View Blog 176
View Blog 176

Trader de Bolsa ou trader esportivo? Descubra quais as semelhanças entre eles.

Quando falamos em trading, logo pode surgir uma dúvida: é um tipo de investimento ou de especulação? O trade em si nada mais é que uma negociação, trocar um ativo por outro ativo. O trader é aquele que analisa situações e busca oportunidades que possam gerar lucro.

O trader ainda pode seguir diversas vertentes. No mercado financeiro o mais conhecido é quem atua na Bolsa de Valores, porém há quem faça trading no mundo dos esportes, o chamado trader esportivo. Acompanhe esse artigo para entender quais semelhanças e diferenças existem entre esse dois perfis e compreender qual caminho você pode seguir!

O trader investe ou especula?

Uma operação de investimento é uma atividade que promete mais segurança do capital e uma remuneração apropriada. Esse tipo de operação necessita de uma análise minuciosa da empresa-alvo da aplicação ou um estudo cauteloso do tipo de investimento que irá exercer.

As operações que não se encaixam nesses quesitos normalmente são chamadas especulações. Ou seja, são operações de curto-prazo, com objetivo de aproveitar as divergências de preço do mercado.

O trader é o especulador, se destacando por analisar as melhores oportunidades que possam gerar lucro. Na maioria das vezes, tomando mais risco para alcançar maiores rentabilidades. Porém, para qualquer tipo de operação exige um conhecimento amplo no segmento que irá atuar.

Confira a seguir quais os mercados que o trader esportivo e o trader da B3 atuam, quais suas semelhanças e em que se diferem.

Trader da Bolsa e o Trader esportivo: O que são e como atuam?

O trader esportivo e o trader da B3 atuam em segmentos totalmente separados. Cada mercado de atuação exige uma demanda de conhecimento e especialização. Apesar das diferenças na área de atuação, ambos buscam analisar o cenário e identificar as melhores oportunidades para gerar ganho financeiro. Vejamos abaixo onde cada um atua.

Trader da B3

O trader da B3 atua na Bolsa de Valores brasileira. Busca identificar as melhores oportunidades nos diversos produtos que a Bolsa oferece. Porém, nem todos os produtos oferecem o cenário perfeito para que o operador da B3 possa gerar lucro. 

Esse tipo de trader procura papéis com alta liquidez e alta volatilidade. A alta liquidez significa que o produto possui bons níveis de negociação e bastante oferta. Isso possibilita que ele entre e saia de uma operação o momento que quiser. A alta volatilidade é o que torna possível a geração de lucro, pois é necessário que haja uma boa distorção no preço do ativo para que ele possa lucrar nesta diferença.

Vejamos abaixo alguns dos principais produtos negociados pelos traders da B3:

  • Ações: O mercado de ações possui diversos papéis para se negociar, porém nem todos possuem alta volatilidade e alta liquidez. Por isso, o trader analisa quais as ações que possuem essas características e que podem render boas oportunidades.
  • Contratos Futuros: Os contratos futuros são ativos muito utilizados, pois possuem alta liquidez e alta volatilidade, principalmente os contratos futuros de Índice Bovespa e de Dólar.

Trader esportivo

O trader esportivo atua na compra e na venda de possibilidades (odds) de um resultado em uma partida esportiva. Esse tipo de trader especula na “bolsa esportiva”, analisando as melhores oportunidades que possam gerar lucro.

Uma das vantagens deste tipo de trading é a possibilidade de lucrar em poucas horas. Por exemplo: Caso o trader opte por especular no futebol e vencer, ele poderá obter seu lucro logo ao final dos 90 minutos da partida.  Também é possível que o trader modifique suas estratégias durante a partida, podendo negociar mais odds.

Esse tipo de trader pode realizar operações a favor de um acontecimento (chamado de “back”) e também realizar operações contra o acontecimento (chamado de “lay”).

Um dos esportes mais utilizados para operações pelos traders esportivos é o futebol, por conta da grande popularidade. É onde se concentra a maioria das negociações.

Qual é o perfil de um bom trader?

O trader precisa ter algumas características básicas para se dar bem no mercado. Algumas delas: ser disciplinado, estar sempre em busca de conhecimento sobre a área, saber lidar com riscos e aprender com as perdas que ocasionalmente possam aparecer durante a trajetória.

Tanto o trader esportivo, quanto o trader de Bolsa, devem ter a consciência de que, antes de tudo, é necessário conhecer a área de atuação e entender seus conceitos e parâmetros.

Quanto mais preparado o trader estiver, maiores serão as chances de ele obter êxito em suas análises e traçar estratégias de sucesso.

Capacidade de controle emocional é um diferencial. Por exemplo: se você é um trader esportivo, não é porque seu time do coração que vai jogar que ele será a melhor escolha na hora que você definir sua estratégia. 

Quais as principais diferenças entre o trader esportivo e o trader que atua na Bolsa?

