Simulador ou real
Simulador ou real

Simulador ou conta real? Descubra como decidir

Uma grande dúvida dos traders é sobre o momento de colocar, realmente, o dinheiro no mercado financeiro. Hoje em dia, ferramentas como simuladores facilitam muito o aprendizado sobre a bolsa, mas em algum ponto o operador deve iniciar as operações na conta real. O que levar em conta nesse momento de passagem?

Algumas questões determinam se é a hora certa de iniciar os trades de fato, como por exemplo ter um planejamento certo, estratégias e técnicas definidas, e até mesmo o capital necessário. Quer entender melhor? Leia esse artigo para saber se no momento é melhor ficar na conta de simulação ou se você já está preparado para enfrentar o mercado!

Dinheiro: a matéria-prima do trader

O ponto mais básico para iniciar na Bolsa é simples, mas muitas vezes esquecido: ter dinheiro. Caso o trader não tem capital suficiente para realizar operações, não há como iniciar com qualidade. Por outro lado, se tentar utilizar margens muito baixas em conta, certamente não vai aguentar o balanço do mercado e vai quebrar a conta.

Para o day-trade, o cálculo do dinheiro necessário toma como base o valor do tick de variação do ativo. Para minicontratos é interessante ter ao menos R$ 1000,00 na corretora para operar o lote mínimo. Em um dia de 5 pontos de loss no minidólar, por exemplo, já são R$ 50,00 de perda, segurando no pior dos casos até 20 perdas consecutivas.

As reduzidas margens hoje pedidas pelas corretoras certamente ajudam novos traders a entrar no mercado, mas não se engane pelos baixos valores: alavancagem é mortal se mal utilizada. Se você tem R$ 300,00 em conta, e a corretora pede R$ 50,00 por minicontrato, se você operar com 6 minicontratos, a conta é quebrada com míseros 5 pontos de loss.

Vale a pena juntar uma grana a mais e ficar mais tempo no simulador quando não tem um financeiro suficiente para operar. Assim, você segue aprimorando suas estratégias e entra com mais experiência na grande selva da Bolsa de Valores.

Aprendendo o mercado com o simulador

O início do trader nunca é fácil: uma enxurrada de informações, dados e telas assustam em um primeiro momento. Mas fique tranquilo: é o estudo e a prática que levarão à experiência. E nesse momento o simulador certamente acaba ajudando bastante aquele que deseja aprender como comprar, vender e zerar posição.

O trading é uma atividade que exige muita agilidade no clique, e como em qualquer atividade precisa do treino para se aperfeiçoar. Com o simulador, o trader exercita o envio de ordens e se acostuma à realidade do mercado, algo fundamental para vencer com consistência.

Com certeza é possível economizar um dinheiro bem alto com o simulador. Hoje, não há porque aprender perdendo. É possível praticar sem arriscar capital. Assim, o operador consegue guardar dinheiro para o momento certo!

Quando o trader se sentir confiante e dominar as ferramentas que são vistas na tela, então se pode acreditar que o próximo nível pode ser alcançado, que é o aprendizado técnico.

Testando estratégias com o simulador

A partir do ciclo de aprendizado operacional básico, é iniciada a fase de aprendizado da técnica. Análise técnica, Tape Reading, Price Action… qual utilizar? Mesmo dentro dessas metodologias, há vários modos de operar, e o simulador acaba sendo um ótimo recurso. Isso porque até entender os métodos certos leva tempo.

Não se aprende Price Action em um dia. São muitos padrões gráficos e o olho do trader deve ser treinado. Também, não se entende tudo sobre Tape Reading em um dia. São muitas variáveis envolvidas. Por que, então, não investir o tempo certo para operar com uma conta de simulação enquanto aprende?

Muitas vezes, após o tempo de aprendizado o operador acha que está pronto e começa a clicar. A realidade vem: não sabia tanto quanto achava que sabia. O mercado não perdoa e o trader começa a perder dinheiro. Quando isso ocorre, é uma boa alternativa dar um passo atrás e voltar ao simulador, antes de quebrar a conta e sair do mercado.

O que também é muito comum é conhecer uma nova estratégia e, após isso, procurar oportunidades e fazer backtesting para ver a assertividade dela nos ativos. Nesse caso, também não há motivo de testar o plano inicialmente na conta real. Saber usar o simulador é interessante, pois já se cria uma ideia da eficiência daquele técnica antes da aplicação monetária.

Psicologia do trader: consigo treinar?

O ideal é sempre buscar ferramentas e recursos avançados que oferecem as melhores condições de simular o mercado para aprender. Um simulador que não leva em consideração parâmetros como tamanho de lote e ordem na fila não serve para quem deseja ser trader.

É importante usar plataformas profissionais como o ProfitChart, produto que disponibiliza um módulo adicional de simulação com atributos realísticos para praticar com qualidade, adaptando o mindset ao ambiente da Bolsa.

Nesse sentido, o simulador é fundamental para começar a entender como funciona a cabeça e os sentimentos de um trader. Trading é 80% psicologia e 20% técnica. Assim, a prática contínua serve para modelar comportamentos como stopar na hora certa, abrir posição quando o setup sinaliza e saber quando não operar.

O que muitos operadores fazem com o simulador é abrir posições com quantidades fora da realidade. Operando com lotes gigantes, sem stop e sem gerenciamento, não existe treinamento apenas entretenimento. O certo é usar essa funcionalidade o mais próximo possível da sua realidade financeira e operacional.

Com certeza, o simulador auxilia a formar o psicológico de um trader de sucesso. Isso deve ser visto com extremo cuidado por quem está nas fases iniciais. Vivenciando o mercado financeiro com as perdas, alta volatilidade e necessidade de atuação rápida, aos poucos

Quanto tempo fico no simulador?

Essa pergunta é uma dor de cabeça na vida dos traders. O que muitos não pensam é sobre o tempo que gastaram para exercer suas profissões e habilidades atuais. Um profissional demora em média 5 anos para se formar em uma faculdade. Como ser um excepcional trader com poucos dias ou meses? Esqueça essa ideia.

A ideia de que o sujeito irá largar tudo e conseguir um grande trade e viver em um resort nas Bahamas é um pensamento muito ilusório. Isso estimula a pensar que a Bolsa é fácil. Por consequência, a mortalidade dos traders é ainda muito alta em pouco espaço de tempo. Levar como profissão é a diferença da vitória para a derrota.

Para saber o momento certo de sair da conta de simulação e ir para a conta real, o trader deve realizar uma autoavaliação, tomando em consideração setup, psicológico e valor financeiro que tem em conta.

Nunca ninguém se sentirá 100% pronto para estabelecer a mudança da conta de simulação para a conta real. É interessante usar as duas contas simultaneamente: caso haja uma fuga do plano de trading, volte para a simulação!

Não esqueça de ninguém sai do mercado por ficar aprendendo na conta de simulação.

Quer operar no mercado mas está com pouco tempo disponível? Então veja esse vídeo para conhecer 3 ferramentas que vão te ajudar se você está com pouco tempo livre!

Especialista em trading e produtor de conteúdo para mercado financeiro e traders de diversos perfis. É formado em Administração de Empresas (UFRGS) e pós-graduando em MBA Broker Global (IBMEC). Há mais de 4 anos, trabalha auxiliando traders e investidores a chegarem aos seus objetivos financeiros.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *