240099 teoria de dow o que e e como utilizala nas analises tecnicas
240099 teoria de dow o que e e como utilizala nas analises tecnicas

Teoria de Dow: o que é e como utilizá-la na análise técnica?

Os traders se valem de conceitos e estudos para fazerem suas operações no mercado. A teoria de Dow é uma das bases mais sólidas e antigas, ainda sendo bastante relevante para entender os movimentos dos ativos.

Diante de sua importância, é hora de saber mais sobre esse assunto. Neste post você entende em detalhes o que é a teoria de Dow, o que a originou, quais são os seus principais fundamentos e como ela pode ser útil. Confira!

O que é teoria de Dow?

A teoria de Dow é um dos principais conceitos utilizados como base para a análise técnica, que é tão importante no cotidiano do trader. Ela dá suporte para o entendimento e o estudo exato das variações dos gráficos dos ativos.

Ao observar os preços, é importante ter uma visão aprofundada diante dos movimentos que eles apresentam. Essa oscilação pode ter várias origens, o que possibilita diferentes perspectivas de mercado. A teoria de Dow ajuda o trader a ter uma percepção adequada no momento da análise técnica.

Como ela surgiu?

Charles Henry Dow é o grande criador da teoria que levou seu sobrenome como inspiração. Durante toda sua vida, ele se dedicou a estudar os movimentos do mercado, desenvolvendo estudos que servissem como base às análises técnicas.

Em 1887, quando já havia dado origem ao índice Dow Jones, Charles trabalhava fortemente na análise técnica, chegando à teoria de Dow. Ele morreu em 1902, mas todo seu trabalho de anos se manteve devidamente arquivado. Charles sabia que o que havia criado seria relevante e reconhecido um dia.

Quais os fundamentos da teoria de Dow?

A teoria de Dow é um manual básico para qualquer trader. Entender sua proposta abrirá a visão para o entendimento do mercado, com base em informações sólidas e alcançadas em anos de estudos.

Em sua teoria, Charles Dow desenvolveu 6 fundamentos básicos para obter compreensão diante de uma análise técnica.

Os índices já descontam tudo

Charles afirmava que os resultados dos principais índices já refletiam o que o mercado acreditava. As notícias já tinham seu impacto incorporado aos valores dos ativos. Ele ressaltava a capacidade do mercado em se adaptar aos novos acontecimentos, refletindo isso nos preços.

Diante disso, Charles destacou a importância de focar nas análises sobre os índices concretos, sem estudos paralelos. Tudo que é necessário ao entendimento sobre o comportamento dos preços está nessas fontes. A estimativa do mercado é sempre eficiente.

O mercado tem 3 tendências

Entender as tendências foi um trabalho forte de Charles. Ele soube analisar esses movimentos e os dividiu em 3 tipos, fazendo uma analogia com os movimentos do mar. São eles:

  • Tendência primária (maré, ou seja, maior movimento do mar): são movimentos duradouros, seja de subida, seja de baixa. A tendência primária pode durar de meses até anos.

  • Tendência secundária (ondas, ou seja, são consequências da maré): são movimentos de equilíbrio e correção da tendência primária, de alta ou baixa. Duram de 3 semanas até 3 meses.

  • Tendência terciária (marolas, ou seja, acontecem entre as ondas): pequenas variações de preços que acontecem diante da tendência secundária. Duram menos de 3 semanas.

A tendência primária tem 3 fases

A tendência primária, maior e mais duradoura, é divida em 3 momentos, segundo Charles:

  1. Acumulação: é a hora certa de entrar em uma posição. É o momento antecipado ao resto do mercado, sendo aproveitado pelos mais bem preparados.

  2. Participação pública: já esse é o momento em que todos já entenderam a tendência e começam a adquirir os ativos. Nessa fase, os preços têm uma subida significativa.

  3. Distribuição: por fim, esse é o momento de maior amplitude. As grandes mídias já falam sobre o movimento em questão, sendo a hora ideal para sair da posição e recolher o lucro.

Os índices e médias devem confirmar uns aos outros

Esse é um ponto importante entre os fundamentos da teoria de Dow. Ele afirmava que os índices do mercado deveriam caminhar juntos, ou seja, um justificando o outro. Quando havia esse alinhamento, era um sinal de confiabilidade sobre o cenário atual.

A base de pensamento se dava a respeito das origens dos índices. Cada um trata de um ponto importante da economia, representando os setores. Assim, eles eram complementares. Se todos apontavam a uma direção, a análise era confiável.

O volume deve confirmar a tendência

Apesar de ser uma informação menos importante, o volume também era um fator a ser analisado, segundo Charles. Os movimentos de crescimento, ou de diminuição do volume, ajudam a identificar tendências de alta ou baixa.

Uma tendência vai ocorrer enquanto não houverem sinais de inversão

Um corpo em movimento continua em movimento até que outra força contrária seja exercida sobre ele. Essa frase trata sobre a inércia, 1ª lei de Newton, mas também se aplica perfeitamente à 6ª teoria de Dow, se tratando dos preços.

A tendência se mantém até que não haja nenhum sinal de mudança nos valores. Para ajudar nessa identificação, os gráficos de candle são muito importantes.

Como utilizar a teoria de Dow na análise técnica?

Entender a teoria de Dow é de extrema importância aos traders. Ela permite a compreensão completa de um gráfico, tendo em vista que eles representam os movimentos frequentes do mercado.

É importante entender os 6 fundamentos, uma vez que a aplicação deles é concreta ao fazer uma análise. O trader se torna capacitado a entender o mercado com base nessas ideias e com a ajuda dos indicadores.

As vantagens de utilizar a teoria de Dow

Apesar de antiga, a teoria de Dow segue útil e muito realista em relação ao mercado. Ela é uma base sólida sobre os princípios de análise, o que é fundamental a qualquer trader. Dominá-la é o primeiro passo para ser cada vez mais preciso na leitura dos movimentos do mercado.

Quais as críticas da teoria de Dow?

Há muita discussão em relação às falhas da teoria de Dow. Os especialistas afirmam que se perde 20 a 25% de um movimento até que ele seja identificado com base na teoria. Esse é um número relevante e que origina questionamentos acerca dessa análise.

Em contrapartida, o principal argumento de defesa desses estudos é sua proposta. Charles sempre visou analisar uma parcela grande dos movimentos e então identificar tendências. Prevê-las nunca foi a sua pretensão.

A teoria de Dow segue como um estudo forte e muito preciso como base à análise técnica. Ao trader, é fundamental conhecê-la a fundo e entender seus fundamentos para aplicá-los no cotidiano de operação.

Aproveite que você já está munido de conhecimentos de análise do mercado, conheça o ProfitChart, uma plataforma de operações diferenciada, que se adapte a diferentes perfis de trader e está disponível para o seu smartphone.

Baixe o ebook completo sobre o assunto aqui!