróleo e gás russos.

Os Estados Unidos trabalharão para fornecer à Europa pelo menos 15 bilhões de metros cúbicos de gás natural liquefeito em 2022, em parceria com outras nações, informou a Casa Branca.

Dirigentes do Fed projetam ritmo da alta dos juros nos EUA

Dirigentes do Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos se pronunciaram nesta semana sobre o rumo da taxa de juros no país e, embora não haja um consenso explícito entre eles, é possível que uma elevação mais agressiva do que a anterior, quando o Fed subiu os juros em 0,25 p.p

A presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, afirmou na quarta-feira (23) que o banco está preparado para fazer o necessário para garantir a estabilidade de preços. Segundo ela, os dados vão dizer o quanto de aperto monetário é necessário nos Estados Unidos, mas tudo está “na mesa”, inclusive aumentar os juros em 50 pontos-base.

Segundo ela, o Fed terá inclusive de avaliar se é o caso de ir “além da taxa neutra” (de 2% ao ano) para controlar a trajetória dos preços, mas a dirigente não mencionou um nível específico. No entanto, destacou que o Fed deve evitar mover rapidamente o aperto monetário, para não ser tão “disruptivo”.

“Acho importante que comecemos a subir a taxa de juros e acho que isso nos posiciona melhor se o fizermos mais cedo do que mais tarde”, concorda a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester.

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, salientou que sobre os riscos caso este tenha ritmo “devagar demais”

Já o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, discorda sobre uma alta mais agressiva dos juros. De acordo com ele, há riscos ligados a um aumento muito agressivo do juro nos EUA, caso o BC opte por altas acima de 25 pontos-base nas reuniões de 2022.

“E se as cadeias de suprimentos começarem a normalizar? Talvez não precisemos de mais seis altas de juro em 2022 se os desequilíbrios começarem a melhorar”, projetou.

Ranking de moedas

Com o dólar caindo para a mínima em dois anos na comparação com o real, a moeda brasileira segue em tendência de alta, com valorização de 5,64% frente do dólar, e subiu da 8ª para a 2ª do “Ranking de Moedas”, ferramenta disponível no Profit Pro, que reúne 21 das principais moedas do mundo em comparação ao dólar. 

O real só não se valorizou mais que o rublo russo, que disparou 28,53%, ritmo também registrado na semana anterior. Na terça-feira (22), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou que cobrará o pagamento em rublos por vendas de gás, o que motivou a valorização.

Na 3ª posição ficou o peso mexicano, par emergente do real, com alta de 2,02%. 

Os piores desempenhos ficaram para o iene japonês (-2,53%), kuna croata (-0,55%) e para o euro (-0,48%).

Ferramenta Ranking de Moedas, Profit Pro.

 

O DXY (DOLINDEX no Profit Pro), que mostra a relação do dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, registrou alta de 0,46% na semana.

O Dollar Index compara a moeda norte-americana com o euro (zona do euro), o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido), o dólar canadense (Canadá), a coroa sueca (Suécia), e o franco suíço (Suíça). Confira:

Ferramenta “Gráfico”, do Profit Pro. Código: DOLINDEX.

Cotações

Ante o real, as seguintes moedas performaram assim:

  • USD/BRL encerrou a semana com baixa de 5,35%, a R$ 4,751
  • EUR/BRL fechou a semana com baixa de 5,80%, a R$ 5,221
  • MXN/BRL encerra a semana com baixa de 3,46%, a R$ 0,237
  • CNH/BRL com baixa de 5,54%, a R$ 0,744

* O Ranking de Moedas, Dolindex e as cotações foram extraídas do Profit Pro, na sexta-feira (25), às 16h30

fundamentalista

Balanços trimestrais

A JBS (JBSS3) revelou na segunda-feira (21) que teve lucro líquido de R$ 6,47 bilhões no 4º trimestre, alta de 61% ante igual período de 2020, enquanto o resultado anual disparou mais de três vezes, para R$ 20,5 bilhões.