Apesar das diferenças nos mercados de atuação, ambos exigem que o trader esteja em constante busca por conhecimento e aprimoração. Eles precisam estar aptos para analisar as possibilidades de cada trade e ter capacidade de se adaptar às circunstâncias do nicho que cada um está envolvido.

Além das capacidades técnicas, ambos os traders precisam ter um controle emocional elevado, pois não podem ser deixados levar pelas emoções e fugir da estratégia. Isso pode acarretar em perdas financeiras indesejadas.

Ambos os traders, esportivo e o operador da Bolsa, possuem a característica de assumirem mais riscos em troca de uma rentabilidade mais alta. Assim, devem construir um gerenciamento de risco apurado para evitar perdas muito grandes, aumentando a rentabilidade a médio e longo prazo.

Entenda os riscos de cada atuação

No caso da B3, a regulamentação é feita pela Comissão de Valores mobiliários (CVM). Por outro lado, para o trader esportivo não há nenhum tipo de normatização que envolva diretrizes claras e gerais para o mercado.

As operações na B3 possuem maior garantia legal e proporcionam ao trader uma maior segurança e direito de questionamento caso ocorra fatores de instabilidade. Isso acontece pois há mais normas e órgãos regulamentadores.

Já no caso do trader esportivo, essa base de segurança e normas não é tão definida. Isso traz uma segurança jurídica menor em relação à Bolsa.

Por exemplo: se o trader esportivo vier a ter algum problema com o site ou plataforma que está usando e tenha perda financeira, terá de recorrer apenas à empresa fornecedora. Por isso, pode ser mais difícil o trader reaver o dinheiro, caso haja alguma divergência. 

Por outro lado o trader da B3, que tenha o mesmo problema, poderá acionar tanto os fornecedores, quanto a própria B3 ou os órgãos regulamentadores (CVM). Há mais opções, e isso certamente traz uma tranquilidade maior.

Veja qual atuação traz maior rentabilidade

Os dois mercados podem trazer resultados positivos. Todavia, isso depende do quanto o trader está preparado frente às situações que surgirão durante as operações. Também, será necessário aplicações de estratégias eficientes de acordo com as necessidades de cada caso.

Ambos os tipos de trader terão que buscar conhecimento e especialização no nicho que pretendem atuar. A constante otimização pessoal é vital na carreira dos traders, pois os dois mercados estão sempre se atualizando e nunca permanecem os mesmos.

Além do conhecimento a preparação, financeira e psicológica é um diferencial. Seguir a estratégia planejada e adotar um bom gerenciamento de risco facilitam na jornada do trader, seja ele da Bolsa de Valores ou do ramo esportivo.

O controle emocional é necessário para uma tomada de decisão racional, ou seja, na estratégia traçada e não em fatores emocionais. Isso evita que o trader perca mais do que deveria em uma operação negativa e ainda colabora para um aumento no rendimento a médio e longo prazo.

Simplificando: o lucro obtido em cada modalidade irá depender principalmente da performance de cada profissional, por isso é preciso que o trader esteja sempre atento e atualizado para reduzir os riscos de perdas e aumentar as chances de lucros.

Afinal, quais das duas atuações vale mais a pena?

Apesar desses dois tipos de traders terem suas similaridades é necessário analisar o contexto dos dois mercados. Dar atenção apenas ao possível lucro, sem acompanhar os mercados como um todo, pode gerar grandes problemas. Por isso, separamos abaixo alguns pontos fundamentais para você tomar sua decisão.

Risco

O risco é presente em ambas áreas de atuação, porém o risco do operador de Bolsa é relativo aos ativos que ele opera. Ele tem a liberdade de se estender a uma linha mais longe dos investimentos-padrão em busca de uma rentabilidade maior.

Já para o trader esportivo, além do risco operacional, há também o risco legal. Por exemplo: caso o site ou plataforma encerre suas atividades sem aviso prévio e o trader esportivo tenha valores remanescentes em sua conta, não haverá a quem recorrer para reaver os valores. Nesse caso, apenas ao fornecedor.

Players

Uma segurança a mais que o trader da Bolsa possui, são os grandes players que atuam nesse mercado. Fundos de investimento, bancos e investidores estrangeiros operam na B3 com grandes volumes financeiros todos os dias. São players que estão ligados à economia. Isso passa confiança na hora de escolher um mercado, além de possibilitar que o trader tente buscar o fluxo desses grandes investidores.

No caso do trader esportivo há maior dificuldade de entender quem está negociando. Em um mercado com pouca informação, a atuação do trader fica mais limitada.

Estrutura

O trader esportivo conta, na maioria das vezes, apenas com a estrutura do site que ele opera. Quanto maior a instabilidade do site maior a exposição ao risco.

O trader da Bolsa conta com uma infraestrutura muito mais sofisticada na hora das operações. Principalmente se estiver usando uma plataforma profissional, como o Profit, que fornece ferramentas avançadas para o trader acompanhar o mercado com mais tranquilidade.

Esse artigo foi útil? Deixe um comentário. Se quiser saber mais sobre a B3, saiba o que é e como operar na Bolsa de Valores.