O Grupo NotreDame Intermédica (GNDI3) reportou prejuízo de R$ 4,9 milhões no 4º trimestre de 2021, revertendo o lucro de R$ 155,2 milhões do mesmo período do ano anterior. A receita, por sua vez, somou R$ 3,26 bilhões, alta de 16,1% na mesma base de comparação.

A Equatorial (EQTL3) registrou lucro líquido consolidado de R$ 1,421 bilhão no 4º trimestre de 2021, o que representa um crescimento de 1,4% em relação ao mesmo trimestre de 2020. A receita líquida somou R$ 8,057 bilhões entre outubro e dezembro do ano passado, alta de 34,4% na comparação com igual etapa de 2020.

A Vibra (VBBR3) registrou lucro líquido de R$ 1,025 bilhão no 4º trimestre, o que representa uma diminuição de 67,4% em relação ao mesmo trimestre de 2020. A receita líquida somou R$ 39,271 bilhões entre outubro e dezembro do ano passado, alta de 61,6% na comparação com igual etapa de 2020.

A Hapvida (HAPV3) registrou lucro líquido de R$ 200,2 milhões no 4º trimestre de 2021, cifra 112,4% superior ao reportado em igual etapa de 2020. 

 

Insiders

Como resultado da incorporação de ações da Cesp (CESP6) pela VTRM Energia, as ações da Cesp deixarão de ser negociadas na B3. Assim, a partir do dia 28 de março de 2022, as ações da nova empresa resultante da fusão, Auren Energia, serão negociadas no Novo Mercado da B3 sob o ticker AURE3.

A Eletrobras (ELET3; ELET6) comunicou que o Conselho de Administração de sua subsidária Companhia de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Sul do Brasil (CGT Eletrosul) aprovou a venda da totalidade de sua participação de 78% na Sociedade de Propósito Específico (SPE) Livramento Holding S.A

A Energisa (ENGI11) anunciou a nova marca do Grupo Energisa, a (re)energisa, que integrará e representará os seus negócios não regulados de geração descentralizada através de fontes renováveis, comercialização de energia no mercado livre e serviços de valor agregado.

A holding Itaúsa (ITSA4) anunciou que vendeu 12 milhões de ações classe A da XP, ou 2,14% do capital total da corretora, por R$ 1,8 bilhão.

A JBS (JBSS3) começou a produzir fertilizantes a partir de resíduos orgânicos de suas operações e matérias-primas minerais, em movimento que marca a entrada da companhia no segmento de insumos agrícolas.

 

Follow On e Aquisições

Ambipar – A Ambipar (AMBP3) anunciou a compra da Flyone Serviço Aéreo Especializado. O valor da transação não foi informado pela companhia.

Gafisa – A Gafisa (GFSA3) anunciou que firmou contrato para aquisição da Bait, incorporadora imobiliária de alta e altíssima renda do Rio de Janeiro.

JBS – O conselho de administração da JBS (JBSS3) aprovou um plano de recompra que permite a aquisição de até 116.167.197 ações ordinárias. Além disso, também foi aprovado o cancelamento da totalidade de 129.064.700 de ações ordinárias, sem valor nominal, de emissão da JBS, mantidas em tesouraria, sem redução do valor do capital social.

Oncoclínicas – A Oncoclínicas (ONCO3) anunciou a compra de 49% da espanhola Medsir (Medica Scientia Innovation Research) por € 5,75 milhões – cerca de R$ 31,6 milhões, considerando a cotação de sexta-feira (18).

 

 Maiores altas e baixas da semana

 

Conclusão

Este foi o Replay de Mercado, com as principais notícias do mercado que foram destaques nesta semana. Para mais notícias, nos acompanhe no Blog da Nelogica. Você também pode se informar pelo Market Report, publicado três vezes por dia no Profit Pro, com as notícias mais relevantes do momento.